Sábado, Dezembro 4, 2021

Porque decidi candidatar-me a Bastonário

Pedro Reis, Candidato a Bastonário da Ordem dos Economistas

Decidi candidatar-me a Bastonário da Ordem dos Economistas por sentido de missão e por acreditar que é importante ajudarmos, todos e sempre que possível, a valorizar o papel da profissão e a reforçar a dinâmica da Ordem numa fase tão desafiante para a economia portuguesa como a que atravessamos e que continuaremos a viver nos próximos anos.

Decidi candidatar-me porque acredito que temos o dever de servir o nosso País nos tempos mais exigentes e nos ciclos mais desafiantes, porque acredito que a Ordem tem um papel crucial na defesa e na promoção de políticas económicas e sociais sustentáveis, equilibradas, estruturantes e ambiciosas.

Decidi candidatar-me porque acredito que a Ordem pode, e deve, zelar pelo prestígio da sua Classe e pelo reconhecimento dos seus Membros, porque acredito na importância de dinamizar um ciclo novo que se quer construtivo, válido e intenso quanto ao seu espírito, ao seu contributo e ao seu trabalho respetivamente.

Decidi candidatar-me para fazer do 25º aniversário da Ordem que se aproxima um momento de balanço e de prospetiva para o que queremos construir nos próximos 25 anos, promovendo uma ampla discussão sobre os desafios do País e da classe dos economistas para assim reforçar a presença, a dinâmica e a visibilidade da Ordem na sociedade, incrementando o reconhecimento e o prestígio social da Instituição.

Decidi candidatar-me para contribuir para a reflexão, definição e dinamização dos eixos promotores de desenvolvimento, inovação, competitividade e capacidade de criação de emprego digno na economia portuguesa.

Decidi candidatar-me para colocar a sustentabilidade e a ética no topo das prioridades da Ordem e da sociedade portuguesa, contribuindo para uma economia portuguesa neutra em carbono e alinhada com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU.

Decidi candidatar-me para ajudar a promover o desenvolvimento das qualificações e da literacia financeira dos portugueses e para atrair mais economistas para a Ordem, nomeadamente os jovens economistas para renovarem as estruturas e órgãos da Ordem e para refrescarem o seu pensamento e a sua ação.

Decidi candidatar-me para reforçar a reflexão e o debate na sociedade portuguesa sobre Políticas Públicas, sobre a agenda social integradora e humanizadora, sobre a coesão territorial e o equilíbrio da diversidade regional.

Decidi candidatar-me para fazer da Ordem um pólo avançado da igualdade de género e da afirmação do mérito em toda a sua plenitude.

Desde que decidi candidatar-me tenho tido a alegria de contar com a honra e o privilégio de receber centenas de apoios dos mais diversos quadrantes, sensibilidades, gerações, regiões e especialidades que são um sinal de esperança num projeto renovador, agregador e mobilizador.

Vamos assim, todos juntos, rumo ao futuro com ambição e através de uma renovação serena: porque a Ordem precisa e porque o nosso País merece! l

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

“Sem o esforço dos privados, o Estado Português não teria conseguido fazer frente à pandemia”

Em entrevista à PRÉMIO, José Germano de Sousa, patologista clínico e presidente do Centro de Medicina Laboratorial Germano de Sousa, falou-nos do seu percurso enquanto médico, passando pelo cargo de Bastonário e do crescimento da sua rede de laboratórios, que se posicionam em termos de análises na área da patologia clínica como o principal ‘player’ nacional do sector, sendo actualmente responsáveis por cerca de 15 a 16% dos testes Covid que se realizam em Portugal.

Tal&Qual: ponto final, parágrafo…

José Paulo Fernandes Fafe, Antigo jornalista, accionista maioritário da empresa proprietária do "Tal&Qual"

“Honne to Tatemae”

Sónia Ito, Arqueóloga e Professora

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -