Domingo, Fevereiro 25, 2024

Porque decidi candidatar-me a Bastonário

Pedro Reis, Candidato a Bastonário da Ordem dos Economistas

Decidi candidatar-me a Bastonário da Ordem dos Economistas por sentido de missão e por acreditar que é importante ajudarmos, todos e sempre que possível, a valorizar o papel da profissão e a reforçar a dinâmica da Ordem numa fase tão desafiante para a economia portuguesa como a que atravessamos e que continuaremos a viver nos próximos anos.

Decidi candidatar-me porque acredito que temos o dever de servir o nosso País nos tempos mais exigentes e nos ciclos mais desafiantes, porque acredito que a Ordem tem um papel crucial na defesa e na promoção de políticas económicas e sociais sustentáveis, equilibradas, estruturantes e ambiciosas.

Decidi candidatar-me porque acredito que a Ordem pode, e deve, zelar pelo prestígio da sua Classe e pelo reconhecimento dos seus Membros, porque acredito na importância de dinamizar um ciclo novo que se quer construtivo, válido e intenso quanto ao seu espírito, ao seu contributo e ao seu trabalho respetivamente.

Decidi candidatar-me para fazer do 25º aniversário da Ordem que se aproxima um momento de balanço e de prospetiva para o que queremos construir nos próximos 25 anos, promovendo uma ampla discussão sobre os desafios do País e da classe dos economistas para assim reforçar a presença, a dinâmica e a visibilidade da Ordem na sociedade, incrementando o reconhecimento e o prestígio social da Instituição.

Decidi candidatar-me para contribuir para a reflexão, definição e dinamização dos eixos promotores de desenvolvimento, inovação, competitividade e capacidade de criação de emprego digno na economia portuguesa.

Decidi candidatar-me para colocar a sustentabilidade e a ética no topo das prioridades da Ordem e da sociedade portuguesa, contribuindo para uma economia portuguesa neutra em carbono e alinhada com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU.

Decidi candidatar-me para ajudar a promover o desenvolvimento das qualificações e da literacia financeira dos portugueses e para atrair mais economistas para a Ordem, nomeadamente os jovens economistas para renovarem as estruturas e órgãos da Ordem e para refrescarem o seu pensamento e a sua ação.

Decidi candidatar-me para reforçar a reflexão e o debate na sociedade portuguesa sobre Políticas Públicas, sobre a agenda social integradora e humanizadora, sobre a coesão territorial e o equilíbrio da diversidade regional.

Decidi candidatar-me para fazer da Ordem um pólo avançado da igualdade de género e da afirmação do mérito em toda a sua plenitude.

Desde que decidi candidatar-me tenho tido a alegria de contar com a honra e o privilégio de receber centenas de apoios dos mais diversos quadrantes, sensibilidades, gerações, regiões e especialidades que são um sinal de esperança num projeto renovador, agregador e mobilizador.

Vamos assim, todos juntos, rumo ao futuro com ambição e através de uma renovação serena: porque a Ordem precisa e porque o nosso País merece! l

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

Um país na flor da idade

Nos últimos 20 anos Angola sofreu inúmeras transformações, desde a mais simples até à mais complexa. Realizou quatro eleições legislativas, participou pela primeira vez numa fase final de um campeonato do mundo, realizou o CAN e colocou um satélite em órbita.

David Cameron

David Cameron foi Primeiro-Ministro do Reino Unido entre 2010 e 2016, liderando o primeiro Governo de coligação britânico em quase 70 anos e, nas eleições gerais de 2015, formando o primeiro Governo de maioria conservadora no Reino Unido em mais de duas décadas.

Cameron chegou ao poder em 2010, num momento de crise económica e com um desafio fiscal sem precedentes. Sob a sua liderança, a economia do Reino Unido transformou-se. O défice foi reduzido em mais de dois terços, foram criadas um milhão de empresas e um número recorde de postos de trabalho, tornando-se a Grã-Bretanha a economia avançada com o crescimento mais rápido do mundo.

Conferências com chancela CV&A

Ao longo de duas décadas, a CV&A tem vindo a promover conferências de relevo e interesse nacional, com a presença de diversos ex-chefes de Estado e de Governo e dirigentes políticos de influência mundial.

As idas e vindas da economia brasileira nos últimos 20 anos

Há 20 anos, o Brasil tinha pela primeira vez um presidente alinhado aos ideais da esquerda. Luiz Inácio Lula da Silva chegava ao poder como representante máximo do Partido dos Trabalhadores (PT).

Uma evolução notável e potencial ainda por concretizar

Moçambique há 20 anos, em 2003, era um país bem diferente do de hoje. A população pouco passava dos 19 milhões, hoje situa-se em 34 milhões, o que corresponde a um aumento relativo de praticamente 79%, uma explosão que, a manter-se esta tendência será, sem dúvida, um factor muito relevante a ter em consideração neste país.

O mundo por maus caminhos

Uma nova ordem geopolítica e económica está a ser escrita com a emergência da China como superpotência económica, militar e diplomática, ameaçando o estatuto dos EUA. Caminhamos para um mundo multipolar em que a busca pela autonomia estratégica está a alterar, para pior, as dinâmicas do comércio internacional. Nada será mais determinante para o destino do mundo nos próximos anos do que relação entre Pequim e Washington. A Europa arrisca-se a ser um mero espetador.

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -