Quarta-feira, Junho 19, 2024

Os 4 Is da Ação Climática no Feminino

Susana Viseu, Presidente da Direcção da Business As Nature

Inegável – É inegável hoje que as alterações climáticas estão a acelerar mais do que os cientistas previam, com o aumento da intensidade, da duração e do estreitamento da periodicidade dos fenómenos climáticos extremos. No ano de 2022, que recentemente terminou, os eventos climáticos extremos em África, mataram pelo menos 4.000 pessoas e afetaram mais 19 milhões1. A seca e a fome associada fizeram 2.500 vítimas mortais no Uganda e afetaram oito milhões na Etiópia. Na Nigéria mais de 600 pessoas morreram nas piores inundações em uma década e os países da África Austral, incluindo Madagáscar e Moçambique, foram atingidos por seis tempestades severas, provocando a morte de 890 pessoas. As temperaturas chegaram a 48°C na Tunísia em julho, conduzindo a incêndios florestais extremos, quase dois milhões de pessoas no Chade foram afetadas por inundações, e as cheias no Paquistão fizeram mais de 1700 mortos e afetaram um total de 33 milhões de pessoas, um terço das quais foram obrigadas a abandonar as suas casas.

Cerca de 64 milhões de pessoas no mundo foram obrigadas a deslocar-se em resultado das alterações climáticas e este número pode chegar a 1000 milhões nos próximos 50 anos.

Destes milhões de pessoas afetadas pelas alterações climáticas, maioritariamente são mulheres e meninas que ao serem desalojadas das suas casas ou obrigadas a percorrer largas distâncias para encontrar água e alimentos se submetem a situações que põem em causa a sua segurança e a sua sobrevivência.

Indissociável – São estas mulheres e meninas que em grande parte do planeta asseguram o acesso à água e alimentos, que educam as crianças e cuidam dos mais velhos e que apesar de estarem na linha da frente dos impactos das alterações climáticas, são as que, com a sua resiliência, respondem e reagem, encontrando soluções, cuidando dos seus e da comunidade e gerindo os recursos naturais.

A crise climática, embora tendo como efeito mais direto, a afetação do sistema climático da Terra, que resulta da combinação e equilíbrio das suas componentes: atmosfera, biosfera e criosfera, é uma crise global, indissociável da afetação dos direitos humanos, com efeitos económicos e sociais, transectorial e sem fronteiras. Efeitos que atingem distintamente os grupos já de si mais vulneráveis, como sejam as mulheres e as meninas, agravando desigualdades e fenómenos de exclusão, promovendo o aumento de situações de discriminação e violência, o aumento do desemprego e a redução do acesso à educação e a continuidade da sua dependência económica e social.

Insuficiente – Apesar dos compromissos estabelecidos nas COPs, dos avanços tecnológicos, do crescente investimento em energias renováveis e tecnologias verdes, do esforço de países, cidades, empresas na mitigação de emissões, os resultados são objetivamente insuficientes. Continuamos a aumentar os níveis de carbono na atmosfera, tendo-se atingido em 2022 o máximo já registado. Entre 1880 (período pré-industrial) e 1981 o aumento da Tmédia da Terra por década foi de +0,08°C. De 1981 a 2021 o valor por década subiu para +0,18°C, atingindo em 2022 um aumento de 1,2°C face ao período pré-industrial. Todas as projeções apontam para que este aumento nas próximas décadas escalará para +0,34°C/década, atingindo +2,2°C já em 2050, com um cenário de 2,8ºC em 2100, muito longe dos 1,5ºC do Acordo de Paris.

A Amazónia e as florestas tropicais do Congo e da Indonésia, fundamentais para o equilíbrio climático, grandes sumidouros de carbono, continuam a perder extensas áreas de floresta. Apenas no ano de 2022 a Amazónia perdeu uma área equivalente a cinco cidades de Nova Iorque, 40 cidades de Lisboa, mais 10,6% em relação ao período homólogo.

Ação climática no feminino

Indispensável – Nesta urgência na transição climática não podemos descartar e dispensar o papel ativo das mulheres nos processos de decisão, na construção de soluções e na sua implementação. Não há ação climática e desenvolvimento de uma economia regenerativa, sem o envolvimento das mulheres. Sem o aumento significativo da sua participação e intervenção, invertendo a sua representação residual na diplomacia climática, na liderança política e empresarial. Recordo que na última COP 27, no Egito, de 104 países que constituíram a “List of Speakers for the first part of the high-level segment for Heads of State and Government”, apenas oito eram mulheres.

Este envolvimento é indispensável, não só porque representamos 50% da população, desempenhando um papel fundamental na educação das gerações futuras e no cuidado à família e às comunidades, como somos responsáveis por cerca de 85% das decisões de compra e estamos na linha da frente da afetação e da resposta às alterações climáticas.

P(ossivel) – Poderia ser um último “I” mas acredito que este último seja um “P”. De Possível. De Parcerias, de conjugação de esforços na mobilização das Mulheres e das Meninas da Ação Climática. Esta é a missão da Business as Nature, através da promoção do “Movimento Mulheres pelo Clima dos países de língua portuguesa para o Mundo”, lançado em setembro de 2022, com o apoio institucional da CPLP e do apoio do Ministério do Ambiente e Ação Climática, e que conta já com numerosos apoios de diversas personalidades, organizações, autarquias, empresas etc.

Tem de ser possível. Temos de manter e acelerar o rumo. Sem hesitações. Concretizar, responder enquanto humanidade, enquanto democracias a este desafio da crise climática, garantindo simultaneamente a justiça e inclusão social, não deixando os mais vulneráveis para trás. Com as Mulheres de língua portuguesa, e delas para o Mundo, sejamos Todos, na ação determinada pelo equilíbrio do sistema terrestre.

(Texto escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico)

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

Um país na flor da idade

Nos últimos 20 anos Angola sofreu inúmeras transformações, desde a mais simples até à mais complexa. Realizou quatro eleições legislativas, participou pela primeira vez numa fase final de um campeonato do mundo, realizou o CAN e colocou um satélite em órbita.

David Cameron

David Cameron foi Primeiro-Ministro do Reino Unido entre 2010 e 2016, liderando o primeiro Governo de coligação britânico em quase 70 anos e, nas eleições gerais de 2015, formando o primeiro Governo de maioria conservadora no Reino Unido em mais de duas décadas.

Cameron chegou ao poder em 2010, num momento de crise económica e com um desafio fiscal sem precedentes. Sob a sua liderança, a economia do Reino Unido transformou-se. O défice foi reduzido em mais de dois terços, foram criadas um milhão de empresas e um número recorde de postos de trabalho, tornando-se a Grã-Bretanha a economia avançada com o crescimento mais rápido do mundo.

Conferências com chancela CV&A

Ao longo de duas décadas, a CV&A tem vindo a promover conferências de relevo e interesse nacional, com a presença de diversos ex-chefes de Estado e de Governo e dirigentes políticos de influência mundial.

As idas e vindas da economia brasileira nos últimos 20 anos

Há 20 anos, o Brasil tinha pela primeira vez um presidente alinhado aos ideais da esquerda. Luiz Inácio Lula da Silva chegava ao poder como representante máximo do Partido dos Trabalhadores (PT).

Uma evolução notável e potencial ainda por concretizar

Moçambique há 20 anos, em 2003, era um país bem diferente do de hoje. A população pouco passava dos 19 milhões, hoje situa-se em 34 milhões, o que corresponde a um aumento relativo de praticamente 79%, uma explosão que, a manter-se esta tendência será, sem dúvida, um factor muito relevante a ter em consideração neste país.

O mundo por maus caminhos

Uma nova ordem geopolítica e económica está a ser escrita com a emergência da China como superpotência económica, militar e diplomática, ameaçando o estatuto dos EUA. Caminhamos para um mundo multipolar em que a busca pela autonomia estratégica está a alterar, para pior, as dinâmicas do comércio internacional. Nada será mais determinante para o destino do mundo nos próximos anos do que relação entre Pequim e Washington. A Europa arrisca-se a ser um mero espetador.

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -