Sexta-feira, Maio 20, 2022

O regresso da Esquerda Verde Europeia

Rui Tavares, Deputado do LIVRE

Os resultados destas eleições comportam várias lições, tanto à esquerda como à direita, e a capacidade dos partidos e das suas lideranças de as compreenderem será determinante para o futuro do nosso sistema político.

À esquerda essas lições são sobretudo que a convergência compensa e a intransigência é punida pelos eleitores. É esse um dos fatores que justifica os maus resultados de PCP e Bloco e que, em parte também, justificam a resiliência do LIVRE face à pressão do voto útil.

É de assinalar naturalmente o regresso do LIVRE ao parlamento, representando uma família política que não estava representada em Portugal de forma autónoma: a esquerda verde europeia. Este regresso é tão mais importante num ato eleitoral em que os maus resultados da CDU ditaram, infelizmente, que o PEV ficará de fora do parlamento, e em que o PAN perdeu o seu grupo parlamentar, provando assim a necessidade de o LIVRE ter um mandato mais ativo na defesa das causas e ideias da ecologia política.

À direita, a principal lição (que pelos primeiros sinais parece não ter sido aprendida) é que não isolar a extrema-direita resulta numa penalização pelos eleitores, que a querem ver afastada do poder, resultando no não reconhecimento do centro-direita como alternativa viável – é também uma das explicações para a surpreendente maioria absoluta do PS nestas eleições.

Uma maioria absoluta não é o melhor caminho para Portugal nesta fase da sua história, na qual o importante seria fazer uma democracia pluralista funcionar. No entanto, tendo em conta o caminho pior que seria fazer depender uma maioria da extrema-direita, os eleitores parecem ter optado por uma versão do “mal menor”. Resta aos representantes eleitos fazer dos resultados um bem maior, dando à democracia portuguesa, no mandato em que se comemorará o seu meio século, razões para poder encarar o futuro com mais confiança.

Partilhe este artigo:

Artigo anteriorPortugal = Futuro
Próximo artigoUm farol de esperança
- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

“Sem o esforço dos privados, o Estado Português não teria conseguido fazer frente à pandemia”

Em entrevista à PRÉMIO, José Germano de Sousa, patologista clínico e presidente do Centro de Medicina Laboratorial Germano de Sousa, falou-nos do seu percurso enquanto médico, passando pelo cargo de Bastonário e do crescimento da sua rede de laboratórios, que se posicionam em termos de análises na área da patologia clínica como o principal ‘player’ nacional do sector, sendo actualmente responsáveis por cerca de 15 a 16% dos testes Covid que se realizam em Portugal.

Tal&Qual: ponto final, parágrafo…

José Paulo Fernandes Fafe, Antigo jornalista, accionista maioritário da empresa proprietária do "Tal&Qual"

“Honne to Tatemae”

Sónia Ito, Arqueóloga e Professora

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -