Sexta-feira, Maio 20, 2022

A vitória do medo

António Filipe, Ex-Deputado do PCP

Ao anunciar que a rejeição da proposta de Orçamento do Estado na AR conduziria à convocação de eleições antecipadas, o Presidente da República estendeu a passadeira vermelha para a estratégia eleitoral do PS que, tendo apresentado uma proposta inaceitável para os partidos à sua esquerda, recusou qualquer possibilidade negocial, colocando-os perante o dilema de uma viabilização humilhante ou de uma rejeição que faria desencadear uma violenta campanha de responsabilização da CDU e do BE pela dissolução da AR.

É hoje reconhecido que o sentido de voto de muitos milhares de eleitores foi influenciado pela divulgação de sondagens que apontavam para um “empate técnico” entre o PS e o PSD que nunca existiu, mas cuja divulgação terá contribuído de forma determinante para que o PS tivesse conquistado a maioria absoluta.

A possibilidade de a comunicação social condicionar a liberdade de escolha dos cidadãos induzindo-os em erro através da divulgação de sondagens que se revelam manipulatórias, interpela muito seriamente a qualidade da democracia. Entre as ‘fake news’ de Trump ou Bolsonaro e as ‘fake polls’ divulgadas entre nós por órgãos de comunicação social presumivelmente sérios, não vai uma distância muito grande quanto aos seus efeitos.

A maioria absoluta do PS foi a vitória do medo. Foi o medo de muitos milhares de eleitores de vir a ser governados por um PSD aliado à extrema direita, que os fez esquecer que a diferença entre o PS de Sócrates e o PS de Costa não resultou de nenhuma mudança de natureza do PS, mas do facto de em 2015 o PS não ter a maioria absoluta e só ter podido ser Governo porque Jerónimo de Sousa afirmou na noite de 4 de outubro de 2015 que o PS só não formaria Governo se não quisesse e forçou a que muitas medidas de sentido positivo tivessem sido tomadas mesmo contra a vontade do PS. Muitos eleitores que em 2015 e 2019 votaram à esquerda do PS terão esquecido essa noite. Decididamente, o medo é mau conselheiro.

(Texto escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico)

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

“Sem o esforço dos privados, o Estado Português não teria conseguido fazer frente à pandemia”

Em entrevista à PRÉMIO, José Germano de Sousa, patologista clínico e presidente do Centro de Medicina Laboratorial Germano de Sousa, falou-nos do seu percurso enquanto médico, passando pelo cargo de Bastonário e do crescimento da sua rede de laboratórios, que se posicionam em termos de análises na área da patologia clínica como o principal ‘player’ nacional do sector, sendo actualmente responsáveis por cerca de 15 a 16% dos testes Covid que se realizam em Portugal.

Tal&Qual: ponto final, parágrafo…

José Paulo Fernandes Fafe, Antigo jornalista, accionista maioritário da empresa proprietária do "Tal&Qual"

“Honne to Tatemae”

Sónia Ito, Arqueóloga e Professora

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -