Terça-feira, Agosto 16, 2022

Joana Carneiro: “O importante é criar beleza”

A. Ribeiro dos Santos

No auge da vida e da carreira, Joana Carneiro é, aos 45 anos, reconhecida internacionalmente como maestrina e a mãe orgulhosa de quatro filhos – três dos quais trigémeos – que teve no espaço de 15 meses, já depois dos 40 anos. Filha do ex-ministro da Educação, Roberto Carneiro, e sobrinha materna do fundador do CDS, Adelino Amaro da Costa, que morreu no acidente de Camarate ao lado de Sá Carneiro, o talento para a música está-lhe nos genes: o avô paterno, que era chinês, foi maestro da “Big Band” da Base das Lajes, na ilha Terceira, e um dos fundadores do Hot Clube de Portugal, ao lado de Luís Villas Boas.
Nascida em Lisboa a 30 de Setembro de 1976, no seio de uma família numerosa (tem oito irmãos), e orgulhosa das raízes asiáticas (costuma festejar com os seus a chegada do novo Ano Chinês), admite que a música lhe foi incutida desde a mais tenra infância e que sempre fez parte do seu quotidiano. Em criança, aprendeu a tocar viola de arco e piano. Um dia viu o maestro norte-americano Leonard Bernstein dirigir uma orquestra na gravação da banda sonora do filme “West Side Story”. Foi um momento determinante na sua vida e uma das razões pelas quais decidiu seguir a direcção de orquestra. Confessa que, muitas vezes, ao regressar da escola, punha a cassete VHS que os pais tinham gravado dessa actuação, para se deixar arrebatar.
Estudou na Academia Nacional Superior de Orquestra, em Lisboa, fez mestrado na Northwestern University e estudos de doutoramento na Universidade do Michigan, ambas nos Estados Unidos da América. Também estudou composição, mas costuma dizer que não é uma criadora, mas antes “uma recriadora” das obras de outrem. Entre os seus compositores predilectos, admira Bach, Haydn e Mozart, mas “estatisticamente” tende a dirigir mais frequentemente obras de Stravinsky, Beethoven, Brahms e algum Schumann. Uma das suas imagens de marca é o gosto assumido pela composição contemporânea: adora dirigir peças musicais de John Adams (n. 1947); James McMillan (n. 1959); Luís Tinoco (n. 1969) e António Pinho Vargas (n. 1951).
Consciente de que o mundo da música erudita é “muito competitivo”, e de que “há muitos mais maestros do que orquestras para dirigir”, Joana Carneiro não explica a razão do seu sucesso, mas é admirada por ter um estilo de direcção muito próprio, expressivo, em que usa o rosto e o corpo para comunicar com os instrumentistas. Com uma carreira brilhante, tanto a nível nacional como internacional, foi maestrina assistente da Filarmónica de Los Angeles, directora musical da Orquestra Sinfónica de Berkeley, maestrina convidada principal na Orquestra Metropolitana de Lisboa e maestrina convidada na Orquestra Gulbenkian. Em Setembro de 2013, foi anunciada como a nova maestrina portuguesa principal da Orquestra Sinfónica Portuguesa do Teatro Nacional de São Carlos.
Desde que foi mãe, Joana Carneiro diz que houve uma espécie de recomeço na sua vida, com o marido (que é médico cirurgião) e os quatro filhos no centro das suas prioridades. Tanto assim que, quando tem de viajar em trabalho, o seu marido e filhos muitas vezes acompanham-na. Uma frase que a apresente? Talvez aquela que proferiu em entrevista na RTP, em jeito de definição do seu trabalho: “O essencial é criar beleza!”

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

Momo. O museu na Lousã onde o circo deixou de ser itinerante para afirmar a sua história

Circo
Nos arredores da vila da Lousã, na antiga escola primária da Foz do Arouce, nasceu, em 2019, o Momo. Este museu do circo é o concretizar do sonho de um palhaço alemão, que se apaixonou por aquela região, e que, ao lado de uma atriz portuguesa, criou um espaço de vida e memória que procura dignificar as artes circenses – um património, para Detlef Schaff e Eva Cabral, muitas vezes, marginalizado. Palhaços, ilusionistas, malabaristas… aqui só não se recordam “os homens cinzentos.”

“O contacto com os artistas enriquece-me”

Fernando Figueiredo Ribeiro
Na passada década, aquilo que começou com um encanto inesperado saiu da esfera privada para dar origem à Colecção Figueiredo Ribeiro. São cerca de 2800 obras, representativas dos últimos 50 anos, que encontraram olhar público no Quartel da Arte Contemporânea de Abrantes.

O meu Fado

Joana Mortágua, Deputada do BE

Frente Mar

A não perder
A segunda Conferência dos Oceanos da Organização das Nações Unidas vai reunir em Lisboa a comunidade internacional para um conjunto de debates sobre poluição marinha, conservação de ecossistemas ou pesca sustentável.

Luanda, cidade de cultura

Angola
A capital angolana é rica em espaços culturais, para além das maravilhosas praias, da deliciosa gastronomia, e da mítica alegria e hospitalidade do seu povo. Há inúmeras opções para preencher a agenda em Luanda. Tome nota de um roteiro que promete tornar os seus dias na cidade ainda mais cheios. E, se tiver tempo, dê um salto às províncias.

“Macau é um palco de emoções”

Macau
O cruzamento entre as culturas oriental e ocidental é o que distingue a cidade. A fusão traduz-se na arquitectura, oferta cultural, mas também na gastronomia e na língua. Além dos monumentos e outros pontos históricos, são vários os eventos que fazem da região um destino turístico.

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -