Domingo, Fevereiro 25, 2024

Asas de borboleta

David Lopes, Gestor e Presidente da AEON TOPVALU – Japão

A metáfora foi recriada pelo meteorologista Edward Lorenz, professor do Instituto de Tecnologia Meteorológica de Massachusetts, para explicar que é impossível prever fenómenos atmosféricos com muitos dias de antecedência, quando evocou, uma expressão da nossa cultura popular que diz que o bater de asas de uma borboleta, num ponto do mundo, pode criar um tufão do outro lado do mundo. Vivemos hoje, e de certa forma viveremos para sempre, dependentes dos voos dessas borboletas que silenciosamente alteram profundamente o curso da nossa história. As alterações climáticas, as catástrofes naturais (ligadas ou não a intervenção do homem no meio ambiente), as pandemias, são crises com as quais teremos que aprender a viver para sempre. Também por isso, mais do que nunca, o investimento na ciência surge como incontornável para nos ajudar a reduzir o impacto negativo dessas crises na nossa vida e no planeta.

No passado mês de Outubro, a Academia Sueca de Ciências concedeu o Prémio Nobel da Economia a três economistas (David Card – Canada, Joshua Angrist – USA e a Guido Imbens – Holanda ). David Card foi reconhecido pela sua contribuição empírica no campo da Economia do trabalho (sobretudo na análise profunda sobre a temática dos salários mínimos) e Angrist e Imbens surpreenderam o mundo académico das ciências sociais com os modelos que desenvolveram de análise metodológica de relações causais. Como pode a educação de uma pessoa influenciar o seu salário no futuro? Como pode a imigração afectar os níveis salariais e de emprego? Que efeito terá na sociedade o apoio financeiro na educação de jovens pobres e carenciados? Angrist e Imbens provam que muitas das questões da nossa sociedade podem ser mais bem entendidas e respondidas analisando e avaliando o que resulta para determinados indivíduos e grupos sociais da aplicação de políticas ou medidas públicas específicas. Confrontados com um verdadeiro “lago de dados” é fácil imaginar alguém a interpretar e a manipular dados, permitindo-se a conclusões que assimilados por decisores políticos e líderes empresariais e quando comunicados sem filtro pelos media, tornam-se a base de decisões que nos conduzem, demasiadas vezes, a olhar para o lado errado da solução. Muito ao jeito de “se torturarmos os números o suficiente, eles acabarão por confessar”. Angrist e Imbens representam assim o que muitos chamam uma “revolução de credibilidade”, usando os chamados ‘natural experiments’ e trazendo para área da avaliação científica as medidas políticas e sociais. Quando penso nisso, lembro-me sempre de uma das maiores lacunas que Portugal comete, na sua mais do que prolixa, área legislativa ao não avaliar sistematicamente as medidas e as leis que o Estado implementa. Esta avaliação, aliás prevista e exigida pela própria lei, é olimpicamente ignorada, de forma generalizada pelo vários níveis e entidades que representam o Estado Português. Se na vida de cada um de nós e da maioria das empresas bem geridas não sobrevivemos sem a avaliação e reflexão das medidas que tomamos, como é possível imaginar que os nossos recursos comuns (por definição escassos), os impostos, o investimento público, as reformas sociais, não sejam escrutinadas profundamente , permitindo-nos assim discutir factos e resultados, servindo o bem comum e o nosso futuro , sem matizes ideológicas e preconceitos.

Entretanto o vento que soprou, vindo das borboletas que iniciaram o seu voo no Oriente, aliado ao acentuar das consequências das alterações climáticas continuam a trazer-nos dados que nos devem manter muito despertos, para não dizer acordados durante a noite. Não é estranho que de forma generalizada em todo o mundo os preços dos produtos essenciais estejam a subir. Os preços dos fretes marítimos e a falta de contentores, fez disparar os custos logísticos. Os produtos com menos valor acrescentados, serão de forma garantida, os mais afectados, tornando a vida dos mais carenciados, ainda mais difícil, pois são nestas categorias de produtos e matérias-primas onde se concentram os bens essenciais. Um cenário de inflação moderada está já a ser vivido, podendo contribuir para um abrandamento na criação de emprego, o que teria implicações nos valores da retoma e do crescimento. Todos os anos muitas colheitas de matérias-primas são afectadas por questões climáticas (secas extrema ou pluviosidade excessiva ou fora de época). Também neste final de ano, produtos como o trigo, o milho, a soja e outras oleaginosas, apresentam preços significativamente mais altos do que há um ano atrás. Mas este efeito também se sente de forma muita aguda na área não alimentar, onde a escassez dos semicondutores, o aumento dos preços dos plásticos, dos alumínios e do cartão, não deixam qualquer dúvida que continuaremos a assistir a uma subida generalizada de preços que tenderá a ser atenuada por algum esmagamento de margens (por produtores, grossistas e retalhistas), mas que perdurando no tempo pode conduzir a um aumento “permanente” de muitos produtos essenciais, agravada pela crise/escassez de mão de obra especializada e não especializada. Usando a terminologia meteorológica, ficaremos por uma tempestade ou evoluiremos para um furacão?

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

Um país na flor da idade

Nos últimos 20 anos Angola sofreu inúmeras transformações, desde a mais simples até à mais complexa. Realizou quatro eleições legislativas, participou pela primeira vez numa fase final de um campeonato do mundo, realizou o CAN e colocou um satélite em órbita.

David Cameron

David Cameron foi Primeiro-Ministro do Reino Unido entre 2010 e 2016, liderando o primeiro Governo de coligação britânico em quase 70 anos e, nas eleições gerais de 2015, formando o primeiro Governo de maioria conservadora no Reino Unido em mais de duas décadas.

Cameron chegou ao poder em 2010, num momento de crise económica e com um desafio fiscal sem precedentes. Sob a sua liderança, a economia do Reino Unido transformou-se. O défice foi reduzido em mais de dois terços, foram criadas um milhão de empresas e um número recorde de postos de trabalho, tornando-se a Grã-Bretanha a economia avançada com o crescimento mais rápido do mundo.

Conferências com chancela CV&A

Ao longo de duas décadas, a CV&A tem vindo a promover conferências de relevo e interesse nacional, com a presença de diversos ex-chefes de Estado e de Governo e dirigentes políticos de influência mundial.

As idas e vindas da economia brasileira nos últimos 20 anos

Há 20 anos, o Brasil tinha pela primeira vez um presidente alinhado aos ideais da esquerda. Luiz Inácio Lula da Silva chegava ao poder como representante máximo do Partido dos Trabalhadores (PT).

Uma evolução notável e potencial ainda por concretizar

Moçambique há 20 anos, em 2003, era um país bem diferente do de hoje. A população pouco passava dos 19 milhões, hoje situa-se em 34 milhões, o que corresponde a um aumento relativo de praticamente 79%, uma explosão que, a manter-se esta tendência será, sem dúvida, um factor muito relevante a ter em consideração neste país.

O mundo por maus caminhos

Uma nova ordem geopolítica e económica está a ser escrita com a emergência da China como superpotência económica, militar e diplomática, ameaçando o estatuto dos EUA. Caminhamos para um mundo multipolar em que a busca pela autonomia estratégica está a alterar, para pior, as dinâmicas do comércio internacional. Nada será mais determinante para o destino do mundo nos próximos anos do que relação entre Pequim e Washington. A Europa arrisca-se a ser um mero espetador.

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -