Quarta-feira, Junho 19, 2024

Tudo por um mundo melhor

SOCIEDADE CENTRAL DE CERVEJAS E BEBIDAS (SCC)

Brew a Better World – Produzir um Mundo Melhor é o lema da Heineken desde 2009, mas, em 2021, a multinacional que detém a Sociedade Central de Cervejas e Bebidas deu mais energia ao plano, com metas mais ambiciosas para 2030, rumo à descarbonização de toda a cadeia de valor, 10 anos depois.

BaBW À LUPA

  • Alcançar a neutralidade carbónica na produção até 2030 e ao longo de toda a cadeia de valor até 2040;
  • Zero desperdício lançado em aterro a nível global até 2025;
  • Impacto positivo no consumo de água em todas as zonas com escassez deste recurso até 2030;
  • 30% de mulheres em cargos de gestão de topo até 2025 e 40% até 2030;
  • Implementação total do programa de igualdade salarial e salários justos até 2023;
  • Iniciativa de impacto social em 100% dos mercados, todos os anos;
  • Duas opções de bebidas com zero teor alcoólico na maioria dos mercados até 2023;
  • Promover parcerias em todos os mercados para combate aos efeitos nocivos de um consumo abusivo de bebidas alcoólicas;
  • Alcançar um bilião de consumidores anualmente com mensagens relacionadas com o consumo responsável;
  • 10% do orçamento de marketing da marca Heineken dedicado à promoção de um consumo responsável.

O desejo de contribuir para um mundo melhor, mais sustentável e justo não é de hoje, na Sociedade Central de Cervejas e Bebidas. Integrada no Grupo HEINEKEN, a “dona” da Sagres e da Água de Luso tem em curso, desde 2009, o Brew a Better World (BaBW), que reflecte o compromisso da multinacional em promover o respeito pelas Pessoas e pelo Planeta, estimulando ao mesmo tempo a Prosperidade.

Criado em 2009, o BaBW tem vindo a contribuir para os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas. Em 2021, animada pelos progressos alcançados desde o lançamento original do programa, e de forma a atingir um progresso mais rápido, a multinacional deu uma nova ambição ao BaBW para 2030, com olhos postos em atingir a neutralidade carbónica ao longo de toda a cadeia de valor até 2040.

Na prática, a actuação da companhia desenvolve-se em três pilares: Ambiental – um caminho para zero impacto, reduzindo as emissões de carbono provenientes da actividade, promovendo a circularidade e protegendo recursos hídricos; Social – um caminho para uma empresa e um mundo mais inclusivos, justos e equitativos, procurando gerar impacto positivo nas comunidades, bem como promover uma cultura de inclusão e diversidade, e um ambiente de trabalho justo e seguro; e do Consumo Responsável – um caminho para um consumo moderado e responsável de bebidas alcoólicas, ao mesmo tempo que proporciona alternativas de bebidas mais saudáveis e sem álcool.

Em termos ambientais, a ambição é trabalhar para que todas as instalações de produção se tornem neutras em carbono, reduzindo as suas emissões globais em 30% até 2030, de forma a atingir a meta de 1.5°C definida pelo Acordo de Paris, por via do investimento e maximização da utilização de energias renováveis, procurando mais eficiência energética.

Cada vez menos carbono
A companhia tem vindo a reduzir as emissões de CO2 por várias vias. Foram implantados, na Cervejeira de Vialonga e na Unidade de engarrafamento da Água de Luso, 6.300 paineis fotovoltaicos para gerar energia para autoconsumo, com uma potência instalada de 1 MWp em cada unidade. Com o investimento de 1,4 milhões de euros, esta instalação permitirá, no total, uma produção de energia solar de 2.845 MWh/ano e uma redução de consumo previsto de 5% na Cervejeira de Vialonga e de 20% na unidade de engarrafamento da Água de Luso.

Este projecto permitirá ainda uma redução de cerca de 1.200 toneladas/ano em emissões CO2, o equivalente à captação anual de CO2 por 53.000 árvores.

O esforço para respeitar o ambiente estende-se à área da mobilidade, apostando na transição para processos de logística que reduzam as emissões de carbono. No caso da frota de distribuição primária, procedeu-se à optimização de rotas e de cargas e à utilização de veículos mais eficientes, movidos a gás natural. Com a empresa de distribuição Novadis, apostou-se em testes-piloto com veículos eléctricos para entrega aos clientes.

A empresa recorre a materiais que minimizem o impacto ambiental, integrando a preocupação de ecodesign, por via do desenvolvimento de ajustamentos nas embalagens primárias e secundárias, como por exemplo na redução de PET, na aposta em maiores formatos ou na incorporação de materiais reciclados nas embalagens, e promovendo o reutilizável, em linha com uma economia circular.

As embalagens hoje são todas recicláveis e possuem, nos rótulos, a indicação do ecoponto correcto onde devem ser colocadas para uma recolha selectiva.

Globalmente, a companhia recorre, sempre que possível, a fornecedores locais, promovendo o consumo responsável, proporcionando locais de trabalho onde a saúde e segurança dos colaboradores é prioritária, e investindo nas comunidades envolventes.

Gestão mais feminina
Em relação à igualdade de género, a percentagem de mulheres hoje representadas em cargos de gestão de topo do Grupo Heineken duplicou em relação à última década, mas os compromissos são mais ambiciosos: em 2025, pretende-se ter 30% de mulheres em cargos de administração e, em 2030, 40%.

A empresa protege os recursos hídricos, nomeadamente através da defesa e manutenção do Sistema Aquífero da Água Mineral Natural de Luso, um recurso de excepção com origem na Serra do Buçaco, e cuja utilização consciente e sustentável deste recurso está na génese da marca, procurando garantir que esta água pura e intocável chega não só às gerações actuais como às gerações futuras.

Face a 2008, a companhia reduziu o consumo de água nos processos produtivos em cerca de 20%. 

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

Um país na flor da idade

Nos últimos 20 anos Angola sofreu inúmeras transformações, desde a mais simples até à mais complexa. Realizou quatro eleições legislativas, participou pela primeira vez numa fase final de um campeonato do mundo, realizou o CAN e colocou um satélite em órbita.

David Cameron

David Cameron foi Primeiro-Ministro do Reino Unido entre 2010 e 2016, liderando o primeiro Governo de coligação britânico em quase 70 anos e, nas eleições gerais de 2015, formando o primeiro Governo de maioria conservadora no Reino Unido em mais de duas décadas.

Cameron chegou ao poder em 2010, num momento de crise económica e com um desafio fiscal sem precedentes. Sob a sua liderança, a economia do Reino Unido transformou-se. O défice foi reduzido em mais de dois terços, foram criadas um milhão de empresas e um número recorde de postos de trabalho, tornando-se a Grã-Bretanha a economia avançada com o crescimento mais rápido do mundo.

Conferências com chancela CV&A

Ao longo de duas décadas, a CV&A tem vindo a promover conferências de relevo e interesse nacional, com a presença de diversos ex-chefes de Estado e de Governo e dirigentes políticos de influência mundial.

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -