Quinta-feira, Setembro 28, 2023

Inflação, e agora?

Joaquim Miranda Sarmento, Professor no ISEG/Universidade de Lisboa

Os últimos dois meses foram marcados pela discussão da inflação e do aumento dos preços. Criou-se a perceção de comunicação que: 1) a inflação é um fenómeno que teve origem no início da invasão da Ucrânia pela Rússia e que, por isso, 2) a inflação resulta do aumento dos preços na energia e nos bens alimentares e 3) uma inflação de 4% ou 5% não é uma inflação elevada.

Ora, isso não corresponde à realidade.

Primeiro, o processo inflacionista nos EUA e na Europa iniciou-se no verão de 2021. E resulta de dois fatores: 1) uma forte expansão da massa monetária, por via quer da política monetária da Reserva Federal Americana (Fed) e do Banco Central Europeu (BCE), quer dos estímulos à economia devido à pandemia da Covid-19; 2) um choque simultâneo da procura e da oferta, dado que (lado da procura) a saída dos confinamentos e a elevada poupança desses períodos levou a um aumento substancial do consumo (apelido “revenge spending”), mas (lado da oferta) a Covid-19 levou a uma disrupção nas cadeias de produção e distribuição.

Segundo, a inflação não resulta sobretudo do choque de preços dos bens energéticos e alimentares. Basta atender a três indicadores: 1) As expetativas de inflação na zona Euro e nos EUA já rondavam os 5% na véspera do conflito iniciar e passado dois meses mantêm-se próximos (ligeiramente superior) a esse valor; 2) A inflação registada em fevereiro na zona Euro foi de 5.9% e em Portugal de 4.2%; 3) A inflação “core” (subjacente, isto é, sem energia e bens alimentares) em abril foi de 3.9% na zona Euro e em Portugal foi de 5%.

Terceiro, uma inflação durante alguns anos, mesmo que a 4%-5%, não deixará de ser uma inflação elevada (recorde-se que o objetivo da Fed e do BCE é 2%). Os leitores com mais memória recordaram a inflação nos anos 70 e início dos anos 80. Na altura, a inflação nas economias avançadas rondou os 10%/15% e em Portugal os 20%/30%. Mas é importante compreender que nos últimos 10 anos, desde a crise financeira e a alteração da política monetária dos Bancos Centrais, que nos “habituámos” a viver com inflação (e taxas de juro) em torno de zero. É aquilo a que os economistas chamam “inércia da inflação”. Os agentes económicos ajustaram as suas expetativas racionais a esse “normal”. Uma inflação durante vários anos em torno de 4%/5% significará um novo patamar de preços e juros, que obrigaram a fortes correções económicas.

Porque nos devemos preocupar com a inflação?

Primeiro, porque tem fortes impactos na eficiência económica e pode afetar o produto total (a criação de riqueza). Tem também um impacto significativo na eficiência, dado que distorce os preços e os sinais dos preços. Numa economia com baixa inflação, as alterações dos preços são percetíveis pelos consumidores, que alteram o seu perfil de consumo (se um bem aumenta muito o seu preço, mudam para bens complementares – se o preço de uma carne sobe muito, mudam para outras carnes, ajustando o mercado – chama-se a isto variação dos preços relativos). Se a inflação é elevada, este efeito reduz-se substancialmente.

Segundo, a literatura económica apresenta fortes evidencias que a relação positiva entre inflação e crescimento do produto ocorre num curto prazo, havendo um efeito negativo no médio prazo.

Terceiro, porque implica perda de poder de compra, sobretudo em quem recebe salários e pensões. A subida dos salários no setor privado varia muito entre setores de atividade, mas dificilmente acompanha o ritmo e a velocidade da subida dos preços. No setor público, quer os salários, quer a atualização das pensões, é feita sempre com base na inflação ocorrida no ano anterior. Isso gera naturalmente perdas de poder de compra, se a inflação for elevada durante alguns anos.

Adicionalmente, as famílias perdem poder de compra por duas vias: por um lado o cabaz de bens e serviços está mais caro, e por outro, a subida das taxas de juro leva a que as famílias com créditos (sobretudo à habitação) vejam a prestação da sua casa subir.

Quarto, provoca alterações na repartição do rendimento. A inflação prejudica os aforradores (dado que mesmo que as taxas de juro subam, será sempre um efeito com desfasamento) e beneficia os devedores (apesar do efeito referido das taxas de juro, com o aumento dos preços e o aumento dos salários, o valor da dívida, em termos nominais, reduz-se). Também o valor real dos ativos tende a reduzir-se.

Quinto, gera desequilíbrios nas Finanças Públicas. Num primeiro momento leva a um efeito “ilusório” de aumento da receita fiscal (a receita de IVA sobe por via dos preços, a receita do IRS e da TSU sobe por via da subida dos salários), mas depois tem efeitos muito negativos. Leva a uma redução da atividade económica, o que, naturalmente, reduz a receita fiscal e contributiva. E, sobretudo, cria uma enorme pressão na despesa pública. Como referido, um aumento da inflação leva a uma subida dos juros (agravado neste caso pelo fim da política monetária do BCE de compra de dívida pública, que vai agravar os juros e os spreads), fazendo aumentar essa componente da despesa do Estado. Leva também a um aumento da despesa com pensões e prestações sociais, bem como a uma pressão para aumentos salariais na função pública. E naturalmente, leva a um aumento da despesa com a aquisição de bens e serviços necessários para o funcionamento dos organismos públicos.

Em síntese, se os próximos anos se confirmar um nível de inflação bastante acima dos 2%, podemos esperar um período económico com menor poder de compra, seja por via dos preços, seja por via das prestações ao banco. As empresas terão um ambiente competitivo mais incerto e ineficiente. O Estado terá pressões do lado da despesa. A atuação dos Bancos Centrais é assim fundamental para permitir um retorno a um nível de inflação baixo, próximo dos 2%.

(Texto escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico)

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

Um país na flor da idade

Nos últimos 20 anos Angola sofreu inúmeras transformações, desde a mais simples até à mais complexa. Realizou quatro eleições legislativas, participou pela primeira vez numa fase final de um campeonato do mundo, realizou o CAN e colocou um satélite em órbita.

David Cameron

David Cameron foi Primeiro-Ministro do Reino Unido entre 2010 e 2016, liderando o primeiro Governo de coligação britânico em quase 70 anos e, nas eleições gerais de 2015, formando o primeiro Governo de maioria conservadora no Reino Unido em mais de duas décadas.

Cameron chegou ao poder em 2010, num momento de crise económica e com um desafio fiscal sem precedentes. Sob a sua liderança, a economia do Reino Unido transformou-se. O défice foi reduzido em mais de dois terços, foram criadas um milhão de empresas e um número recorde de postos de trabalho, tornando-se a Grã-Bretanha a economia avançada com o crescimento mais rápido do mundo.

Conferências com chancela CV&A

Ao longo de duas décadas, a CV&A tem vindo a promover conferências de relevo e interesse nacional, com a presença de diversos ex-chefes de Estado e de Governo e dirigentes políticos de influência mundial.

As idas e vindas da economia brasileira nos últimos 20 anos

Há 20 anos, o Brasil tinha pela primeira vez um presidente alinhado aos ideais da esquerda. Luiz Inácio Lula da Silva chegava ao poder como representante máximo do Partido dos Trabalhadores (PT).

Uma evolução notável e potencial ainda por concretizar

Moçambique há 20 anos, em 2003, era um país bem diferente do de hoje. A população pouco passava dos 19 milhões, hoje situa-se em 34 milhões, o que corresponde a um aumento relativo de praticamente 79%, uma explosão que, a manter-se esta tendência será, sem dúvida, um factor muito relevante a ter em consideração neste país.

O mundo por maus caminhos

Uma nova ordem geopolítica e económica está a ser escrita com a emergência da China como superpotência económica, militar e diplomática, ameaçando o estatuto dos EUA. Caminhamos para um mundo multipolar em que a busca pela autonomia estratégica está a alterar, para pior, as dinâmicas do comércio internacional. Nada será mais determinante para o destino do mundo nos próximos anos do que relação entre Pequim e Washington. A Europa arrisca-se a ser um mero espetador.

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -