Domingo, Fevereiro 25, 2024

Luís Osório: O homem que ainda escreve bilhetes-postais

Catarina da Ponte

Nasceu a 15 de Setembro de 1971 em Lisboa. É habitualmente apresentado como escritor e jornalista, mas nunca se reviu neste último papel, mesmo quando dirigia jornais. Tem milhares de seguidores no Facebook, onde vai publicando os seus “postais do dia” sobre figuras e temas controversos da sociedade contemporânea com a frontalidade e humanidade que o caracterizam. A ele e à sua escrita. Desde Março que estes bilhetes-postais podem ser também ouvidos, de segunda a sexta-feira, no programa “Postal do dia”, da TSF.

É assumidamente um homem de Esquerda. Não chegou a terminar a sua licenciatura em História na Universidade Lusíada, primeiro por questões financeiras e depois por razões de compatibilidade de horário com o seu trabalho. É a prova de que o sucesso profissional não depende de um canudo, mas sim da matéria de que somos feitos.

Foi criado pela mãe, pela avó materna, Joaquina, a quem chegou a apelidar de “mulher da sua vida e a mais importante da sua vida” e pelas tias Cristina e Teresa (homossexuais, mas nas quais reconhece “a relação perfeita de casal”). É um homem de sincronicidades. O funeral da avó Joaquina celebrou-se no dia em que completou 29 anos. Foi neste dia, a 13 de Setembro de 2000, que deixou de responder pelo seu segundo nome, Miguel, e passou a ser o Luís, o Luís Osório que conhecemos hoje.

Começou a trabalhar relativamente cedo no universo televisivo. Aos 18 anos, ainda a terminar o 12.º, fez parte da equipa do programa juvenil da RTP “Lentes de Contacto” (1990). A partir daí o seu caminho passou sempre pela comunicação. Na imprensa escrita, dirigiu os jornais “A Capital”, entre 2004 e 2005, tornando-se o mais jovem director de sempre de um órgão de comunicação social em Portugal. Tinha 33 anos. Dirigiu, anos mais tarde, o jornal “i” (2014-2015) e o “Sol” (2015), onde já tinha sido colunista. Foi director de informação das rádios do Grupo Media Capital, entre as quais o Rádio Clube Português (2005-2009). Passou, ainda, por Jornais como “O Jornal”, que viria a dar origem à revista “Visão”, o “Diário de Notícias” o “DNA” (1997) e o “Expresso”. No jornalismo televisivo, foi comentador político na SIC e apresentou com Daniel Sampaio e Ana Drago o “Conversa Privada”, na RTP2, em 2000, e foi o entrevistador do programa documental “Portugal de…” (2010).

Foi, ainda, autor de programas vanguardistas que marcaram a história da televisão portuguesa como o “Zapping” e o “Portugalmente” (1998) e que lhe valeram três nomeações para os globos de ouro pela sua autoria. Neste último programa, tornou-se célebre a entrevista que realizou ao seu pai, José Manuel Osório – investigador do fado, militante comunista, seropositivo – na qual falaram sobre a experiência de se ser doente com SIDA numa altura em que este tema era tabu. Pelo caminho, participou em comissões governamentais, coordenou a comunicação política da campanha de Fernando Nobre à Presidência da República e realizou o documentário “A Casa”. Aos 35 anos apeteceu-lhe experimentar as artes do palco e encenou a peça “Vagabundos de Nós”, com texto de Daniel Sampaio, que esteve em cena no teatro Maria Matos, em Lisboa. Deixou o mundo das televisões e dos jornais para se tornar um Consultor Empresarial – ou um “Consultor de pessoas”, expressão que prefere, encontrando caminhos ao lado de quem comanda empresas – e para se dedicar à escrita, de livros e nas redes sociais. Em Maio do ano passado, lançou o seu 8.º livro, “Ficheiros Secretos – Histórias nunca contadas da política e da sociedade portuguesas” (Ed. Contraponto), onde revela mais de 50 segredos sobre grandes figuras da nossa história contemporânea, de Cunhal a Soares, de Balsemão a Cavaco, de Amália a Saramago. Este, sucedeu-se a “Mãe promete-me que lês” (Guerra & Paz, 2018) e a mais seis títulos publicados.

Ao longo da vida foi agraciado com vários prémios, nomeadamente o Gazeta Revelação e o Prémio Inovação Manuel Pinto Azevedo e chegou a ser nomeado, em 1998, como jornalista do ano pela Casa da Imprensa, pelos trabalhos no DNA, suplemento do DN. O jornal “Expresso” distinguiu-o como uma das 100 figuras vivas mais importantes da história da televisão portuguesa (2002).

Hoje, com 50 anos, além de uma legião de admiradores, ganhou também alguns inimigos pela franqueza e incómodo das suas palavras, mas o seu maior ganho continua a ser o seu exercício da liberdade, sobretudo de pensamento, e os postais do dia que vai escrevendo ao lado da Ana, sua mulher, e dos seus filhos André, Miguel, Afonso, Benedita e de Leonor e João (os dois últimos, filhos do coração).

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

Um país na flor da idade

Nos últimos 20 anos Angola sofreu inúmeras transformações, desde a mais simples até à mais complexa. Realizou quatro eleições legislativas, participou pela primeira vez numa fase final de um campeonato do mundo, realizou o CAN e colocou um satélite em órbita.

David Cameron

David Cameron foi Primeiro-Ministro do Reino Unido entre 2010 e 2016, liderando o primeiro Governo de coligação britânico em quase 70 anos e, nas eleições gerais de 2015, formando o primeiro Governo de maioria conservadora no Reino Unido em mais de duas décadas.

Cameron chegou ao poder em 2010, num momento de crise económica e com um desafio fiscal sem precedentes. Sob a sua liderança, a economia do Reino Unido transformou-se. O défice foi reduzido em mais de dois terços, foram criadas um milhão de empresas e um número recorde de postos de trabalho, tornando-se a Grã-Bretanha a economia avançada com o crescimento mais rápido do mundo.

Conferências com chancela CV&A

Ao longo de duas décadas, a CV&A tem vindo a promover conferências de relevo e interesse nacional, com a presença de diversos ex-chefes de Estado e de Governo e dirigentes políticos de influência mundial.

As idas e vindas da economia brasileira nos últimos 20 anos

Há 20 anos, o Brasil tinha pela primeira vez um presidente alinhado aos ideais da esquerda. Luiz Inácio Lula da Silva chegava ao poder como representante máximo do Partido dos Trabalhadores (PT).

Uma evolução notável e potencial ainda por concretizar

Moçambique há 20 anos, em 2003, era um país bem diferente do de hoje. A população pouco passava dos 19 milhões, hoje situa-se em 34 milhões, o que corresponde a um aumento relativo de praticamente 79%, uma explosão que, a manter-se esta tendência será, sem dúvida, um factor muito relevante a ter em consideração neste país.

O mundo por maus caminhos

Uma nova ordem geopolítica e económica está a ser escrita com a emergência da China como superpotência económica, militar e diplomática, ameaçando o estatuto dos EUA. Caminhamos para um mundo multipolar em que a busca pela autonomia estratégica está a alterar, para pior, as dinâmicas do comércio internacional. Nada será mais determinante para o destino do mundo nos próximos anos do que relação entre Pequim e Washington. A Europa arrisca-se a ser um mero espetador.

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -