Domingo, Fevereiro 25, 2024

A economia criativa num mercado por criar

Pedro Cativelos, Director Executivo da Media4Development

Antes da pandemia, as indústrias criativas geravam anualmente, de forma agregada, a nível global, 8,5 biliões de dólares e geravam emprego para 144 milhões de pessoas. Se fossem um país, seriam a terceira economia mundial, só atrás dos EUA e da China.

Após a pandemia, a tendência é crescer ainda mais, se lá colocarmos o advento dos NFT, o crescimento do mercado dos conteúdos nas plataformas de ‘streaming’ ou a exploração do metaverso, por exemplo, impelidos pela revolução digital que muitos de nós subscrevemos nos últimos dois anos e meio.

Ajuda a perceber estes números, identificar de forma mais precisa o que é conceptualmente, a indústria criativa. Para as Nações Unidas, é o conjunto de “actividades do conhecimento e produção de bens tangíveis, intelectuais e artísticos, com conteúdo criativo e valor económico”. Na linguagem sectorial da economia, é composta por três grupos: um artístico, que congrega música, teatro, dança, literatura, cinema e artes plásticas, um outro, em que estão a arquitectura, o design (moda, gráfico, comunicação, produto e de equipamento) e um terceiro, no domínio das novas tecnologias, que engloba a criação de ‘software’, jogos, e serviços digitais (de ‘streaming’).

Se olharmos a estes vários segmentos, percebemos a imensidão de assimetrias que há entre eles, a todos os níveis, diferenças que o são também se as olharmos sob o prisma dos mercados, ou países, onde são concebidas. Não é igual ser um artista num qualquer país da CPLP ou nos EUA, claro.

Toda esta formulação, que já não é assim tão recente, nasceu na metade dos anos de 1990, e foi inicialmente difundida pelo governo do Reino Unido, procurando encontrar uma resposta à necessidade de mudar os termos do debate sobre o valor real das artes e da cultura, e agregar a elas as novas fórmulas que então ganhavam terreno, como as múltiplas vertentes em que o design evoluía e os novos caminhos que se anteviam com a explosão da internet e a previsão de um suposto mundo digital virtual que viria a tornar-se real. Este conceito de indústria criativa concretiza então a visão mais ampla das artes convencionais, libertando-as da prisão dos subsídios a que muitas delas foram votadas, por exemplo em países europeus, e agrupando-as sob o guarda-chuva da exploração comercial.

O momento-chave de toda essa nova visão aconteceu com a produção do primeiro “Mapa das indústrias Criativas”, em 1998, decisivo por ter sido o primeiro exercício sistemático de medição das indústrias criativas em todo o mundo, projectado para colectar dados sobre essas indústrias. Descobriu-se então que, à época, elas eram responsáveis por um impacto brutal na economia, responsáveis pela criação de um milhão de postos de trabalho e contribuindo com 4% PIB da Grã-Bretanha, representando uma receita anual de 10 mil milhões de dólares em exportações. Hoje, esse valor multiplicou-se várias vezes e as várias indústrias criativas já re-presentam quase 12% do PIB britânico.

Hoje, e com um forte ‘input’ das novas tecnologias, os mercados culturais estão abertos, tal como as grandes praças financeiras, a todos os que lhe agreguem valor, com produtos, conteúdos ou criações que agitem o primordial mecanismo da oferta e da procura. E são mais ou menos valorizados, de acordo com esse jogo de equilíbrios.

Haverá todo um universo de contextualizações e de singularidades a este respeito. Olhando à superfície, e numa visão mais macro, percebemos que a cultura, como crescemos a chamar-lhe, está em plena mudança (a várias velocidades) e a ser olhada à luz do mercado, despindo a roupagem do que tradicionalmente se chamava Cultura, olhada como parente pobre da economia, mas que, por sua vez, e por uma certa politização de muitos dos seus agentes, também encarava os mecanismos do mercado (capitalista), de forma desconfiada e subversiva aos seus valores de livre criação (muitas vezes sem qualquer vínculo com o mercado, o consumidor ou a aceitação da sua criação), dependendo a sua existência, por isso mesmo, de subsídios à criação. Creio que é pacífico perceber que o desenvolvimento da Cultura, enquanto tal, não beneficiou nada desta relação mútua de distante desconfiança.

Nos vários países da CPLP (Moçambique incluído), o Orçamento Geral dos vários Estados, não lhe atribui mais de 1%. Há, de facto, uma visão, muitas vezes politizada da cultura. De parte a parte. Quem orçamenta, olha-a como gasto. Quem a implementa (artistas), olha-a como bem essencial, mas imaterial e por vezes divorciada de um mundo real no qual receita, despesa, lucro e sustentabilidade são termos que não entram nas contas.

Iria mais por uma terceira via. Correndo o risco de ser utópico, até por isso não acontecer em muitas outras áreas, o papel dos Estados da maioria dos países de língua portuguesa, até por, em conjunto, terem um mercado comum que ultrapassa os 300 milhões de pessoas (consumidores), deveria ser o de criar as condições para que estas actividades (ou indústrias), possam ser exercidas com condições de serem geradoras de receita para os seus intervenientes, e de riqueza para as suas contas. Para lá da afirmação de uma identidade global baseada nessa nova dinâmica, potencialmente geradora de ganhos directos e indirectos para os seus vários intervenientes.

Claro que será sempre difícil encarar, de igual forma, um criador de ‘software’ e um artista plástico, por exemplo. No entanto, se os imaginarmos a trabalhar em conjunto, à luz, por exemplo, do recente fenómeno dos NFT, em que são feitas aquisições milionárias de obras artísticas (várias de africanos) com base nos ‘tokens’ criptográficos, podemos perceber que há um trabalho a ser feito aqui. Os Estados podem, e devem criar as condições de facilitação do trânsito dos criadores dentro do espaço da CPLP, fomentar as ligações entre eles, apostar na digitalização dos seus modelos e olhar este gigantesco plano geográfico global como um campo de oportunidades para todos, a todos os níveis, e não apenas como um lugar de diplomacia estéril com pouca ligação com as várias indústrias (criativas incluídas) e agentes económicos (culturais também).

Do lado dos criadores, parece-me também fundamental que comecem a olhar o mundo, de forma mais criativa, tal como o fazem, e bem, nas suas obras.

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

Um país na flor da idade

Nos últimos 20 anos Angola sofreu inúmeras transformações, desde a mais simples até à mais complexa. Realizou quatro eleições legislativas, participou pela primeira vez numa fase final de um campeonato do mundo, realizou o CAN e colocou um satélite em órbita.

David Cameron

David Cameron foi Primeiro-Ministro do Reino Unido entre 2010 e 2016, liderando o primeiro Governo de coligação britânico em quase 70 anos e, nas eleições gerais de 2015, formando o primeiro Governo de maioria conservadora no Reino Unido em mais de duas décadas.

Cameron chegou ao poder em 2010, num momento de crise económica e com um desafio fiscal sem precedentes. Sob a sua liderança, a economia do Reino Unido transformou-se. O défice foi reduzido em mais de dois terços, foram criadas um milhão de empresas e um número recorde de postos de trabalho, tornando-se a Grã-Bretanha a economia avançada com o crescimento mais rápido do mundo.

Conferências com chancela CV&A

Ao longo de duas décadas, a CV&A tem vindo a promover conferências de relevo e interesse nacional, com a presença de diversos ex-chefes de Estado e de Governo e dirigentes políticos de influência mundial.

As idas e vindas da economia brasileira nos últimos 20 anos

Há 20 anos, o Brasil tinha pela primeira vez um presidente alinhado aos ideais da esquerda. Luiz Inácio Lula da Silva chegava ao poder como representante máximo do Partido dos Trabalhadores (PT).

Uma evolução notável e potencial ainda por concretizar

Moçambique há 20 anos, em 2003, era um país bem diferente do de hoje. A população pouco passava dos 19 milhões, hoje situa-se em 34 milhões, o que corresponde a um aumento relativo de praticamente 79%, uma explosão que, a manter-se esta tendência será, sem dúvida, um factor muito relevante a ter em consideração neste país.

O mundo por maus caminhos

Uma nova ordem geopolítica e económica está a ser escrita com a emergência da China como superpotência económica, militar e diplomática, ameaçando o estatuto dos EUA. Caminhamos para um mundo multipolar em que a busca pela autonomia estratégica está a alterar, para pior, as dinâmicas do comércio internacional. Nada será mais determinante para o destino do mundo nos próximos anos do que relação entre Pequim e Washington. A Europa arrisca-se a ser um mero espetador.

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -