Sexta-feira, Julho 1, 2022

Volta ao mundo numa página

António Cunha Vaz, Presidente CV&A

Tudo está a acontecer. Vertiginosamente. Globalmente. Inesperadamente. Portugal está a meio do exercício do seu mandato na Presidência do Conselho da União Europeia. António Guterres, Secretário-geral das Nações Unidas, anunciou a sua intenção de se recandidatar ao cargo por mais um mandato. Dentro de seis meses a Senhora Merkel sai do poder na Alemanha. Em Israel, pela quarta vez, Benjamin Netanyahu ganha as eleições, em Myanmar o golpe de estado militar faz massacres sob a passividade do mundo, em Moçambique e com o Governo a fazer o possível e impossível para controlar os ataques de terroristas islâmicos a vida não está fácil para as populações, no Brasil a pandemia está a atingir proporções nunca vistas, na Austrália as inundações atingiram dimensões inimagináveis, em África há cada vez mais focos de conflito e, confesso, a indecisão ou o excesso de decisão sobre a pandemia tem deixado Portugal em estado de nervos. Enquanto a realidade, do ponto de vista médico, parece melhorar, do ponto de vista da economia a situação é mais grave. E não nos falem de bazuca europeia ou de moratórias, porque as segundas são como aspirinas para tentar curar uma doença séria e a primeira é uma realidade que se esperava que acontecesse no primeiro semestre e, para ser sincero, creio que verá luz do dia em Outubro. Veremos quem sobrevive.

E se a bazuca peca por chegar tarde, as moratórias pecam por ser um produto que só serviria o seu propósito se antes da pandemia as empresas estivessem sãs. A grande maioria delas não estava, apenas está a sobreviver porque há esta medida e quando chegar a hora de começar a pagar capital vai ter grandes dificuldades em sobreviver. O Mundo empresarial português acaba? Não. Nunca existiu! Os capitalistas portugueses não têm capital, sempre foram subsidiados pela banca e o mercado é demasiado pequeno para assegurar a sobrevivência de muitas empresas. Espera-se que a banca sobreviva, que se pare de ficar feliz quando os negócios dos nossos concorrentes correm menos bem e que o número de empresas que nasça seja superior e melhor em qualidade do que aquele que vai perecer.

Internacionalmente é importante que o eixo Paris Berlim pense no resto da Europa da União, que Portugal não continue a deixar que se pense que a capital da Ibéria – como se a Ibéria existisse – é Madrid, que a crescente tensão entre a China, a Rússia e os EUA reduza, que os países da América Latina encontrem um caminho de desenvolvimento e que, em particular o Brasil, pela sua dimensão, se reencontre, sendo que o papel da Índia como maior democracia do Mundo e como potência industrial, bem como o papel de alguns países asiáticos e do médio oriente, com ou sem petróleo devem ser considerados como essenciais, economicamente mas, também, climaticamente. África tem um papel especial neste futuro do mundo. África não pode ser um continente eternamente adiado e ter populações repetidamente deixadas ao abandono. A responsabilidade de assegurar o desenvolvimento de África é dos africanos e dos seus governos. Mas os países ditos desenvolvidos não podem ser cúmplices, nos sectores público e privado, de um desbaratar de fundos que nunca chega a ser em benefício das populações.

Termino com Portugal. Quando um Estado assina contratos deve honrá-los, sejam eles assinados com entidades nacionais ou estrangeiras. Sob pena de, no caso destas últimas, se arriscar a afastar o seu interesse em investir neste país à beira-mar plantado. Se os responsáveis do Estado não têm competência para negociar contratos, mudem-nos. Responsabilizem-nos. O que o Estado Português não pode é captar investimento quando precisa e querer faltar às obrigações assumidas com quem cá investe quando não é o caso. l

Partilhe este artigo:

Artigo anteriorLotaria
Próximo artigoÉ proibido proibir!
- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

Momo. O museu na Lousã onde o circo deixou de ser itinerante para afirmar a sua história

Circo
Nos arredores da vila da Lousã, na antiga escola primária da Foz do Arouce, nasceu, em 2019, o Momo. Este museu do circo é o concretizar do sonho de um palhaço alemão, que se apaixonou por aquela região, e que, ao lado de uma atriz portuguesa, criou um espaço de vida e memória que procura dignificar as artes circenses – um património, para Detlef Schaff e Eva Cabral, muitas vezes, marginalizado. Palhaços, ilusionistas, malabaristas… aqui só não se recordam “os homens cinzentos.”

“O contacto com os artistas enriquece-me”

Fernando Figueiredo Ribeiro
Na passada década, aquilo que começou com um encanto inesperado saiu da esfera privada para dar origem à Colecção Figueiredo Ribeiro. São cerca de 2800 obras, representativas dos últimos 50 anos, que encontraram olhar público no Quartel da Arte Contemporânea de Abrantes.

O meu Fado

Joana Mortágua, Deputada do BE

Frente Mar

A não perder
A segunda Conferência dos Oceanos da Organização das Nações Unidas vai reunir em Lisboa a comunidade internacional para um conjunto de debates sobre poluição marinha, conservação de ecossistemas ou pesca sustentável.

Luanda, cidade de cultura

Angola
A capital angolana é rica em espaços culturais, para além das maravilhosas praias, da deliciosa gastronomia, e da mítica alegria e hospitalidade do seu povo. Há inúmeras opções para preencher a agenda em Luanda. Tome nota de um roteiro que promete tornar os seus dias na cidade ainda mais cheios. E, se tiver tempo, dê um salto às províncias.

“Macau é um palco de emoções”

Macau
O cruzamento entre as culturas oriental e ocidental é o que distingue a cidade. A fusão traduz-se na arquitectura, oferta cultural, mas também na gastronomia e na língua. Além dos monumentos e outros pontos históricos, são vários os eventos que fazem da região um destino turístico.

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -