Quinta-feira, Abril 18, 2024

ESG, o desafio para o futuro

Francisco de Mendia, Vice-Presidente da CV&A

As práticas de ESG (Environmental, Social and Corporate Governance) têm vindo a ganhar uma importância crescente no mundo empresarial. Estas boas práticas são cada vez mais importantes num mundo em que assistimos a uma crescente degradação do ambiente em que vivemos, mas também nas relações entre as pessoas, onde é notória a perda de valores que sempre demos por adquiridos.

Assim, não é aceitável que as empresas apenas se concentrem em medir os seus indicadores de desempenho financeiro e no retorno aos seus accionistas. É cada vez mais urgente cuidar do planeta que vamos deixar para os nossos filhos e netos.

Em termos ambientais é demasiado evidente o que se está a passar à nossa volta, que passa desde o degelo dos polos, aumento dos níveis de água, poluição dos mares e utilização massiva de bens que aceleram a degradação do nosso meio ambiente, entre inúmeras situações. O forte crescimento económico das últimas décadas também trouxe uma degradação ambiental exponencial. Assim, torna-se cada vez mais necessário cada um de nós e cada uma das nossas empresas ter um papel neste processo e contribuir para a melhoria da situação do nosso ambiente. De facto não é possível voltar as costas e fingir que nada se passa!

Por outro lado, no que diz respeito à componente social e ‘governance’, é necessário recuperar os valores que há muito se vêm perdendo, adaptando-os a novas necessidades que surgem com o evoluir dos tempos. Longe vão os dias em que grandes empresas portuguesas como a CUF, CP e até mesmo os jornais, tinham uma forte política de responsabilidade social com os seus colaboradores. São disso expoentes o Barreiro (CUF), mas também inúmeras iniciativas promovidas pelas mais variadas empresas. Lembro-me sempre da colónia balnear “O Século”, promovida pelo jornal do mesmo nome para os filhos dos colaboradores.

No que diz respeito ao ‘corporate governance’, por exemplo no caso da banca, são conhecidos casos de paquetes que chegaram a administradores. Situação que hoje em dia seria muito improvável.

Assim, se por um lado temos valores que devemos introduzir, principalmente no que diz respeito à defesa da natureza, por outro lado, temos valores que se perderam e importam recuperar do passado, adaptando-os aos dias de hoje.

Dessa forma, a CV&A pretende também cumprir com o seu papel, enquanto agente no meio económico. Por essa razão, aderimos recentemente ao United Nations Global Compact Network Portugal, ao Business Council for Sustainable Development e ao Compromisso Lisboa Acção Climática 2030 e ao Pacto do Porto para o Clima, cidades onde temos escritórios.

Esta preocupação global, com soluções e compromissos que resolvemos trilhar, tem muitas implicações na vida das empresas, cada vez mais. Em muitas situações temos limitações a nível de fornecedores, mas também de financiamento das empresas. Já são muitas as empresas que recorrem a financiamento verde, os ‘green bonds’, que são dívida emitida para beneficiar projectos com fins ambientais. Neste caso, o cumprimentos dos compromissos assumidos com a emissão da dívida permite melhores condições de financiamento para as empresas.

Na CV&A, ao longo deste processo que implicou olhar para dentro e melhorar todos os nossos processos, surgiu a possibilidade de ajudarmos os nossos clientes, assessorando a sua mudança para este novo paradigma. Para esse efeito criámos uma área de ESG, tendo como responsável nesta área como Chief Sustainability Officer a nossa colega Sofia Burnay.

Nesta edição da Revista PRÉMIO decidimos espelhar esta preocupação urgente para todos nós. Por isso falámos com vários dos nossos clientes e especialistas para conhecer o que de melhor é feito em Portugal nesta área. Temos um dossiê completo com algumas empresas como a Corticeira Amorim, Delta Cafés, Fidelidade, Luságua, REN, STCP e Valorpneu, mas também opinião de várias individualidades especialistas nesta área, tais como Assunção Cristas (VdA), Fernanda Ferreira (Directora-Geral das Actividades Económicas), Isabel Ucha (CEO da Euronext Lisbon), Beatriz Imperatori (Directora Executiva da Unicef Portugal), entre outros.

Convido-os a ler a PRÉMIO e a imergir neste tema tão importante para o nosso futuro.

Partilhe este artigo:

Artigo anteriorEditorial Ano 19
Próximo artigoConstruindo o futuro
- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

Um país na flor da idade

Nos últimos 20 anos Angola sofreu inúmeras transformações, desde a mais simples até à mais complexa. Realizou quatro eleições legislativas, participou pela primeira vez numa fase final de um campeonato do mundo, realizou o CAN e colocou um satélite em órbita.

David Cameron

David Cameron foi Primeiro-Ministro do Reino Unido entre 2010 e 2016, liderando o primeiro Governo de coligação britânico em quase 70 anos e, nas eleições gerais de 2015, formando o primeiro Governo de maioria conservadora no Reino Unido em mais de duas décadas.

Cameron chegou ao poder em 2010, num momento de crise económica e com um desafio fiscal sem precedentes. Sob a sua liderança, a economia do Reino Unido transformou-se. O défice foi reduzido em mais de dois terços, foram criadas um milhão de empresas e um número recorde de postos de trabalho, tornando-se a Grã-Bretanha a economia avançada com o crescimento mais rápido do mundo.

Conferências com chancela CV&A

Ao longo de duas décadas, a CV&A tem vindo a promover conferências de relevo e interesse nacional, com a presença de diversos ex-chefes de Estado e de Governo e dirigentes políticos de influência mundial.

As idas e vindas da economia brasileira nos últimos 20 anos

Há 20 anos, o Brasil tinha pela primeira vez um presidente alinhado aos ideais da esquerda. Luiz Inácio Lula da Silva chegava ao poder como representante máximo do Partido dos Trabalhadores (PT).

Uma evolução notável e potencial ainda por concretizar

Moçambique há 20 anos, em 2003, era um país bem diferente do de hoje. A população pouco passava dos 19 milhões, hoje situa-se em 34 milhões, o que corresponde a um aumento relativo de praticamente 79%, uma explosão que, a manter-se esta tendência será, sem dúvida, um factor muito relevante a ter em consideração neste país.

O mundo por maus caminhos

Uma nova ordem geopolítica e económica está a ser escrita com a emergência da China como superpotência económica, militar e diplomática, ameaçando o estatuto dos EUA. Caminhamos para um mundo multipolar em que a busca pela autonomia estratégica está a alterar, para pior, as dinâmicas do comércio internacional. Nada será mais determinante para o destino do mundo nos próximos anos do que relação entre Pequim e Washington. A Europa arrisca-se a ser um mero espetador.

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -