Quinta-feira, Abril 18, 2024

Beijing e Cabul: alinhamento de interesses

Raquel Vaz Pinto, Investigadora IPRI-Univ. NOVA

Nos últimos meses, o Afeganistão tem estado no centro das atenções mediáticas internacionais. Uma vez mais pelo que parece ser a triste sina deste povo. Na verdade, quando pensamos nas décadas mais recentes a atenção mediática e das grandes potências parece ser a de uma montanha-russa (sem ironia). Nos anos oitenta, a invasão de Moscovo (na verdade no final do ano de 1979) levou os EUA a apoiar todos os opositores; nos anos noventa todos se esqueceram deste território até que, em 2001, o Afeganistão voltou a ser notícia e foi objecto de uma intervenção internacional que terminou … duas décadas depois. Em matéria de combate os afegãos têm de facto uma história invejável. Entre outros, podemos destacar os romanos, os persas, Babur e o início do Império Mogol, a sua independência em 1747 e, de forma mais marcante, a resistência a duas invasões e ocupações do Império Britânico no século XIX que fazem justiça ao seu cognome internacional: “cemitério de impérios”.

Voltando a 2021 observámos uma vez uma retirada que só pode ser caracterizada como incompetente e trágica (para ser suave). Por entre as muitas histórias pessoais, os dilemas daqueles que acreditaram numa vida melhor e que sabem perfeitamente o que significa o regresso dos Talibãs, qual é o Império que se segue? Já não é de agora o interesse da República Popular da China no território afegão. Se analisarmos com atenção percebemos que há capacidade e vontade de desempenhar um papel importante neste país. No entanto, o alinhamento de interesses entre Beijing e Cabul parece, à partida, estranho, senão mesmo impossível: de um lado, temos um governo de cariz religioso zelota e, do outro lado, um país que se assume de forma militante como ateu e que tem campos de concentração de uigures muçulmanos na região chinesa de Xinjiang. Esta divergência parece afastar à partida estes dois pólos.

No entanto, há uma convergência de interesses internos e externos que ajuda a compreender a fase muito positiva das relações entre a China e Afeganistão. Em primeiro lugar, a saída internacional e, em particular, dos EUA é algo que une Cabul e Beijing para além da fronteira comum. Em segundo lugar, há necessidade de investimento e de recursos financeiros que a China pode providenciar e o Afeganistão agradece e que pagará com os seus recursos. Para Beijing é mais uma peça importante no enquadramento e na envolvência da estratégia da Nova Rota da Seda. Em terceiro lugar, o contexto regional é importante, mas por razões diferentes. Ao tentar ser influente em território afegão a China desfere mais um golpe na vizinhança da Índia, ou seja, é mais um país no qual a China parece ter mais preponderância. A rivalidade entre a China e a Índia, bem patente por exemplo nos conflitos na sua fronteira e que resultaram em baixas para os dois lados em 2020, é uma das dimensões mais importantes em toda a região. Para os Talibãs o retraimento da Índia a favor do Paquistão é um resultado bem acolhido. E, por último, estamos a falar de dois países que são ditaduras e que não têm qualquer dilema em matéria de direitos humanos. Mais ainda, no caso da China estamos a falar de uma ditadura com direito de veto no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas.

No entanto, como a História bem nos ensina é preciso prudência e cautela face ao que se considera influência ou poder externos no Afeganistão. Essa é uma lição bem custosa que muitos tiveram que digerir. Em suma, é bom não descartar a capacidade afegã de resistir e de ludibriar aqueles que pensam que finalmente domaram o “cemitério de impérios”.

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

Um país na flor da idade

Nos últimos 20 anos Angola sofreu inúmeras transformações, desde a mais simples até à mais complexa. Realizou quatro eleições legislativas, participou pela primeira vez numa fase final de um campeonato do mundo, realizou o CAN e colocou um satélite em órbita.

David Cameron

David Cameron foi Primeiro-Ministro do Reino Unido entre 2010 e 2016, liderando o primeiro Governo de coligação britânico em quase 70 anos e, nas eleições gerais de 2015, formando o primeiro Governo de maioria conservadora no Reino Unido em mais de duas décadas.

Cameron chegou ao poder em 2010, num momento de crise económica e com um desafio fiscal sem precedentes. Sob a sua liderança, a economia do Reino Unido transformou-se. O défice foi reduzido em mais de dois terços, foram criadas um milhão de empresas e um número recorde de postos de trabalho, tornando-se a Grã-Bretanha a economia avançada com o crescimento mais rápido do mundo.

Conferências com chancela CV&A

Ao longo de duas décadas, a CV&A tem vindo a promover conferências de relevo e interesse nacional, com a presença de diversos ex-chefes de Estado e de Governo e dirigentes políticos de influência mundial.

As idas e vindas da economia brasileira nos últimos 20 anos

Há 20 anos, o Brasil tinha pela primeira vez um presidente alinhado aos ideais da esquerda. Luiz Inácio Lula da Silva chegava ao poder como representante máximo do Partido dos Trabalhadores (PT).

Uma evolução notável e potencial ainda por concretizar

Moçambique há 20 anos, em 2003, era um país bem diferente do de hoje. A população pouco passava dos 19 milhões, hoje situa-se em 34 milhões, o que corresponde a um aumento relativo de praticamente 79%, uma explosão que, a manter-se esta tendência será, sem dúvida, um factor muito relevante a ter em consideração neste país.

O mundo por maus caminhos

Uma nova ordem geopolítica e económica está a ser escrita com a emergência da China como superpotência económica, militar e diplomática, ameaçando o estatuto dos EUA. Caminhamos para um mundo multipolar em que a busca pela autonomia estratégica está a alterar, para pior, as dinâmicas do comércio internacional. Nada será mais determinante para o destino do mundo nos próximos anos do que relação entre Pequim e Washington. A Europa arrisca-se a ser um mero espetador.

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -