Domingo, Fevereiro 25, 2024

Uma “viagem” pela ARCOlisboa

Mafalda Belfort Henriques, Consultora de Arte

A 5.ª edição da ARCOlisboa, que decorreu entre 19 e 22 de maio, com obras de 14 países, recebeu 11 mil visitantes, com efeitos muito positivos para quem expôs e quem visitou

Comecemos pela secção Opening, composta por galerias com menos de sete anos. Na galeria No.No, duas peças da Ana Pérez-Quiroga: a frase-escultura em néon, de vermelho impulso, de promessa física e os objectos do quotidiano amado, encapsulados em cobre, inicia-se a narrativa do espaço habitado. Em frente, o trabalho de Lucía Bayón, pela Intersticio, que continua com o quotidiano, mas usa a função de objetos como motivos-padrão. Os baixos-relevos de peças de vestuário são exemplo da investigação sobre repetição e serialidade de gestos, ritmos e materiais.

A Foco, através do trabalho da Mia Dudek, retrata a urbanização brutal contra o corpo frágil, a condição humana. As fotografias de prédios de habitação social em Lisboa, vinculadas a peças de espuma de betão pigmentado, em diálogo com as imagens de cogumelos, que transmitem o crescimento gradual quase diário, como se ocupasse todos os espaços do dia, todos os poros da vida sem lugar para outro. Aqui, o ritmo do quotidiano  ao contrário da sensualidade do trabalho da Ana Perez-Quiroga, da leveza de Lucía Bayón – é de harmonia sufocante.

Atravessando para a área principal, a Marra/Nosco trouxe três peças do brasileiro Túlio Pinto, que explora a fragilidade, a transparência do vidro com o peso e densidade opaca de estruturas de metal. O trabalho, em aparente oposição, reflete a dualidade humana, ideogramas da fragilidade que tudo suporta.

Mónica de Miranda esteve representada na Sabrina Amrani e Carlos Carvalho, com as suas reconhecíveis fotografias repartidas e uma série de imagens bordadas de extraordinária delicadeza.

Logo ao lado, a ironia de Isabel Cordovil, na galeria Uma Lulik, com a sua escova de dentes como símbolo do fim de uma relação e o iluminador trabalho de Paulo Lisboa.

A Vera Cortês trouxe duas peças de Alexandre Farto, a “construção pictórica” de Carlos Bunga, o trabalho de Gabriela Albergaria com os seus jardins mágicos, elaborados como sistema feito de hierarquias visuais (adquirida pela Câmara Municipal de Lisboa, para o Núcleo de Arte Contemporânea).

Passando pela 3+1, com as pinturas de Tiago Baptista e a sua estrutura esqueleto, o ritmo da frente e verso personalizável, vemos ao fundo a parede com as peças de Marina González Guerreiro, na Rosa Santos. Séries de pias batismais em cerâmica esmaltada, com sentido inverso: a graça que é recebida pela bênção, aqui aparece como oferta, com chá e flores secas, noutra com arroz, símbolos de abundância. Como se, em vez de retirar algo que nos é dado culturalmente, é aqui proposto como uma oferenda de emoções, um ritual íntimo de entrega.

Aqui há África

Atrás, a This is not a white cube, primeira galeria africana em Portugal e parte da secção África em Foco, com os seus Discursos de Decolonialidade. A permeabilidade de discurso é notável entre todos, sejam as meninas de Dagmar, a escultura feita de tiras de borracha de Patrick Bongoy, as memórias do quotidiano de René Tavares, as personagens deformadas de Cristiano Mangovo e as cores vibrantes de Francisco Vidal. O discurso é claro e as consequências devidamente questionadas.

Em frente, um ‘stand’ onde o olhar conhecedor, que tudo simplifica, nos leva a um encontro. Foi ao ver as séries de pintura Outskirts e Reliquiae, de Rui Calçada Bastos, que Bruno Múrias percebeu a ligação com o trabalho fotográfico Against the Day, de António Júlio Duarte. Ou seja, este encontro que agora nos é tão claro, foi uma coincidência no imaginário dos dois artistas.

@Bruno Lopes

Cortesia da Galeria Bruno Múrias

Peça da Galeria Albergaria

Cortesia da artista e da Galeria Vera Cortés

No outro corredor, na Zielinsky, Guillermo García Cruz introduz o conceito de Glitch, termo usado em programação para quando existe um erro temporário, uma interrupção de momentos. Ao contrário do bug, o glitch não destrói o sistema. As obras refletem o glitch como pausa do quotidiano, e esta falha, como as grandes guerras, o muro de Berlim, a pandemia, cria mudanças de paradigmas estabelecidos.

Voltando para trás, na Francisco Fino, as três obras de Vasco Araújo no corredor e a ironía poética de Adrien Missika.

A 31 project, parte da África em Foco, trouxe o trabalho de Aviwe Platjie, auto-didata com uma técnica nas diferentes texturas muito interessante. Existe aqui uma partilha de momentos: a conversa entre amigos, a intimidade do espaço doméstico, como uma pausa no tempo, leve e sonhadora.

A Galeria 111, fundada em 1964 por Manuel de Brito, conta com um percurso reconhecido ao longo de cinco décadas. Sob a direcção de Rui Brito e Maria Arlete Alves da Silva, o trabalho da 111 é um dos pilares do panorama da arte contemporânea portuguesa. O respiro expositivo permitiu admirar o trabalho de Pedro Paixão do lado direito, adquirido pela CML, os desenhos da Paula Rêgo e as pinturas de Rui Miguel Leitão Ferreira.

Histórias do dia-a-dia, paixão, protesto e resiliência são a base de todos os contos, da necessidade de narrar todos os quotidianos. Mas a urgência em estar fisicamente presente, depois de dois anos digitais, teve como resultado a elevada qualidade dos trabalhos expostos e revelou a força de adaptação das galerias, mas principalmente o olhar leve de futuro deste evento organizado pela IFEMA Madrid e CML.

(Texto escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico)

@Cyril Moumen

Tulio Pinto, Complicity #35, 2022

Cortesia do artista e da Galeria Marra/Nosco

@Goro Studio

Peça de Marina Gonzãlez Guerreiro

Cortesia da Galeria Rosa Santos

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

Um país na flor da idade

Nos últimos 20 anos Angola sofreu inúmeras transformações, desde a mais simples até à mais complexa. Realizou quatro eleições legislativas, participou pela primeira vez numa fase final de um campeonato do mundo, realizou o CAN e colocou um satélite em órbita.

David Cameron

David Cameron foi Primeiro-Ministro do Reino Unido entre 2010 e 2016, liderando o primeiro Governo de coligação britânico em quase 70 anos e, nas eleições gerais de 2015, formando o primeiro Governo de maioria conservadora no Reino Unido em mais de duas décadas.

Cameron chegou ao poder em 2010, num momento de crise económica e com um desafio fiscal sem precedentes. Sob a sua liderança, a economia do Reino Unido transformou-se. O défice foi reduzido em mais de dois terços, foram criadas um milhão de empresas e um número recorde de postos de trabalho, tornando-se a Grã-Bretanha a economia avançada com o crescimento mais rápido do mundo.

Conferências com chancela CV&A

Ao longo de duas décadas, a CV&A tem vindo a promover conferências de relevo e interesse nacional, com a presença de diversos ex-chefes de Estado e de Governo e dirigentes políticos de influência mundial.

As idas e vindas da economia brasileira nos últimos 20 anos

Há 20 anos, o Brasil tinha pela primeira vez um presidente alinhado aos ideais da esquerda. Luiz Inácio Lula da Silva chegava ao poder como representante máximo do Partido dos Trabalhadores (PT).

Uma evolução notável e potencial ainda por concretizar

Moçambique há 20 anos, em 2003, era um país bem diferente do de hoje. A população pouco passava dos 19 milhões, hoje situa-se em 34 milhões, o que corresponde a um aumento relativo de praticamente 79%, uma explosão que, a manter-se esta tendência será, sem dúvida, um factor muito relevante a ter em consideração neste país.

O mundo por maus caminhos

Uma nova ordem geopolítica e económica está a ser escrita com a emergência da China como superpotência económica, militar e diplomática, ameaçando o estatuto dos EUA. Caminhamos para um mundo multipolar em que a busca pela autonomia estratégica está a alterar, para pior, as dinâmicas do comércio internacional. Nada será mais determinante para o destino do mundo nos próximos anos do que relação entre Pequim e Washington. A Europa arrisca-se a ser um mero espetador.

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -