Quinta-feira, Fevereiro 2, 2023

Ruy de Carvalho: “As palmas são o melhor prémio”

A. Ribeiro dos Santos

Amado pelo público, respeitado pelos colegas e admirado por todos. Aos 95 anos, Ruy de Carvalho já não consegue enumerar todos os prémios e distinções que acumulou ao longo de uma vida dedicada à representação, mas continua, humilde como sempre, disponível para fazer “o que quiserem que faça”. Não faz tenção de parar e garante que continuará a pisar os palcos e a ser presença no pequeno ecrã enquanto houver convites para tal. E eles não têm faltado. A voz, a presença, a sensibilidade deste intérprete são garantia de qualidade para cada projecto e do interesse do público, que cada vez o aplaude com mais entusiasmo.
Nascido em Lisboa, a 1 de março de 1927, Ruy de Carvalho estreou-se no teatro ainda como amador, com apenas 15 anos, no Grupo da Mocidade Portuguesa, numa encenação de mestre Ribeirinho, que Portugal recorda como uma figura querida da época de ouro do cinema nacional. Foi um início auspicioso, e gostou tanto da experiência que foi para o Conservatório Nacional e em 1950 terminou, com 18 valores, o Curso de Teatro/Formação de Actores. Mas antes do fim do curso, já tinha feito a estreia profissional, no palco do Teatro Nacional D. Maria II. O mesmo palco onde se consagrou, em 2007, quando completou 60 anos de carreira e encarnou o protagonista do clássico “Rei Lear”, de Shakespeare.
Ao longo de 80 anos tem feito de tudo na representação: teatro, televisão, teatro radiofónico, cinema. Em 1955, e após nove anos de namoro, casou com a primeira e única namorada, o grande amor da sua vida, Ruth, com quem esteve casado até à morte desta, em 2007. Uma mulher que o completava, como frequentemente explica em entrevistas, e que um dia espera reencontrar, numa outra dimensão. Homem de família convicto, Ruy de Carvalho costuma dizer que “a família deve ser sempre uma peça fundamental na vida de qualquer pessoa”. Com Ruth teve dois filhos – Paula, jornalista, e João, actor. Vieram depois os netos, entre os quais Henrique de Carvalho, uma grande promessa do teatro português e que partilha com o avô traços fisionómicos distintivos.
Já teve vários sustos de saúde, mas conseguiu ultrapassar todos, incluindo um tumor maligno na próstata e dois na bexiga. Mesmo assim, diz que não tem medo da morte, mas também não tem pressa para partir e em todas as entrevistas que dá garante que vive “intensamente”. A morte, essa, chegará quando tiver de ser, e nem um dia mais cedo. Até lá, enquanto o corpo permitir e a memória – que o orgulha – se aguentar, continuará a trabalhar, com o mesmo empenho de sempre.
Definir o que faz com que um actor se distinga de todos os outros não é fácil. Ruy de Carvalho diz que “é preciso ter jeito”. Uma qualidade que sabe possuir. O resto, fazem-no o trabalho, o esforço, a dedicação. De cada vez que lhe atribuem um papel, grande ou pequeno, estuda-o profundamente, até à exaustão. E fá-lo com espírito de missão. Como explicou em entrevista ao programa “Alta Definição”, da SIC, o que mais deseja é sentir-se útil à sociedade. “Ser actor é um serviço, e as palmas são o melhor prémio.”

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

Fundação Louis Vuitton: Um local onde a Arte e a Cultura estão na “moda”

Visitar a Fundação Louis Vuitton (FLV) é uma experiência inesquecível para quem gosta de arte e arquitectura e, sobretudo, para quem procura fazer um passeio diferente por Paris, fora dos pontos turísticos mais tradicionais. Um museu de arte e centro cultural patrocinado pelo grupo LVMH, a holding francesa especializada em artigos de luxo.

Um Brasil dividido nas urnas e na ideologia

Bruno Rosa, Correspondente PRÉMIO no Brasil

Momo. O museu na Lousã onde o circo deixou de ser itinerante para afirmar a sua história

Circo
Nos arredores da vila da Lousã, na antiga escola primária da Foz do Arouce, nasceu, em 2019, o Momo. Este museu do circo é o concretizar do sonho de um palhaço alemão, que se apaixonou por aquela região, e que, ao lado de uma atriz portuguesa, criou um espaço de vida e memória que procura dignificar as artes circenses – um património, para Detlef Schaff e Eva Cabral, muitas vezes, marginalizado. Palhaços, ilusionistas, malabaristas… aqui só não se recordam “os homens cinzentos.”

“O contacto com os artistas enriquece-me”

Fernando Figueiredo Ribeiro
Na passada década, aquilo que começou com um encanto inesperado saiu da esfera privada para dar origem à Colecção Figueiredo Ribeiro. São cerca de 2800 obras, representativas dos últimos 50 anos, que encontraram olhar público no Quartel da Arte Contemporânea de Abrantes.

O meu Fado

Joana Mortágua, Deputada do BE

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -