Quinta-feira, Abril 18, 2024

Os motores da transição para investimentos sustentáveis

André Themudo | Responsável de Negócios em Portugal, BlackRock

Atualmente, em qualquer carteira de investimentos, a sustentabilidade não pode ser deixada de lado. O investimento da ESG é cada vez mais procurado e a oferta para este tipo de produto tem acompanhado o ritmo da sua crescente procura.

Com o agravamento da situação macroeconómica em 2022, um ano de transição em contraste com a estabilidade económica dos últimos anos, e com as várias mudanças económicas, geopolíticas e de saúde pública, muitos investidores continuam a acreditar na sustentabilidade como um dos seus principais catalisadores para os seus investimentos. Acima de tudo, querem saber como se podem preparar para o risco climático e como podem captar oportunidades numa economia em transição.

Na BlackRock a nossa abordagem ao investimento baseia-se em três princípios, e aplicamos essa mesma abordagem à forma como avaliamos os fatores de risco e retorno relacionados com a sustentabilidade, incluindo os relacionados com o clima.

Quando falamos da procura deste tipo de soluções de investimento, existem 3 forças que podem explicar a sua elevada procura. Em primeiro lugar, a política governamental, uma vez que foi estimado que, por exemplo, os EUA estão a gastar 520 mil milhões de dólares na transição para 2022-2027 . Em seguida, há as preferências dos consumidores, uma vez que os comportamentos individuais mudaram em relação ao passado e novas gerações estão a emergir muito mais identificadas com estes valores, seja na forma como se vestem, como se movem e, com o passar do tempo, como investem. Por exemplo, as vendas anuais globais de veículos elétricos duplicaram em 2021. Finalmente, não podemos esquecer a inovação tecnológica. De acordo com a Agência Internacional de Energia, houve uma redução de 85% nos custos dos painéis solares durante a última década.

Se houver procura, é vital que haja oferta e os gestores, tais como a BlackRock, têm estratégias para permitir essa oferta. Das várias que existem, destacaria algumas das mais populares, nomeadamente as estratégias otimizadas, com alguns filtros, bem como as classificações de ESG e descarbonização ou métricas. Existe também a solução de investimento temático, onde uma carteira pode agregar áreas como as alterações climáticas, transporte elétrico, inclusão ou diversidade. Finalmente, há também a oferta Impact, onde o foco é investir em empresas cujo impacto é material, adicional e mensurável.

A abordagem global de investimento da BlackRock está enraizada no nosso dever fiduciário e informada por três princípios: começamos por compreender os objetivos de investimento do cliente no âmbito do mandato que nos dão; procuramos os melhores retornos ajustados ao risco; e sustentamos o nosso trabalho com investigação, dados e análises. Aplicamos essa mesma abordagem à sustentabilidade e à forma como avaliamos os fatores de risco e retorno relacionados com a sustentabilidade, incluindo o clima e a transição com baixo teor de carbono.

Ao procurar incorporar as diferentes visões dos nossos clientes sobre sustentabilidade nos nossos processos de investimento, podemos permitir-lhes fazer as escolhas certas para alcançar os seus objetivos.

Não temos dúvidas de que o mundo mudou, mas também sabemos que estamos apenas no início desta mudança e que a importância da sustentabilidade neste caminho é inquestionável. Uma carteira de investimentos sem qualquer preocupação com a sustentabilidade poderia deixar qualquer investidor mais distante dos níveis de rentabilidade que certamente desejará atingir. 

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

Um país na flor da idade

Nos últimos 20 anos Angola sofreu inúmeras transformações, desde a mais simples até à mais complexa. Realizou quatro eleições legislativas, participou pela primeira vez numa fase final de um campeonato do mundo, realizou o CAN e colocou um satélite em órbita.

David Cameron

David Cameron foi Primeiro-Ministro do Reino Unido entre 2010 e 2016, liderando o primeiro Governo de coligação britânico em quase 70 anos e, nas eleições gerais de 2015, formando o primeiro Governo de maioria conservadora no Reino Unido em mais de duas décadas.

Cameron chegou ao poder em 2010, num momento de crise económica e com um desafio fiscal sem precedentes. Sob a sua liderança, a economia do Reino Unido transformou-se. O défice foi reduzido em mais de dois terços, foram criadas um milhão de empresas e um número recorde de postos de trabalho, tornando-se a Grã-Bretanha a economia avançada com o crescimento mais rápido do mundo.

Conferências com chancela CV&A

Ao longo de duas décadas, a CV&A tem vindo a promover conferências de relevo e interesse nacional, com a presença de diversos ex-chefes de Estado e de Governo e dirigentes políticos de influência mundial.

As idas e vindas da economia brasileira nos últimos 20 anos

Há 20 anos, o Brasil tinha pela primeira vez um presidente alinhado aos ideais da esquerda. Luiz Inácio Lula da Silva chegava ao poder como representante máximo do Partido dos Trabalhadores (PT).

Uma evolução notável e potencial ainda por concretizar

Moçambique há 20 anos, em 2003, era um país bem diferente do de hoje. A população pouco passava dos 19 milhões, hoje situa-se em 34 milhões, o que corresponde a um aumento relativo de praticamente 79%, uma explosão que, a manter-se esta tendência será, sem dúvida, um factor muito relevante a ter em consideração neste país.

O mundo por maus caminhos

Uma nova ordem geopolítica e económica está a ser escrita com a emergência da China como superpotência económica, militar e diplomática, ameaçando o estatuto dos EUA. Caminhamos para um mundo multipolar em que a busca pela autonomia estratégica está a alterar, para pior, as dinâmicas do comércio internacional. Nada será mais determinante para o destino do mundo nos próximos anos do que relação entre Pequim e Washington. A Europa arrisca-se a ser um mero espetador.

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -