Sexta-feira, Maio 24, 2024

Pacto do Porto para o Clima: Rumo à neutralidade carbónica até 2030

Rumo à neutralidade carbónica até 2030

Filipe Araújo | Vice-Presidente da Câmara Municipal do Porto

A espécie humana no Planeta enfrenta enormes desafios, sendo necessários múltiplos investimentos, em diversas frentes e concertados, tendo em vista garantir o equilíbrio climático mundial e com isso assegurar uma melhor qualidade de vida para nós e para as próximas gerações.

A redução das emissões de gases com efeito de estufa (GEE) no Porto já atingiu 52,2% em 2020 (face ao ano base de 2004), resultado de uma aposta continuada de descarbonização em vários sectores. Compreendendo que os ativos municipais são apenas responsáveis por 6% das emissões de GEE, percebemos que tínhamos de ir mais longe. A maioria das emissões da cidade provém dos sectores dos edifícios, residencial e serviços (~50%) e dos transportes (~40%) pelo que se torna imprescindível envolver os diferentes atores da cidade num esforço concertado e ambicioso capaz de diminuir de forma significativa as emissões. E isso motivou-nos a lançar o Pacto do Porto para o Clima: um compromisso aberto à cidade, às organizações públicas e privadas, e que apela à mobilização massiva dos portuenses, com um grande objetivo comum: alcançar a neutralidade carbónica até 2030.

Ainda que trilhemos um caminho em conjunto, no Porto, procuramos liderar pelo exemplo, atuando de forma assertiva e coerente nos esforços de descarbonização. O reforço dos espaços verdes, a aposta na partilha de energia, o incremento da mobilidade sustentável, o aumento da eficiência do edificado, a promoção da poupança energética, o investimento em iluminação LED inteligente e maior circularidade são alguns dos eixos estratégicos da ação do Município.

Concretizando, há medidas paradigmáticas e disruptivas que podemos, desde já, evidenciar: 100% da energia utilizada pelo Município do Porto é proveniente de fontes renováveis; a gratuitidade dos transportes públicos na cidade para crianças e jovens até aos 18 anos, criando hábitos nesta faixa etária e com poupança para as famílias portuenses; a substituição da iluminação pública para LED que segue a bom ritmo ou a expansão da recolha de resíduos orgânicos às casas dos portuenses e a sua valorização.

Estamos a afirmar o Porto como produtor de energia limpa de base solar e a contribuir para uma maior independência energética da cidade. Temos em pleno funcionamento o Porto Energy Hub, um gabinete de aconselhamento que está a apoiar cidadãos e empresas em projetos de eficiência energética e produção de energia. Neste campo, está em marcha um plano de incentivos à instalação de painéis fotovoltaicos em edifícios particulares que ronda os 8 milhões de euros, bem como vamos investir na produção de energia nos edifícios de habitação social, num investimento de 6 milhões de euros que contribui para a redução da fatura e mitigação da pobreza energética das cerca de 30 mil pessoas que neles vive. A primeira Comunidade de Energia Renovável (CER) do país envolvendo habitação social está pronta a produzir energia, faltando apenas a autorização da DGEG. Estamos a trabalhar no sentido de promover sinergias para a criação de mais CER que envolvam os parceiros do Pacto.

O Pacto do Porto para o Clima conta com mais de 200 subscritores, entre os quais a Cunha Vaz & Associados, e tem mobilizado algumas das mais reputadas instituições e organizações empresariais do Porto e da região. Este Pacto vai ao encontro dos objetivos da Missão Cidades da União Europeia, sendo o Porto uma das 100 cidades selecionadas para atingir a neutralidade carbónica até 2030.

Podem subscrever ou acompanhar a atividade em: pactoparaoclima.porto.pt 

(Texto escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico)

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

Um país na flor da idade

Nos últimos 20 anos Angola sofreu inúmeras transformações, desde a mais simples até à mais complexa. Realizou quatro eleições legislativas, participou pela primeira vez numa fase final de um campeonato do mundo, realizou o CAN e colocou um satélite em órbita.

David Cameron

David Cameron foi Primeiro-Ministro do Reino Unido entre 2010 e 2016, liderando o primeiro Governo de coligação britânico em quase 70 anos e, nas eleições gerais de 2015, formando o primeiro Governo de maioria conservadora no Reino Unido em mais de duas décadas.

Cameron chegou ao poder em 2010, num momento de crise económica e com um desafio fiscal sem precedentes. Sob a sua liderança, a economia do Reino Unido transformou-se. O défice foi reduzido em mais de dois terços, foram criadas um milhão de empresas e um número recorde de postos de trabalho, tornando-se a Grã-Bretanha a economia avançada com o crescimento mais rápido do mundo.

Conferências com chancela CV&A

Ao longo de duas décadas, a CV&A tem vindo a promover conferências de relevo e interesse nacional, com a presença de diversos ex-chefes de Estado e de Governo e dirigentes políticos de influência mundial.

As idas e vindas da economia brasileira nos últimos 20 anos

Há 20 anos, o Brasil tinha pela primeira vez um presidente alinhado aos ideais da esquerda. Luiz Inácio Lula da Silva chegava ao poder como representante máximo do Partido dos Trabalhadores (PT).

Uma evolução notável e potencial ainda por concretizar

Moçambique há 20 anos, em 2003, era um país bem diferente do de hoje. A população pouco passava dos 19 milhões, hoje situa-se em 34 milhões, o que corresponde a um aumento relativo de praticamente 79%, uma explosão que, a manter-se esta tendência será, sem dúvida, um factor muito relevante a ter em consideração neste país.

O mundo por maus caminhos

Uma nova ordem geopolítica e económica está a ser escrita com a emergência da China como superpotência económica, militar e diplomática, ameaçando o estatuto dos EUA. Caminhamos para um mundo multipolar em que a busca pela autonomia estratégica está a alterar, para pior, as dinâmicas do comércio internacional. Nada será mais determinante para o destino do mundo nos próximos anos do que relação entre Pequim e Washington. A Europa arrisca-se a ser um mero espetador.

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -