Sexta-feira, Julho 1, 2022

Porque decidi candidatar-me a Bastonário

Pedro Reis, Candidato a Bastonário da Ordem dos Economistas

Decidi candidatar-me a Bastonário da Ordem dos Economistas por sentido de missão e por acreditar que é importante ajudarmos, todos e sempre que possível, a valorizar o papel da profissão e a reforçar a dinâmica da Ordem numa fase tão desafiante para a economia portuguesa como a que atravessamos e que continuaremos a viver nos próximos anos.

Decidi candidatar-me porque acredito que temos o dever de servir o nosso País nos tempos mais exigentes e nos ciclos mais desafiantes, porque acredito que a Ordem tem um papel crucial na defesa e na promoção de políticas económicas e sociais sustentáveis, equilibradas, estruturantes e ambiciosas.

Decidi candidatar-me porque acredito que a Ordem pode, e deve, zelar pelo prestígio da sua Classe e pelo reconhecimento dos seus Membros, porque acredito na importância de dinamizar um ciclo novo que se quer construtivo, válido e intenso quanto ao seu espírito, ao seu contributo e ao seu trabalho respetivamente.

Decidi candidatar-me para fazer do 25º aniversário da Ordem que se aproxima um momento de balanço e de prospetiva para o que queremos construir nos próximos 25 anos, promovendo uma ampla discussão sobre os desafios do País e da classe dos economistas para assim reforçar a presença, a dinâmica e a visibilidade da Ordem na sociedade, incrementando o reconhecimento e o prestígio social da Instituição.

Decidi candidatar-me para contribuir para a reflexão, definição e dinamização dos eixos promotores de desenvolvimento, inovação, competitividade e capacidade de criação de emprego digno na economia portuguesa.

Decidi candidatar-me para colocar a sustentabilidade e a ética no topo das prioridades da Ordem e da sociedade portuguesa, contribuindo para uma economia portuguesa neutra em carbono e alinhada com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU.

Decidi candidatar-me para ajudar a promover o desenvolvimento das qualificações e da literacia financeira dos portugueses e para atrair mais economistas para a Ordem, nomeadamente os jovens economistas para renovarem as estruturas e órgãos da Ordem e para refrescarem o seu pensamento e a sua ação.

Decidi candidatar-me para reforçar a reflexão e o debate na sociedade portuguesa sobre Políticas Públicas, sobre a agenda social integradora e humanizadora, sobre a coesão territorial e o equilíbrio da diversidade regional.

Decidi candidatar-me para fazer da Ordem um pólo avançado da igualdade de género e da afirmação do mérito em toda a sua plenitude.

Desde que decidi candidatar-me tenho tido a alegria de contar com a honra e o privilégio de receber centenas de apoios dos mais diversos quadrantes, sensibilidades, gerações, regiões e especialidades que são um sinal de esperança num projeto renovador, agregador e mobilizador.

Vamos assim, todos juntos, rumo ao futuro com ambição e através de uma renovação serena: porque a Ordem precisa e porque o nosso País merece! l

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

Momo. O museu na Lousã onde o circo deixou de ser itinerante para afirmar a sua história

Circo
Nos arredores da vila da Lousã, na antiga escola primária da Foz do Arouce, nasceu, em 2019, o Momo. Este museu do circo é o concretizar do sonho de um palhaço alemão, que se apaixonou por aquela região, e que, ao lado de uma atriz portuguesa, criou um espaço de vida e memória que procura dignificar as artes circenses – um património, para Detlef Schaff e Eva Cabral, muitas vezes, marginalizado. Palhaços, ilusionistas, malabaristas… aqui só não se recordam “os homens cinzentos.”

“O contacto com os artistas enriquece-me”

Fernando Figueiredo Ribeiro
Na passada década, aquilo que começou com um encanto inesperado saiu da esfera privada para dar origem à Colecção Figueiredo Ribeiro. São cerca de 2800 obras, representativas dos últimos 50 anos, que encontraram olhar público no Quartel da Arte Contemporânea de Abrantes.

O meu Fado

Joana Mortágua, Deputada do BE

Frente Mar

A não perder
A segunda Conferência dos Oceanos da Organização das Nações Unidas vai reunir em Lisboa a comunidade internacional para um conjunto de debates sobre poluição marinha, conservação de ecossistemas ou pesca sustentável.

Luanda, cidade de cultura

Angola
A capital angolana é rica em espaços culturais, para além das maravilhosas praias, da deliciosa gastronomia, e da mítica alegria e hospitalidade do seu povo. Há inúmeras opções para preencher a agenda em Luanda. Tome nota de um roteiro que promete tornar os seus dias na cidade ainda mais cheios. E, se tiver tempo, dê um salto às províncias.

“Macau é um palco de emoções”

Macau
O cruzamento entre as culturas oriental e ocidental é o que distingue a cidade. A fusão traduz-se na arquitectura, oferta cultural, mas também na gastronomia e na língua. Além dos monumentos e outros pontos históricos, são vários os eventos que fazem da região um destino turístico.

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -