Quinta-feira, Abril 18, 2024

A palavra que está na ordem do dia e que todos queremos seguir

O contexto social e económico que estamos a viver, com o período pós pandemia e a guerra na Ucrânia, fez despertar em nós a consciência de quanto somos vulneráveis. Não só em relação ao ambiente, mas também no que diz respeito a questões sociais e económicas, se nada fizermos poderemos colocar em risco a própria humanidade. Estamos mais bem preparados para um recomeço mais sustentável passando o modelo de economia circular de ser não só uma necessidade, mas uma obrigação.

A definição da Agenda 2030, já em 2015, constituída por 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) é agora mais importante que nunca. É uma agenda alargada e ambiciosa que aborda várias dimensões do desenvolvimento sustentável (sócio, económico, ambiental) e que promove a paz, a justiça e instituições eficazes.

Os ODS constituem uma oportunidade única e necessária para apoiar um crescimento sustentável, regenerativo e inclusivo, sem o qual será impossível fazer face à emergência climática, à degradação da biosfera e às desigualdades sociais.

O desafio dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável e do Acordo Paris, cujo cumprimento das regras foram debatidas recentemente na 27ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP27), no Egipto, constituem um enorme desafio para o qual todas as organizações têm de se empenhar.

Dedicamos uma parte do site da Prémio a este tema, com um conjunto de artigos de opinião, entrevistas e reportagem que espelham o que se está a fazer de bem em Portugal na área da Sustentabilidade em geral e a nível corporativo (ESG) em particular.

Os artigos que abordam este tema estão classificados com um ou mais dos 17 ODS definidos pelas Nações Unidas, através das cores e ícones definidos para cada um, dependendo do tema a que diz respeito e dos objetivos que pretende impactar.

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

Um país na flor da idade

Nos últimos 20 anos Angola sofreu inúmeras transformações, desde a mais simples até à mais complexa. Realizou quatro eleições legislativas, participou pela primeira vez numa fase final de um campeonato do mundo, realizou o CAN e colocou um satélite em órbita.

David Cameron

David Cameron foi Primeiro-Ministro do Reino Unido entre 2010 e 2016, liderando o primeiro Governo de coligação britânico em quase 70 anos e, nas eleições gerais de 2015, formando o primeiro Governo de maioria conservadora no Reino Unido em mais de duas décadas.

Cameron chegou ao poder em 2010, num momento de crise económica e com um desafio fiscal sem precedentes. Sob a sua liderança, a economia do Reino Unido transformou-se. O défice foi reduzido em mais de dois terços, foram criadas um milhão de empresas e um número recorde de postos de trabalho, tornando-se a Grã-Bretanha a economia avançada com o crescimento mais rápido do mundo.

Conferências com chancela CV&A

Ao longo de duas décadas, a CV&A tem vindo a promover conferências de relevo e interesse nacional, com a presença de diversos ex-chefes de Estado e de Governo e dirigentes políticos de influência mundial.

As idas e vindas da economia brasileira nos últimos 20 anos

Há 20 anos, o Brasil tinha pela primeira vez um presidente alinhado aos ideais da esquerda. Luiz Inácio Lula da Silva chegava ao poder como representante máximo do Partido dos Trabalhadores (PT).

Uma evolução notável e potencial ainda por concretizar

Moçambique há 20 anos, em 2003, era um país bem diferente do de hoje. A população pouco passava dos 19 milhões, hoje situa-se em 34 milhões, o que corresponde a um aumento relativo de praticamente 79%, uma explosão que, a manter-se esta tendência será, sem dúvida, um factor muito relevante a ter em consideração neste país.

O mundo por maus caminhos

Uma nova ordem geopolítica e económica está a ser escrita com a emergência da China como superpotência económica, militar e diplomática, ameaçando o estatuto dos EUA. Caminhamos para um mundo multipolar em que a busca pela autonomia estratégica está a alterar, para pior, as dinâmicas do comércio internacional. Nada será mais determinante para o destino do mundo nos próximos anos do que relação entre Pequim e Washington. A Europa arrisca-se a ser um mero espetador.

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -