Quinta-feira, Abril 18, 2024

“O futuro será sustentável (e neutro em carbono), mas temos de agir agora”

Christopher Sainty | Embaixador do Reino Unido em Portugal

O início de um novo ano é uma boa oportunidade para refletir sobre o futuro e os possíveis cenários que se avizinham. Infelizmente, em alguns destes cenários, o futuro parece sombrio. Durante o Fórum Económico Mundial em Davos, em janeiro, o Secretário-Geral da ONU, António Guterres, advertiu para o perigo de não atingirmos o compromisso coletivo de limitar o aumento da temperatura global a 1,5°C, e que, sem medidas urgentes, o mundo caminha para um aumento médio de temperatura de 2,8°C. Assim, se queremos garantir um futuro menos devastador, temos de assegurar a implementação de uma estratégia que cumpra com os compromissos acordados e agir com determinação para a implementar.

No Reino Unido, já estamos a tomar medidas decisivas para atingir estes objetivos, e a liderar uma maior ambição global no caminho para a descarbonização. Já alcançamos as muitas metas no caminho para a neutralidade carbónica, tendo reduzido as suas emissões de gases com efeito de estufa superior a 44% (comparados a níveis de 1990), enquanto a sua economia cresceu 76% no mesmo período.

Neste espírito, em outubro de 2021, o governo divulgou a Estratégia para a Neutralidade Carbónica (Net Zero Strategy), que define a forma como o Reino Unido atingirá o objetivo de neutralidade líquida até 2050, focando-se em medidas que fomentem o crescimento económico e empresarial, ao mesmo tempo que demonstre suficiente flexibilidade para se adaptar a cenários económicos em constante mudança.

Em setembro de 2022, o governo britânico pediu uma revisão independente da estratégia (Mission Zero Review), publicada em janeiro, onde se definem as oportunidades e benefícios da neutralidade carbónica para as pessoas e para a economia, e onde se especifica as medidas a tomar por cada sector. As 129 recomendações pretendem maximizar o investimento económico, as oportunidades de negócio e o emprego. Entre elas, encontram-se medidas que visam apoiar diretamente empresas, através da revisão dos incentivos ao investimento na descarbonização e do lançamento da campanha Help to Grow Green; reestruturar a ação local, colocando a neutralidade no centro da estratégia nacional e local e apoiar projetos pioneiros de cidades verdes; e utilizar infraestruturas para desbloquear objetivos de neutralidade, desenvolvendo uma estratégia de infraestruturas intersectoriais até 2025 que apoie a construção e adaptação de novas fontes de energia verde, como o hidrogénio.

A abordagem integrada (whole of economy) do Reino Unido pretende tirar pleno proveito desta oportunidade histórica, abrangendo todos os sectores da economia, promovendo várias parcerias e colaborações, de forma a impulsionar uma mudança efetiva. Esta mudança requer também uma lógica de colaborações internacionais. A Declaração Conjunta sobre Cooperação Bilateral entre Portugal e o Reino Unido, assinada pelos nossos dois Primeiros-Ministros em junho de 2022, celebra os 650 anos de aliança diplomática ininterrupta e projeta essa aliança para o futuro, identificando formas de aprofundar a nossa parceria, incluindo a ambição comum de atingir a neutralidade carbónica.

Juntos, os nossos dois países alcançaram feitos extraordinários no passado. Hoje, continuamos determinados a trabalhar em conjunto para enfrentar os grandes desafios globais do presente e do futuro

(Texto escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico)

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

Um país na flor da idade

Nos últimos 20 anos Angola sofreu inúmeras transformações, desde a mais simples até à mais complexa. Realizou quatro eleições legislativas, participou pela primeira vez numa fase final de um campeonato do mundo, realizou o CAN e colocou um satélite em órbita.

David Cameron

David Cameron foi Primeiro-Ministro do Reino Unido entre 2010 e 2016, liderando o primeiro Governo de coligação britânico em quase 70 anos e, nas eleições gerais de 2015, formando o primeiro Governo de maioria conservadora no Reino Unido em mais de duas décadas.

Cameron chegou ao poder em 2010, num momento de crise económica e com um desafio fiscal sem precedentes. Sob a sua liderança, a economia do Reino Unido transformou-se. O défice foi reduzido em mais de dois terços, foram criadas um milhão de empresas e um número recorde de postos de trabalho, tornando-se a Grã-Bretanha a economia avançada com o crescimento mais rápido do mundo.

Conferências com chancela CV&A

Ao longo de duas décadas, a CV&A tem vindo a promover conferências de relevo e interesse nacional, com a presença de diversos ex-chefes de Estado e de Governo e dirigentes políticos de influência mundial.

As idas e vindas da economia brasileira nos últimos 20 anos

Há 20 anos, o Brasil tinha pela primeira vez um presidente alinhado aos ideais da esquerda. Luiz Inácio Lula da Silva chegava ao poder como representante máximo do Partido dos Trabalhadores (PT).

Uma evolução notável e potencial ainda por concretizar

Moçambique há 20 anos, em 2003, era um país bem diferente do de hoje. A população pouco passava dos 19 milhões, hoje situa-se em 34 milhões, o que corresponde a um aumento relativo de praticamente 79%, uma explosão que, a manter-se esta tendência será, sem dúvida, um factor muito relevante a ter em consideração neste país.

O mundo por maus caminhos

Uma nova ordem geopolítica e económica está a ser escrita com a emergência da China como superpotência económica, militar e diplomática, ameaçando o estatuto dos EUA. Caminhamos para um mundo multipolar em que a busca pela autonomia estratégica está a alterar, para pior, as dinâmicas do comércio internacional. Nada será mais determinante para o destino do mundo nos próximos anos do que relação entre Pequim e Washington. A Europa arrisca-se a ser um mero espetador.

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -