Domingo, Fevereiro 25, 2024

Caminho a zero

Alejandro Zaccour, Embaixador da Colômbia em Portugal

Nas discussões sobre aquecimento global, a expressão mais repetida e consensual é a de que “não há planeta B”. Esta afirmação, séria, tem sido o “leitmotiv” do governo colombiano, liderado pelo Presidente Iván Duque que, na última Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas, anunciou a sua Estratégia Climática de Longo Prazo para a Colômbia – “E2050”.

Iván Duque soube interpretar o espírito e metas do Acordo de Paris, tomando ações que visam a sua materialização. Hoje, o combate ao aquecimento global na Colômbia é mais do que palavras, são medidas concretas com impacto à escala global. Aqui, convém notar que a Colômbia é um dos três países com maior biodiversidade do planeta, detém parte da Amazónia e conta com dois oceanos: Atlântico e Pacífico.

As metas do Presidente Iván Duque são claras e desafiantes: alcançar a neutralidade carbónica até 2050, reduzir a emissão de gases com efeito de estufa em 51%, acelerar a transição energética do país e promover o hidrogénio verde e azul como fontes de energia dos meios de transporte, cuja regulamentação já está em curso e prevê-se, a curto prazo, implementar projetos piloto.

No que concerne à transição energética, vale a pena salientar que Portugal tem sido um parceiro estratégico e o setor privado que opera nas renováveis tem respondido às metas do governo colombiano. Neste mandato foi possível superar os 3.000 megawatts de potência instalada e, no curto prazo, alcançaremos os 10.000 MW.

Mas não só. O governo tem-se empenhado igualmente no combate à desflorestação, à exploração mineira ilegal e na eliminação de zonas de cultivos de uso ilícito. Até dezembro de 2021, com o apoio das Forças Armadas, foram plantadas mais de 120 milhões de árvores autóctones e a meta é alcançar os 180 milhões em agosto deste ano. Uma mobilização em prol do meio ambiente, sem precedentes.

O desenho e implementação destas políticas colocaram a Colômbia como país líder em estratégias de longo prazo. Estas, beneficiam o meio ambiente e o planeta, estimulam o empreendedorismo e melhoram a economia, como bem salientou, a este propósito, o Presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento, Mauricio Claver-Carone.

Neste contexto, o Presidente Iván Duque participou, também, no “One Ocean Summit” organizado pelo governo francês, em Brest, no qual anunciou que 30% do território marítimo colombiano será declarado reserva marinha.

Numa iniciativa conjunta com os governos do Equador, Costa Rica e Panamá, foi possível criar a maior área marinha protegida do mundo, cujo objetivo, como frisou o Presidente, é “a conservação inequívoca dos recursos naturais que pertencem a todos os colombianos e à Humanidade” e “garantir a sobrevivência de mais de 40% das espécies marinhas em todo o mundo”. Um esforço que é de todos e que depende do trabalho em equipa de mais de 50 países, conforme foi acordado na Aliança Mundial 30×30.

Hoje, podemos afirmar que as áreas protegidas na Colômbia, tanto marítimas como terrestres, duplicaram. São uma realidade.

O Presidente Iván Duque chegará brevemente a Lisboa para participar na Conferência das Nações Unidas sobre os Oceanos, coorganizada por Portugal, Quénia e ONU. Será uma excelente oportunidade para refletir e definir novas metas e ações concretas na luta pela preservação do nosso planeta e garantir um futuro sustentável, rumo às zero emissões.

(Texto escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico)

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

Um país na flor da idade

Nos últimos 20 anos Angola sofreu inúmeras transformações, desde a mais simples até à mais complexa. Realizou quatro eleições legislativas, participou pela primeira vez numa fase final de um campeonato do mundo, realizou o CAN e colocou um satélite em órbita.

David Cameron

David Cameron foi Primeiro-Ministro do Reino Unido entre 2010 e 2016, liderando o primeiro Governo de coligação britânico em quase 70 anos e, nas eleições gerais de 2015, formando o primeiro Governo de maioria conservadora no Reino Unido em mais de duas décadas.

Cameron chegou ao poder em 2010, num momento de crise económica e com um desafio fiscal sem precedentes. Sob a sua liderança, a economia do Reino Unido transformou-se. O défice foi reduzido em mais de dois terços, foram criadas um milhão de empresas e um número recorde de postos de trabalho, tornando-se a Grã-Bretanha a economia avançada com o crescimento mais rápido do mundo.

Conferências com chancela CV&A

Ao longo de duas décadas, a CV&A tem vindo a promover conferências de relevo e interesse nacional, com a presença de diversos ex-chefes de Estado e de Governo e dirigentes políticos de influência mundial.

As idas e vindas da economia brasileira nos últimos 20 anos

Há 20 anos, o Brasil tinha pela primeira vez um presidente alinhado aos ideais da esquerda. Luiz Inácio Lula da Silva chegava ao poder como representante máximo do Partido dos Trabalhadores (PT).

Uma evolução notável e potencial ainda por concretizar

Moçambique há 20 anos, em 2003, era um país bem diferente do de hoje. A população pouco passava dos 19 milhões, hoje situa-se em 34 milhões, o que corresponde a um aumento relativo de praticamente 79%, uma explosão que, a manter-se esta tendência será, sem dúvida, um factor muito relevante a ter em consideração neste país.

O mundo por maus caminhos

Uma nova ordem geopolítica e económica está a ser escrita com a emergência da China como superpotência económica, militar e diplomática, ameaçando o estatuto dos EUA. Caminhamos para um mundo multipolar em que a busca pela autonomia estratégica está a alterar, para pior, as dinâmicas do comércio internacional. Nada será mais determinante para o destino do mundo nos próximos anos do que relação entre Pequim e Washington. A Europa arrisca-se a ser um mero espetador.

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -