Sexta-feira, Dezembro 2, 2022

“Macau é um palco de emoções”

Catarina Brites Soares

O cruzamento entre as culturas oriental e ocidental é o que distingue a cidade. A fusão traduz-se na arquitectura, oferta cultural, mas também na gastronomia e na língua. Além dos monumentos e outros pontos históricos, são vários os eventos que fazem da região um destino turístico.

A Macau dos edifícios altos e dos neóns que recebe de primeiras os que chegam no lusco-fusco esconde a dos traços que a tornam única e que se resumem na fusão entre Ocidente e Oriente, como gosta de ser conhecida. “Macau sempre soube manter uma atmosfera única que a torna muito diferente das regiões vizinhas. É hoje, como ao longo dos séculos, uma harmoniosa mistura entre as culturas chinesa e portuguesa, vivida de forma pacífica pelas suas gentes”, lê-se no ‘website’ dos Serviços de Turismo, no texto que apresenta o território.

A simbiose é visível na arquitectura, sobretudo do centro, mas também na agenda cultural. A pandemia e a progressiva integração na China continental fazem com que o enfoque seja cada vez mais numa oferta e artistas chineses, ainda que se procure manter alguma ligação ao exterior e à cultura lusófona, fruto da presença portuguesa.

“Macau é único pela sua génese”, realça Miguel de Senna Fernandes, advogado e encenador do grupo de teatro Dóci Papiaçám di Macau. “A presença secular dos portugueses e de outros povos que por causa dos portugueses se estabeleceram aqui fez com que Macau tivesse nascido de forma peculiar e muito diferente de outras terras chinesas, e de Hong Kong”, acrescenta o também presidente da Associação dos Macaenses.

Templo de A-Má

Pisar o centro seria suficiente para intuir o passado de 500 anos de coexistência. A calçada portuguesa, a toponímia nas duas línguas oficiais da região  português e chinês; a arquitectura  pelo menos das fachadas  são algumas marcas do legado histórico. O Largo do Senado, o coração da cidade, concentra grande parte dessa identidade que se vai esbatendo com a nova construção.

Há outras manifestações culturais sintomáticas da convivência. O patuá é um desses exemplos, salienta Senna Fernandes. “Este crioulo, de base portuguesa, nasceu por causa desse ambiente de coexistência. A gastronomia é outro exemplo de miscigenação. Muitos peritos dizem que foi a primeira cozinha de fusão”, afirma, sem desconsiderar o centro histórico. “Macau tem de ser visto como um todo, precisamente por esta origem. Mas mais uma vez, chamo atenção para um espaço na China com monumentos e outros resquícios de cultura não chinesa.”

Só no centro há duas igrejas – a de S. Domingos e a Sé – onde continuam a celebrar-se missas. Perto estão as Ruínas de S. Paulo  o monumento mais emblemático da cidade  que a poucos passos de distância tem o Museu de Macau, circundado por uma muralha e canhões, e com uma vista panorâmica da cidade.

Há outras vistas que merecem a pena, como a da Igreja da Penha que bem perto tem o Templo de AMá  deusa a quem se deve o nome da cidade em português. Os templos, como as igrejas, são vários e encontram-se quase em cada esquina.

Momentos altos

Na zona do Largo da Barra, onde está o de A-Má, teve por exemplo lugar a primeira exposição em Macau do português Alexandre Farto. “Destroços” era uma reflexão sobre o meio urbano de Macau e particularidades, num confronto com a realidade de outras cidades. Antes, o artista mais conhecido por Vhils já tinha deixado assinatura num mural com uma imagem de Camilo Pessanha nos jardins do Consulado de Portugal da região, onde o poeta viveu e morreu.

Pelas Oficinas Navais passa também o Festival Literário de Macau – Rota das Letras. Fundado pelo jornal Ponto Final, afirma-se como o primeiro e maior encontro de literatos da China e dos Países de Língua Portuguesa. Escritores, editores, tradutores, jornalistas, músicos, cineastas e artistas plásticos de distintas partes compõem o cartaz do evento.

No mesmo local, a fechar o Outono, tem lugar o “This is My City”, que também junta artistas lusófonos e chineses. Concertos, debates, ‘workshops’, performances, teatro, cinema e exposições preenchem o programa de um festival que tem vindo a crescer pelas mãos da associação cultural +853.

Com o mesmo propósito de agregar culturas é organizado todos os anos o Festival de Artes e Cultura entre a China e os Países de Língua Portuguesa, mais conhecido como Festival da Lusofonia. Além de concertos noutras partes da cidade, é na Taipa, do outro lado das pontes e nas Casas Museu, que tem lugar um dos eventos mais acarinhados da cidade. A área ao ar livre – de frente para o Cotai, onde estão concentrados grande parte dos casinos  é ocupada por barraquinhas com artesanato e gastronomia típica da Lusofonia e da China. Todos os anos marcam presença artistas de todos os países de língua portuguesa como aconteceu com o angolano Paulo Flores e os portugueses Orelha Negra.

De lés a lés

No âmbito da música, há outro nome incontornável. Vincent Cheang tem talvez o espaço mais alternativo da cidade. O LMA  Live Music Association, no 11.º andar de um edifício ainda mais alto, acolhe concertos de bandas de vários estilos de Macau e de fora. O promotor cultural confessa que gostava que Macau tivesse mais diversidade já que a maioria dos festivais de música é organizada pelo Governo e casinos. Apesar ser a música a sua área, é de outra área o evento local que escolhe como o ponto alto. “O Grande Prémio é o momento mais especial para quem, como eu, adora carros”, diz.

Há outros momentos que todos os anos se repetem como o Salão de Outono, que tem lugar na Casa Garden, junto ao Jardim Camões. A exposição, que resulta da parceria entre a Fundação Oriente e a associação Art for All, reúne trabalhos de artistas locais  mais e menos consagrados.

O Festival Internacional de Artes procura dar visibilidade às diversas expressões artísticas. Até à pandemia e da cidade se fechar ao exterior como acontece desde 2020, vários nomes importantes de fora enriqueciam o programa que abarca teatro, bailado, música, performance, dança clássica e contemporânea e tem como palco alguns dos espaços referência da cidade como o Centro Cultural, o Museu de Macau, o Teatro D. Pedro V e o Edifício do Antigo Tribunal.

Ainda que a música faça parte deste, tem outro momento exclusivamente dedicado a ela. A cantautora americana Laurie Anderson e o pianista/compositor de jazz Billy Childs foram alguns dos nomes que já passaram pelo Festival Internacional de Música.

A par dos que nunca falham no calendário anual, há outros momentos que vão tendo lugar em diferentes sítios num esforço de levar a cultura além dos espaços convencionais como sucede com a Casa do Mandarim  residência tradicional chinesa de Zheng Guanying, importante figura literária chinesa  que acolhe concertos da Orquestra de Macau.

“Macau é um palco de emoções: da cidade real à das ilusões… os casinos, são como catedrais onde convergem as famílias e turistas”, refere Lúcia Lemos. A coordenadora da Creative Macau, centro de indústrias criativas, sublinha que “é indispensável ver é a cidade de lés a lés”.

Ruínas de S.Paulo

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

“Sem o esforço dos privados, o Estado Português não teria conseguido fazer frente à pandemia”

Em entrevista à PRÉMIO, José Germano de Sousa, patologista clínico e presidente do Centro de Medicina Laboratorial Germano de Sousa, falou-nos do seu percurso enquanto médico, passando pelo cargo de Bastonário e do crescimento da sua rede de laboratórios, que se posicionam em termos de análises na área da patologia clínica como o principal ‘player’ nacional do sector, sendo actualmente responsáveis por cerca de 15 a 16% dos testes Covid que se realizam em Portugal.

Tal&Qual: ponto final, parágrafo…

José Paulo Fernandes Fafe, Antigo jornalista, accionista maioritário da empresa proprietária do "Tal&Qual"

“Honne to Tatemae”

Sónia Ito, Arqueóloga e Professora

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -