Domingo, Fevereiro 25, 2024

Cancelar ou não cancelar? Essa não é a questão

Henrique Raposo, Colunista

Imagine-se uma faculdade onde os alunos são personificações de nações ou impérios. E agora imagine-se também uma disciplina sobre totalitarismo, qualquer coisa como “Introdução ao Totalitarismo I e II”. Pois bem, claro que em 2022 a melhor aluna desta cadeira seria a Rússia, que está bastante próxima dos 100% do fascismo. É aliás incrível como as pessoas que passaram as últimas décadas a gritar “fascismo” por tudo e por nada são agora incapazes de reconhecer um verdadeiro fascista quando ele se senta no colo da Europa. Mas o meu interesse aqui não está na proximidade de Moscovo em relação aos 100%, está no afastamento do Ocidente em relação aos 0%.

O Ocidente já foi um péssimo aluno nas matérias de totalitarismo, mas hoje em dia talvez seja um aluno mediano. Paradoxalmente, a invasão da Ucrânia apanha o Ocidente no seu momento menos livre desde 1945. A “guerra ao terror”, a “guerra à covid” e essa enorme guerra à liberdade que é o politicamente correto criaram nos últimos vinte anos uma psique ocidental que sacrifica a liberdade no Moloch da segurança. Criou-se a ideia de que é possível ou desejável viver sem riscos. Estamos a fabricar uma obsessão distópica baseada no risco zero, na segurança máxima contra o terrorismo, contra um vírus, contra piadas ou pensamentos considerados ofensivos. E esta terceira variante da distopia, o politicamente correto, é sem dúvida um fenómeno totalitário que cresce como uma hera à volta da árvore ocidental, sufocando-a através da cultura do cancelamento. Sem surpresa, este fanatismo apareceu nas primeiras reações ocidentais à invasão russa: artistas e atletas russos foram banidos dos certames internacionais; cantoras líricas e maestros russos foram demitidos ou forçados a uma caminhada de vergonha só por serem russos. E chegou-se ao cúmulo que parece uma piada: várias faculdades sugeriam o cancelamento de grandes escritores russos como Dostoiévski só porque eram russos. Não percebem estas pessoas que estão a fazer precisamente aquilo que os fascistas faziam e fazem, queimar livros? Putin queima livros ocidentais. Nós não podemos queimar livros russos, mesmo aqueles que nos causam urticária. Gogol, por exemplo, irrita-me com a presunção de superioridade moral e mística da Mãe Rússia. “Tarass-Bulba” (E-primatur) é uma romantização da Grande Rússia que engloba russos e ucranianos no mesmo espaço mental do excepcionalismo russo. Os russos, os eslavos, os ortodoxos, diz Gogol, sentem as emoções de forma especial, são uma espécie humana à parte. É fácil visualizar os ideólogos de Putin a usar Gogol como legitimação do atual colonialismo. Mas cancelá-lo ajuda exatamente no quê? Até é pouco inteligente, pois retira-nos uma peça necessária à compreensão deste pan-eslavismo.

Se Gogol faz uma defesa acéfala do imperialismo russo, Tolstoi em “Hadji-Murat” (Cavalo de Ferro) já tem um olhar crítico sobre esse imperialismo. Portanto, faz ainda menos sentido cancelar este russo em particular, porque “Hadji-Murat” é só pode ser um livro proibido na psique de Putin. E, para terminar, é só patético pensarmos no cancelamento de Tchékhov, o russo anti-russo. Como escreveu Vasselli Grossman, outro russo anti-russo, Tchékhov “carregou aos ombros a democracia russa que não chegou a acontecer; o caminho de Tchékhov é o caminho da liberdade russa”; Tchékhov “disse como ninguém tinha dito antes dele, nem o próprio Tolstoi: antes de mais somos humanos (…) o mais importante é que as pessoas são pessoas, só depois é que são prelados, russos, lojistas, tártaros, operários”. Num certo sentido, Tchékhov era ocidental e defendia um humanismo concreto e assente no indivíduo, o que contrariava o corpo político russo, esse espaço onde “o homem é implacavelmente sacrificado ao humanismo abstrato”, o Homem Novo do comunismo de Gorki, o Homem Russo do sangue sagrado de Gogol. Do passado e do presente, russos como Tchékov e Tolstoi são os nossos maiores aliados. Cancelá-los só porque são russos seria a suprema confirmação de que o Ocidente quer mesmo entrar no quadro de honra da Introdução ao Totalitarismo.

(Texto escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico)

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

Um país na flor da idade

Nos últimos 20 anos Angola sofreu inúmeras transformações, desde a mais simples até à mais complexa. Realizou quatro eleições legislativas, participou pela primeira vez numa fase final de um campeonato do mundo, realizou o CAN e colocou um satélite em órbita.

David Cameron

David Cameron foi Primeiro-Ministro do Reino Unido entre 2010 e 2016, liderando o primeiro Governo de coligação britânico em quase 70 anos e, nas eleições gerais de 2015, formando o primeiro Governo de maioria conservadora no Reino Unido em mais de duas décadas.

Cameron chegou ao poder em 2010, num momento de crise económica e com um desafio fiscal sem precedentes. Sob a sua liderança, a economia do Reino Unido transformou-se. O défice foi reduzido em mais de dois terços, foram criadas um milhão de empresas e um número recorde de postos de trabalho, tornando-se a Grã-Bretanha a economia avançada com o crescimento mais rápido do mundo.

Conferências com chancela CV&A

Ao longo de duas décadas, a CV&A tem vindo a promover conferências de relevo e interesse nacional, com a presença de diversos ex-chefes de Estado e de Governo e dirigentes políticos de influência mundial.

As idas e vindas da economia brasileira nos últimos 20 anos

Há 20 anos, o Brasil tinha pela primeira vez um presidente alinhado aos ideais da esquerda. Luiz Inácio Lula da Silva chegava ao poder como representante máximo do Partido dos Trabalhadores (PT).

Uma evolução notável e potencial ainda por concretizar

Moçambique há 20 anos, em 2003, era um país bem diferente do de hoje. A população pouco passava dos 19 milhões, hoje situa-se em 34 milhões, o que corresponde a um aumento relativo de praticamente 79%, uma explosão que, a manter-se esta tendência será, sem dúvida, um factor muito relevante a ter em consideração neste país.

O mundo por maus caminhos

Uma nova ordem geopolítica e económica está a ser escrita com a emergência da China como superpotência económica, militar e diplomática, ameaçando o estatuto dos EUA. Caminhamos para um mundo multipolar em que a busca pela autonomia estratégica está a alterar, para pior, as dinâmicas do comércio internacional. Nada será mais determinante para o destino do mundo nos próximos anos do que relação entre Pequim e Washington. A Europa arrisca-se a ser um mero espetador.

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -