Domingo, Fevereiro 25, 2024

Joana Carneiro: “O importante é criar beleza”

A. Ribeiro dos Santos

No auge da vida e da carreira, Joana Carneiro é, aos 45 anos, reconhecida internacionalmente como maestrina e a mãe orgulhosa de quatro filhos – três dos quais trigémeos – que teve no espaço de 15 meses, já depois dos 40 anos. Filha do ex-ministro da Educação, Roberto Carneiro, e sobrinha materna do fundador do CDS, Adelino Amaro da Costa, que morreu no acidente de Camarate ao lado de Sá Carneiro, o talento para a música está-lhe nos genes: o avô paterno, que era chinês, foi maestro da “Big Band” da Base das Lajes, na ilha Terceira, e um dos fundadores do Hot Clube de Portugal, ao lado de Luís Villas Boas.
Nascida em Lisboa a 30 de Setembro de 1976, no seio de uma família numerosa (tem oito irmãos), e orgulhosa das raízes asiáticas (costuma festejar com os seus a chegada do novo Ano Chinês), admite que a música lhe foi incutida desde a mais tenra infância e que sempre fez parte do seu quotidiano. Em criança, aprendeu a tocar viola de arco e piano. Um dia viu o maestro norte-americano Leonard Bernstein dirigir uma orquestra na gravação da banda sonora do filme “West Side Story”. Foi um momento determinante na sua vida e uma das razões pelas quais decidiu seguir a direcção de orquestra. Confessa que, muitas vezes, ao regressar da escola, punha a cassete VHS que os pais tinham gravado dessa actuação, para se deixar arrebatar.
Estudou na Academia Nacional Superior de Orquestra, em Lisboa, fez mestrado na Northwestern University e estudos de doutoramento na Universidade do Michigan, ambas nos Estados Unidos da América. Também estudou composição, mas costuma dizer que não é uma criadora, mas antes “uma recriadora” das obras de outrem. Entre os seus compositores predilectos, admira Bach, Haydn e Mozart, mas “estatisticamente” tende a dirigir mais frequentemente obras de Stravinsky, Beethoven, Brahms e algum Schumann. Uma das suas imagens de marca é o gosto assumido pela composição contemporânea: adora dirigir peças musicais de John Adams (n. 1947); James McMillan (n. 1959); Luís Tinoco (n. 1969) e António Pinho Vargas (n. 1951).
Consciente de que o mundo da música erudita é “muito competitivo”, e de que “há muitos mais maestros do que orquestras para dirigir”, Joana Carneiro não explica a razão do seu sucesso, mas é admirada por ter um estilo de direcção muito próprio, expressivo, em que usa o rosto e o corpo para comunicar com os instrumentistas. Com uma carreira brilhante, tanto a nível nacional como internacional, foi maestrina assistente da Filarmónica de Los Angeles, directora musical da Orquestra Sinfónica de Berkeley, maestrina convidada principal na Orquestra Metropolitana de Lisboa e maestrina convidada na Orquestra Gulbenkian. Em Setembro de 2013, foi anunciada como a nova maestrina portuguesa principal da Orquestra Sinfónica Portuguesa do Teatro Nacional de São Carlos.
Desde que foi mãe, Joana Carneiro diz que houve uma espécie de recomeço na sua vida, com o marido (que é médico cirurgião) e os quatro filhos no centro das suas prioridades. Tanto assim que, quando tem de viajar em trabalho, o seu marido e filhos muitas vezes acompanham-na. Uma frase que a apresente? Talvez aquela que proferiu em entrevista na RTP, em jeito de definição do seu trabalho: “O essencial é criar beleza!”

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

Um país na flor da idade

Nos últimos 20 anos Angola sofreu inúmeras transformações, desde a mais simples até à mais complexa. Realizou quatro eleições legislativas, participou pela primeira vez numa fase final de um campeonato do mundo, realizou o CAN e colocou um satélite em órbita.

David Cameron

David Cameron foi Primeiro-Ministro do Reino Unido entre 2010 e 2016, liderando o primeiro Governo de coligação britânico em quase 70 anos e, nas eleições gerais de 2015, formando o primeiro Governo de maioria conservadora no Reino Unido em mais de duas décadas.

Cameron chegou ao poder em 2010, num momento de crise económica e com um desafio fiscal sem precedentes. Sob a sua liderança, a economia do Reino Unido transformou-se. O défice foi reduzido em mais de dois terços, foram criadas um milhão de empresas e um número recorde de postos de trabalho, tornando-se a Grã-Bretanha a economia avançada com o crescimento mais rápido do mundo.

Conferências com chancela CV&A

Ao longo de duas décadas, a CV&A tem vindo a promover conferências de relevo e interesse nacional, com a presença de diversos ex-chefes de Estado e de Governo e dirigentes políticos de influência mundial.

As idas e vindas da economia brasileira nos últimos 20 anos

Há 20 anos, o Brasil tinha pela primeira vez um presidente alinhado aos ideais da esquerda. Luiz Inácio Lula da Silva chegava ao poder como representante máximo do Partido dos Trabalhadores (PT).

Uma evolução notável e potencial ainda por concretizar

Moçambique há 20 anos, em 2003, era um país bem diferente do de hoje. A população pouco passava dos 19 milhões, hoje situa-se em 34 milhões, o que corresponde a um aumento relativo de praticamente 79%, uma explosão que, a manter-se esta tendência será, sem dúvida, um factor muito relevante a ter em consideração neste país.

O mundo por maus caminhos

Uma nova ordem geopolítica e económica está a ser escrita com a emergência da China como superpotência económica, militar e diplomática, ameaçando o estatuto dos EUA. Caminhamos para um mundo multipolar em que a busca pela autonomia estratégica está a alterar, para pior, as dinâmicas do comércio internacional. Nada será mais determinante para o destino do mundo nos próximos anos do que relação entre Pequim e Washington. A Europa arrisca-se a ser um mero espetador.

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -