Domingo, Fevereiro 25, 2024

Portugal-UK 650: Comemorações dos 650 anos da aliança luso-britânica

Maria João Rodrigues de Araújo, Presidente de Portugal-UK 650 e Fellow na Faculdade de Música da Universidade de Oxford

Em 2022 e 2023 celebram-se os 650 anos da Aliança Luso-Britânica, a mais antiga aliança diplomática do mundo em vigor. O início da formalização da Aliança, baseada na amizade perpétua entre as duas nações, ocorreu com a assinatura do Tratado de Tagilde a 10 de julho de 1372 (no município de Vizela, distrito de Braga) e a sua concretização com a assinatura do “Tratado de Paz, Amizade e Aliança”, a 16 de junho 1373, em Londres. Esta Aliança foi, posteriormente, reforçada pelo tratado de Windsor de 1386 e por outros tratados ao longo da história.

Portugal-UK 650 é a iniciativa responsável pelas comemorações dos 650 anos da Aliança Luso-Britânica em Portugal e no Reino Unido. Portugal-UK 650 engloba mais de 100 instituições parceiras, e conta com o apoio institucional das autoridades civis, militares e religiosas de ambos os países. O lançamento de Portugal-UK 650 decorreu no Palácio de São James em Londres, com um evento na Queen’s Chapel, que foi a Capela privada da Rainha D. Catarina de Bragança, esposa do rei Charles II do Reino Unido.

Este evento, com o Alto Patrocínio de Sua Excelência o Presidente da República Portuguesa, foi oficializado pelo Sub-Dean da Capela Real de Sua Majestade e contou com a presença de autoridades dos dois países.

Portugal-UK 650 pretende celebrar e dar a conhecer a história comum, escrever novos capítulos de amizade, cooperação e comércio, desenvolver investigação científica sobre a Aliança, e promover os valores do Tratado fundacional da Aliança no mundo atual – paz, amizade, verdade, fidelidade, constância, solidariedade, sinceridade e amabilidade – “… haverá daqui em diante uma verdadeira, fiel, constante, mútua e perpétua paz e amizade, união e aliança e liga de sincero afeto” (Artigo I, Tratado da Aliança, Londres 16 junho 1373) – apelando à responsabilidade e compromisso de cada um.

Para além da celebração das datas de maior importância – os 650 anos do Tratado de Tagilde (10 de julho de 2022) e do Tratado de Londres (16 de junho de 2023) – engloba outras iniciativas, até 2023, em parceria com mais de 100 instituições portuguesas e britânicas, no âmbito da investigação, educação, cultura, comércio, de cooperação e sociais.

O programa de atividades, que pode ser consultado no site https://portugal-uk650.com, é vasto, variado, inclusivo, com atividades para todas a idades e é descentralizado com eventos distribuídos por 30 localidades de Portugal e do Reino Unido, tendo já sido realizadas, à data, mais de 50 atividades.

O apogeu das comemorações para este ano são os 650 anos do Tratado de Tagilde que se comemoram a 10 de julho de 2022. Iniciam-se com o Congresso interdisciplinar “A Aliança Luso-britânica: Balanço do passado e perspectivas de futuro” que decorrerá na Universidade do Minho, em Braga, de 6 a 9 de julho. O Congresso é organizado em parceria com o Jusgov e a Escola de Direito da Universidade do Minho, tendo como instituições parceiras a Universidade de Oxford, a Universidade de Coimbra (CHS), a Universidade de Évora (CICP), a Universidade Católica (IEP) e a Universidade de Lisboa (Iuris). O evento tem entrada gratuita e conta com oradores de vários países dos continentes europeu e americano, tendo já sido realizado um ciclo de ‘webinars’ preparatórios sobre os principais temas da conferência.

No dia 9 de julho será exibido, ao ar livre, o espetáculo do projeto “Dança na Perpetuidade” concebido pelo English National Ballet. Um projeto baseado nos valores do Tratado Luso-Britânico, que decorre em ambos os países, envolvendo a comunidade, doze escolas de dança e vários artistas. Na noite desse mesmo dia, terá lugar uma Gala no Theatro Circo com atuação do English National Ballet. No dia seguinte, dia 10 de julho, haverá uma Missa na Sé Catedral de Braga cantada pelo Coro do Queen’s College da Universidade de Oxford; uma recreação da assinatura do Tratado em Tagilde, e um concerto em Vizela, na Praça da República. Em Vizela terão ainda lugar dois torneios medievais de Justa, com participação de “cavaleiros” britânicos. Estes eventos são abertos ao público em geral.

Para além destas atividades salienta-se na área da investigação, o projeto “A Aliança Luso-Britânica: balanço do passado e perspetivas de futuro” que envolve 19 investigadores de sete universidades portuguesas e britânicas. Na área cultural, os projetos de colaboração envolvendo intuições tais como o Barbican Centre e o Guidhall School of Music and Drama e os concursos de curtas-metragens, poesia e desenho. Na área da educação, os 32 recursos educativos bilingues, que podem ser descarregados pelo ‘website’ e que já estão a ser usados por milhares de crianças e jovens portugueses e britânicos. O British Council criou 16 recursos educativos para alunos desde a pré-primária até ao secundário e o Jubilee Centre for Character and Virtue da Universidade de Birmingham criou 16 recursos educativos sobre os valores do Tratado, nomeadamente, sobre a Amizade. Nas edições comemorativas os destaques são o prato “Aliança 650”, criado pela Vista Alegre e o postal da República dos CTT que inclui imagens do manuscrito e selo do tratado de Tagilde.

Convido todos os leitores a participarem nestas celebrações e aconselho a seguirem as redes sociais para estarem a par de todas as novidades:

facebook @PT.UK.650 e instagram @portugal_uk650

O meu desejo é que ao celebrarmos os 650 anos “de perpétua paz, amizade e aliança” entre os dois países, não só sejamos um exemplo e referência para outras nações, mas também que cada participante se sinta inspirado a ser embaixador dos valores que estão na base desta Aliança, promovendo uma cultura de paz e amizade na sua comunidade e no mundo inteiro, tão necessitado de paz, neste momento.

(Texto escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico)

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

Um país na flor da idade

Nos últimos 20 anos Angola sofreu inúmeras transformações, desde a mais simples até à mais complexa. Realizou quatro eleições legislativas, participou pela primeira vez numa fase final de um campeonato do mundo, realizou o CAN e colocou um satélite em órbita.

David Cameron

David Cameron foi Primeiro-Ministro do Reino Unido entre 2010 e 2016, liderando o primeiro Governo de coligação britânico em quase 70 anos e, nas eleições gerais de 2015, formando o primeiro Governo de maioria conservadora no Reino Unido em mais de duas décadas.

Cameron chegou ao poder em 2010, num momento de crise económica e com um desafio fiscal sem precedentes. Sob a sua liderança, a economia do Reino Unido transformou-se. O défice foi reduzido em mais de dois terços, foram criadas um milhão de empresas e um número recorde de postos de trabalho, tornando-se a Grã-Bretanha a economia avançada com o crescimento mais rápido do mundo.

Conferências com chancela CV&A

Ao longo de duas décadas, a CV&A tem vindo a promover conferências de relevo e interesse nacional, com a presença de diversos ex-chefes de Estado e de Governo e dirigentes políticos de influência mundial.

As idas e vindas da economia brasileira nos últimos 20 anos

Há 20 anos, o Brasil tinha pela primeira vez um presidente alinhado aos ideais da esquerda. Luiz Inácio Lula da Silva chegava ao poder como representante máximo do Partido dos Trabalhadores (PT).

Uma evolução notável e potencial ainda por concretizar

Moçambique há 20 anos, em 2003, era um país bem diferente do de hoje. A população pouco passava dos 19 milhões, hoje situa-se em 34 milhões, o que corresponde a um aumento relativo de praticamente 79%, uma explosão que, a manter-se esta tendência será, sem dúvida, um factor muito relevante a ter em consideração neste país.

O mundo por maus caminhos

Uma nova ordem geopolítica e económica está a ser escrita com a emergência da China como superpotência económica, militar e diplomática, ameaçando o estatuto dos EUA. Caminhamos para um mundo multipolar em que a busca pela autonomia estratégica está a alterar, para pior, as dinâmicas do comércio internacional. Nada será mais determinante para o destino do mundo nos próximos anos do que relação entre Pequim e Washington. A Europa arrisca-se a ser um mero espetador.

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -