Terça-feira, Agosto 16, 2022

Lourdes Castro: “Não morremos, transformamo-nos”

Afonso Cerqueira

Nascida no Funchal, em 1930, Lourdes Castro cresceu com uma “infância com muito espaço. Ao pé do mar. Com calhau, com vinha, com cana-de-açúcar que a gente chupava. Assim de correr à vontade” – como contou ao Expresso na sua última entrevista, realizada também na Madeira, onde morreu no passado ano.
Foi também na sua ilha, no Club Funchalense, que fez a sua primeira exposição (1955), quando já estudava na Escola de Belas-Artes, em Lisboa.
É desse curso, que não terminou, a famosa a história dos seus estudos de nus, pintados a verde e azul, que um professor reprovou – escrevendo, a giz, a palavra “excluído” sobre os trabalhos. A recusa pelo cânone vigente foi assumida pela artista, deixando e incorporando a rejeição nas obras e dando-lhes mesmo esse título, com a mesma confiança do “salon des refusés” (1863) e a ironia dos pintores do Fauvismo – de que foi, aliás, devedora de inspiração –, que adoptaram o epíteto maldoso como bandeira do seu movimento.
Com René Bertholo parte para Munique, em 1957, e finalmente Paris, no ano seguinte. Num minúsculo “chambre de bonne” no sétimo andar da Rue des Saints-Pères, fundam a revista KWY (1958-1963) – as três letras que não existiam no alfabeto português – com Christo, Jan Voss, João Vieira e José Escada, Gonçalo Duarte e Costa Pinheiro. Com este grupo informal, mas que deixou referências e influência, Lourdes e René foram começando exposições e conhecendo os artistas. É desta altura a carta que Maria Helena Vieira da Silva escreve a Artur Nobre de Gusmão, referindo-se a Lourdes Castro assim:
“Ela alia a um carácter extremamente honesto e recto, fortes qualidades de dedicação, coragem e até heroísmo na sua via quotidiana. E especialmente é dotada de real e tangível talento artístico. Poucos jovens pintores portugueses em Paris nos têm inspirado tanta confiança e esperanças.”
Nos anos sessenta começa a diversificar os meios de expressão, da serigrafia à tela, o plexiglass e até o pano. Aliás, começa a produzir e a expor arte nos diversos meios pois, como a própria afirmou, nunca se reduziu `pintura apenas. As suas famosas sombras evoluem também, das “sombras deitadas” ao teatro de sombras (com Manuel Zimbro).
Sejam objectos ou movimentos do quotidiano, as sombras simplificam e generalizam, abrem-se a ser reconhecidas e transmutadas no essencial. Como que reciclando o quotidiano para criar novos significados, aproximando-se dos Nouveaux Réalistes. E, no teatro das sombras, que realizou desde 1966, representava as interacções e acções conotadas com o feminino. Em 1970, na sua exposição na Galeria 111, João Vieira e Manuel Pires filmam esse teatro e apresentam o filme” Lourdes Castro- Sombras: Efeitos de Luz e Cor”, filmado no teatro Laura Alves.
Quase todos os textos evocativos da pintora madeirense comentam, e bem, ou dão voltas ao mote das suas sombras. São o lado mais identificativo da sua obra mais conhecida, e sobre elas explicou Lourdes Castro: “A sombra é isso: tem tudo o que tem o objecto, mas o mínimo possível para ser reconhecido”.
A sombra tem ainda esse lado etéreo e transcendente, como no conhecido “Anjo de Berlim” (com Manuel Zimbro) cuja reprodução ampliada o Cardeal D. José Tolentino (outro madeirense) colocou atrás do altar da Capela do Rato. O anjo foi feito para colocar na janela, em Berlim onde é costume as famílias decorarem os prédios na altura do Natal. E onde o casal Lourdes Castro e Manuel Zimbro decidiram criar, e iluminar, assim a sua casa. Tudo isto no explica o Cardeal-poeta, no artigo Santa Lourdes Castro: “a Lourdes ensina a ver o natural e a natureza como nunca o vimos. Não é por acaso que, como ela gosta de dizer sorrindo, é ‘alguém que se ocupa da sombra’. A sombra funciona como uma espécie de educação para aquilo que as nossas práticas tornam invisível. A arte de Lourdes Castro devolve-nos o esplendor do real sem ocultações, nem parcialidades: um real até ao fim, onde a sombra é transcrita e valorizada.”
Foi da sua casa, na Madeira, que a natureza, as flores e o seu jardim passaram para a sua obra, culminando no “Grande herbário de sombras” ou nas ilustrações do livro “A História da minha flor”.
Como na primeira linha do poema “Los justos” -” cultiva su jardin, como quería Voltaire” – sobre as pessoas que, sem sabermos, estão a salvar o mundo, Lourdes Castro tratou, cultivou e mondou o jardim, no Funchal, que criou com Manuel Zimbro. E, provavelmente sem o saber, salva-nos.
Foi nesse mesmo jardim que nos disse, através da referida última entrevista que deu a João Pacheco (Expresso) que “não morremos, transformamo-nos. Podemos virar terra, mas não desaparecemos”.

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

Momo. O museu na Lousã onde o circo deixou de ser itinerante para afirmar a sua história

Circo
Nos arredores da vila da Lousã, na antiga escola primária da Foz do Arouce, nasceu, em 2019, o Momo. Este museu do circo é o concretizar do sonho de um palhaço alemão, que se apaixonou por aquela região, e que, ao lado de uma atriz portuguesa, criou um espaço de vida e memória que procura dignificar as artes circenses – um património, para Detlef Schaff e Eva Cabral, muitas vezes, marginalizado. Palhaços, ilusionistas, malabaristas… aqui só não se recordam “os homens cinzentos.”

“O contacto com os artistas enriquece-me”

Fernando Figueiredo Ribeiro
Na passada década, aquilo que começou com um encanto inesperado saiu da esfera privada para dar origem à Colecção Figueiredo Ribeiro. São cerca de 2800 obras, representativas dos últimos 50 anos, que encontraram olhar público no Quartel da Arte Contemporânea de Abrantes.

O meu Fado

Joana Mortágua, Deputada do BE

Frente Mar

A não perder
A segunda Conferência dos Oceanos da Organização das Nações Unidas vai reunir em Lisboa a comunidade internacional para um conjunto de debates sobre poluição marinha, conservação de ecossistemas ou pesca sustentável.

Luanda, cidade de cultura

Angola
A capital angolana é rica em espaços culturais, para além das maravilhosas praias, da deliciosa gastronomia, e da mítica alegria e hospitalidade do seu povo. Há inúmeras opções para preencher a agenda em Luanda. Tome nota de um roteiro que promete tornar os seus dias na cidade ainda mais cheios. E, se tiver tempo, dê um salto às províncias.

“Macau é um palco de emoções”

Macau
O cruzamento entre as culturas oriental e ocidental é o que distingue a cidade. A fusão traduz-se na arquitectura, oferta cultural, mas também na gastronomia e na língua. Além dos monumentos e outros pontos históricos, são vários os eventos que fazem da região um destino turístico.

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -