Domingo, Fevereiro 25, 2024

Duas notas e uma conclusão sobre 30 de janeiro

Bruno M. Melim, Deputado à Assembleia Legislativa da Região Autónoma da Madeira

O único vencedor da noite foi o PS que se transformou neste ato eleitoral, numa espécie de “catch all party” à sua esquerda, conseguindo capitalizar um eleitorado muito para além do composto pelos portugueses que entendem o socialismo moderado como melhor forma de governo das sociedades. Não tenhamos dúvidas: houve muitos comunistas portugueses que seguiram o ensinamento de Cunhal: fecharam os olhos, taparam o símbolo e fizeram a cruz no Partido Socialista, com o único propósito de afastar a direita do poder. Esta convicção sedimenta-se perante a comparação entre na distribuição de mandatos pelos dois blocos “direita-esquerda” em 2022 e 2005: em 2005 a esquerda tradicional (PS, BE e CDU) somava 143 deputados ao passo que em 2022 soma “apenas” 130.

O resultado é interessante para a direita portuguesa. Se olharmos às maiorias de Cavaco Silva, estas foram conquistas à custa do centro-direita, diferentemente de Durão Barroso e Passos Coelho. Nesse sentido, há dois fatores que devem merecer a nossa reflexão: o primeiro é que em apenas dois anos, a direita cresceu usando formas de comunicar e ideias mais agressivas do que lhe costumavam ser conhecidas em Portugal; o segundo é que, ainda assim, a soma da votação do CHEGA e da Iniciativa Liberal são, exatamente, o mesmo número de votos que o CDS teve em 2011, quando formou governo com o PSD. Ou seja, cumpre dizer que não foi pela dispersão dos votos à direita do PSD que este não venceu as eleições. Pelo contrário. O PSD não venceu porque fez precisamente o inverso do PS. Quis segmentar-se perdendo a sua vocação maioritária do espaço não-socialista em Portugal.

Das últimas eleições retira-se uma conclusão clara: dificilmente, após estas eleições, o panorama político português será igual àquilo que alguma vez foi. Interessante será perceber como é que as dinâmicas esdrúxulas que concretizaram uma estabilidade política que poucos adivinhavam, afetarão o futuro dos partidos em Portugal, nomeadamente o do PSD.

(Texto escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico)

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

Um país na flor da idade

Nos últimos 20 anos Angola sofreu inúmeras transformações, desde a mais simples até à mais complexa. Realizou quatro eleições legislativas, participou pela primeira vez numa fase final de um campeonato do mundo, realizou o CAN e colocou um satélite em órbita.

David Cameron

David Cameron foi Primeiro-Ministro do Reino Unido entre 2010 e 2016, liderando o primeiro Governo de coligação britânico em quase 70 anos e, nas eleições gerais de 2015, formando o primeiro Governo de maioria conservadora no Reino Unido em mais de duas décadas.

Cameron chegou ao poder em 2010, num momento de crise económica e com um desafio fiscal sem precedentes. Sob a sua liderança, a economia do Reino Unido transformou-se. O défice foi reduzido em mais de dois terços, foram criadas um milhão de empresas e um número recorde de postos de trabalho, tornando-se a Grã-Bretanha a economia avançada com o crescimento mais rápido do mundo.

Conferências com chancela CV&A

Ao longo de duas décadas, a CV&A tem vindo a promover conferências de relevo e interesse nacional, com a presença de diversos ex-chefes de Estado e de Governo e dirigentes políticos de influência mundial.

As idas e vindas da economia brasileira nos últimos 20 anos

Há 20 anos, o Brasil tinha pela primeira vez um presidente alinhado aos ideais da esquerda. Luiz Inácio Lula da Silva chegava ao poder como representante máximo do Partido dos Trabalhadores (PT).

Uma evolução notável e potencial ainda por concretizar

Moçambique há 20 anos, em 2003, era um país bem diferente do de hoje. A população pouco passava dos 19 milhões, hoje situa-se em 34 milhões, o que corresponde a um aumento relativo de praticamente 79%, uma explosão que, a manter-se esta tendência será, sem dúvida, um factor muito relevante a ter em consideração neste país.

O mundo por maus caminhos

Uma nova ordem geopolítica e económica está a ser escrita com a emergência da China como superpotência económica, militar e diplomática, ameaçando o estatuto dos EUA. Caminhamos para um mundo multipolar em que a busca pela autonomia estratégica está a alterar, para pior, as dinâmicas do comércio internacional. Nada será mais determinante para o destino do mundo nos próximos anos do que relação entre Pequim e Washington. A Europa arrisca-se a ser um mero espetador.

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -