Quarta-feira, Outubro 5, 2022

O meu Fado

Joana Mortágua, Deputada do BE
Há muitas maneiras de contar uma história mas esta começa sempre no mesmo sítio: comecei a ouvir fados na casa do meu avô, homem de tradições, das quais escolhi herdar só algumas. Foi lá que cresci a tempo parcial e onde às vezes ia espreitar os discos de fado que não era frequente ouvir em minha casa. Lembro-me bem do momento em que, sem querer, aprendi de cor o “Rapaz da Camisola Verde” do Frei Hermano da Câmara.

Não há nenhuma razão para uma sonoridade nos dizer mais do que outras. Se a tradição tem um papel, estou certa de que será pequeno, ou os nossos gostos musicais seriam de um infinito e mortal tédio. A verdade é que aquele tipo de música em particular, não só não me aborrecia, como parecia reinventar-se com o passar do tempo, o que sempre foi visto com muita estranheza pela maioria das pessoas da minha idade.

Esse matamorfismo fez com que o fado passasse a ser  para mim  uma constante procura de identidades: musicais, culturais, históricas, de classe, entrecruzada com o mistério que só encontra quem se põe a fundo nas coisas. Uma estrutura melódica aparentemente simples, de leitura instintivamente popular, à qual se sobrepõem vozes que não têm de ser extraordinárias, com técnicas muito próprias e poemas passados de mão em mão: não há nada de óbvio no fado.

Claro que há muitas formas de gostar de fado. Há quem prefira salas de concerto, mas a minha é nas casas de fado, como aquela onde um dia ouvi cantar a Celeste Rodrigues, consciente de que era a terceira geração da minha família a ter esse privilégio. Antes de casar, também o meu avô corria as casas de fado para a ouvir, como hoje eu vou com a minha avó ouvir a guitarra do seu bisneto, Gaspar Varela.

Continuidades, nem toda a gente precisa delas ou as encontra no mesmo lugar. É por isso que, ao contrário do que outros legitimamente fizeram, o que descobri no fado tem pouco de conservador. Está lá a canção popular, maldita por ser pobre. Está lá também a canção republicana, operária, proibida. Está lá sobretudo a Amália e os nossos poetas, e não há mistério maior do que esse.

Quanto ao “Rapaz da Camisola Verde”, só muitos anos mais tarde viria a cruzar-me com o poema completo, e uma estrofe particularmente significativa:

Ali ficou… E eu cínico, deixei-o

Entregue à noite, aos homens, ao pecado…

Ali ficou de camisola verde,

Negra madeixa ao vento, boina maruja ao lado…

Porque não há nada do fado que seja óbvio. E tradições… cada uma escolhe as quer.

(Texto escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico)

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

Momo. O museu na Lousã onde o circo deixou de ser itinerante para afirmar a sua história

Circo
Nos arredores da vila da Lousã, na antiga escola primária da Foz do Arouce, nasceu, em 2019, o Momo. Este museu do circo é o concretizar do sonho de um palhaço alemão, que se apaixonou por aquela região, e que, ao lado de uma atriz portuguesa, criou um espaço de vida e memória que procura dignificar as artes circenses – um património, para Detlef Schaff e Eva Cabral, muitas vezes, marginalizado. Palhaços, ilusionistas, malabaristas… aqui só não se recordam “os homens cinzentos.”

“O contacto com os artistas enriquece-me”

Fernando Figueiredo Ribeiro
Na passada década, aquilo que começou com um encanto inesperado saiu da esfera privada para dar origem à Colecção Figueiredo Ribeiro. São cerca de 2800 obras, representativas dos últimos 50 anos, que encontraram olhar público no Quartel da Arte Contemporânea de Abrantes.

O meu Fado

Joana Mortágua, Deputada do BE

Frente Mar

A não perder
A segunda Conferência dos Oceanos da Organização das Nações Unidas vai reunir em Lisboa a comunidade internacional para um conjunto de debates sobre poluição marinha, conservação de ecossistemas ou pesca sustentável.

Luanda, cidade de cultura

Angola
A capital angolana é rica em espaços culturais, para além das maravilhosas praias, da deliciosa gastronomia, e da mítica alegria e hospitalidade do seu povo. Há inúmeras opções para preencher a agenda em Luanda. Tome nota de um roteiro que promete tornar os seus dias na cidade ainda mais cheios. E, se tiver tempo, dê um salto às províncias.

“Macau é um palco de emoções”

Macau
O cruzamento entre as culturas oriental e ocidental é o que distingue a cidade. A fusão traduz-se na arquitectura, oferta cultural, mas também na gastronomia e na língua. Além dos monumentos e outros pontos históricos, são vários os eventos que fazem da região um destino turístico.

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -