Domingo, Fevereiro 25, 2024

A mobilidade urbana

Hélder Pedro, Secretário-Geral da ACAP

A mobilidade urbana é um desafio crítico para as cidades de todo o mundo. Com o crescimento das populações, e as áreas urbanas a serem cada vez mais afectadas pelo congestionamento, é crucial encontrar formas mais sustentáveis e eficientes de transportar as pessoas e os bens. Neste contexto, o sector automóvel desempenha um papel vital.

O sector automóvel tem contribuído significativamente para melhorar a mobilidade urbana, através do desenvolvimento de novas tecnologias e soluções, como os veículos eléctricos, que oferecem uma alternativa mais sustentável. Adicionalmente, a indústria tem investido intensamente em investigação e desenvolvimento, para criar veículos mais eficientes e sustentáveis, seguros e melhores para o ambiente.

O “veículo conectado” é outra contribuição importante do sector automóvel. Ao aproveitar o poder da tecnologia, tem-se tornado possível melhorar a segurança e o fluxo de trânsito nas estradas, contribuindo para torná-las mais seguras e fluídas. O sector automóvel apresenta-se assim como um parceiro chave na obtenção de soluções de transporte sustentáveis e eficientes.

É importante reconhecer estas contribuições e apreciar o esforço do sector automóvel para melhorar a mobilidade urbana e a sustentabilidade.

Apesar desta evolução da indústria, a média de idade dos veículos ligeiros de passageiros, é de 13,8 anos em Portugal e encontram-se a circular um milhão e meio de veículos com mais de 20 anos.

Actualmente, a média de idade dos veículos em fim de vida abatidos em Portugal é de 24 anos, comparado com a média de 19 anos há uma década. Este parque automóvel envelhecido é mais poluente e menos seguro, o que justifica a necessidade de renová-lo. Neste sentido, é fundamental que o Governo crie medidas para a renovação do parque automóvel, através da reposição dos incentivos ao abate na compra de um veículo novo, garantindo assim acesso a veículos mais seguros e menos poluentes para as pessoas.

A mobilidade é fundamental nas nossas sociedades, sendo assim importante que os Governos apostem numa mobilidade sustentável, segura, inteligente e inclusiva.

A indústria automóvel tem definido os seus 4 pilares para esta década: electrificação, veículos autónomos, conectividade e mobilidade partilhada. Estes pilares vão mudar a forma como a sociedade se move no futuro, mas é necessário ter uma abordagem inclusiva, tendo em consideração todo o ambiente rodoviário, como o controlo do tráfego, a transmissão de dados e a circulação de veículos de mercadorias.

Adicionalmente, estamos a viver num momento crucial, com a necessidade de proteger o ambiente através da redução das emissões e da poluição, devido aos compromissos ambientais e regulamentação aprovada. A União Europeia estabeleceu uma meta ambiciosa de redução das suas emissões líquidas de gases com efeito de estufa em pelo menos 55% até 2030, em comparação com 1990, e com o objectivo de se tornar o primeiro continente com um impacto neutro em termos climáticos até 2050. Este conjunto de medidas é conhecido como “FIT FOR 55” e faz parte do Green Deal Europeu, que introduz novas medidas políticas necessárias para implementar mudanças transformadoras na economia, na sociedade e na indústria.

Abraçar a inovação na mobilidade é crucial para a sustentabilidade, eficiência e um futuro inclusivo.

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

Um país na flor da idade

Nos últimos 20 anos Angola sofreu inúmeras transformações, desde a mais simples até à mais complexa. Realizou quatro eleições legislativas, participou pela primeira vez numa fase final de um campeonato do mundo, realizou o CAN e colocou um satélite em órbita.

David Cameron

David Cameron foi Primeiro-Ministro do Reino Unido entre 2010 e 2016, liderando o primeiro Governo de coligação britânico em quase 70 anos e, nas eleições gerais de 2015, formando o primeiro Governo de maioria conservadora no Reino Unido em mais de duas décadas.

Cameron chegou ao poder em 2010, num momento de crise económica e com um desafio fiscal sem precedentes. Sob a sua liderança, a economia do Reino Unido transformou-se. O défice foi reduzido em mais de dois terços, foram criadas um milhão de empresas e um número recorde de postos de trabalho, tornando-se a Grã-Bretanha a economia avançada com o crescimento mais rápido do mundo.

Conferências com chancela CV&A

Ao longo de duas décadas, a CV&A tem vindo a promover conferências de relevo e interesse nacional, com a presença de diversos ex-chefes de Estado e de Governo e dirigentes políticos de influência mundial.

As idas e vindas da economia brasileira nos últimos 20 anos

Há 20 anos, o Brasil tinha pela primeira vez um presidente alinhado aos ideais da esquerda. Luiz Inácio Lula da Silva chegava ao poder como representante máximo do Partido dos Trabalhadores (PT).

Uma evolução notável e potencial ainda por concretizar

Moçambique há 20 anos, em 2003, era um país bem diferente do de hoje. A população pouco passava dos 19 milhões, hoje situa-se em 34 milhões, o que corresponde a um aumento relativo de praticamente 79%, uma explosão que, a manter-se esta tendência será, sem dúvida, um factor muito relevante a ter em consideração neste país.

O mundo por maus caminhos

Uma nova ordem geopolítica e económica está a ser escrita com a emergência da China como superpotência económica, militar e diplomática, ameaçando o estatuto dos EUA. Caminhamos para um mundo multipolar em que a busca pela autonomia estratégica está a alterar, para pior, as dinâmicas do comércio internacional. Nada será mais determinante para o destino do mundo nos próximos anos do que relação entre Pequim e Washington. A Europa arrisca-se a ser um mero espetador.

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -