Domingo, Fevereiro 25, 2024

Seguir o dinheiro!

António Bilrero, Prémio

Sheldon Adelson, fundador do grupo norte-americano de jogo morreu em meados de Janeiro. Um mês e meio depois, o grupo anunciava o fecho da operação na cidade natal e a venda de propriedades, num negócio avaliado em cerca de 6,2 mil milhões de dólares norte-americanos. O objectivo é claro e segue o que estava já a ser preparado ainda com o fundador da companhia vivo: reforçar as operações na Ásia, incluindo Macau, a capital mundial do jogo, e Singapura.

Para António Ramirez, advogado e consultor especializado na área do jogo, esta operação estava prevista e segue um princípio bem simples: “O jogo segue o dinheiro. Onde interessa estar? Nas maiores economias e nas que apresentam maior desenvolvimento”.

O especialista lembra que entre os anos 50/60, o final dos anos 90 e meados da primeira década do séc. XXI, Las Vegas era a capital mundial do jogo e os EUA eram, destacados, a maior economia do mundo.

“Actualmente, assinala, o crescimento económico dos EUA não é o que já foi e há um conjunto de países asiáticos cujas economias [pré-pandemia] apresentam as taxas mais elevadas de crescimento”. Por isso é “absolutamente normal” este virar da agulha para o continente mais populoso do planeta.

“Ao olharem para essas economias asiáticas, as empresas que se dedicam ao negócio do jogo, assim como àqueles que lhe estão associados, como o turismo e a hotelaria (com os seus luxuosos e gigantescos ‘resorts’ integrados), observam ali um enorme aumento do número de consumidores com dinheiro disponível para gastar. A escolha parece e é óbvia”, diz.

António Ramirez reforça ainda que nessas economias asiáticas em franco processo de expansão, “ao contrário do que acontece na Europa e nos Estados Unidos, onde o consumidor tem um comportamento mais conservador, mais virado para a poupança, aqui o foco vai para o consumo e o gasto de dinheiro”.

E claro. A venda das propriedades em Las Vegas – The Venetian Resort Las Vegas, Sands Expo e o Centro de Convenções – tem bem presente a origem dos lucros (superiores 13,7 mil milhões de dólares norte-americanos em 2019). “Em 2019, 63% destes vieram da operação em Macau, seguido de Singapura, com 22%, e só depois o negócio nos Estados Unidos.

Por tudo isto, “a opção de vender um activo que representa 10 ou 15% dos lucros, mas com uma valorização muito superior a esse valor, na ordem dos 6,4 mil milhões de dólares norte-americanos, permite preparar o grupo para eventuais fortes investimentos na Ásia”, atira.

E acrescenta: “Ou seja, ao reinvestir esses 6,4 mil milhões noutras geografias (Ásia) há a real expectativa de isso gerar lucros muito superiores aos que a operação de Las Vegas geraria se esta solução não se realizasse”.

Esta “deslocalização” constitui, por isso, “uma oportunidade para assegurar mais lucros, isto partindo do princípio de que quem a executou acredita que a Ásia vai continuar a ter um crescimento económico superior àquele que se vai verificar no futuro nos EUA. É uma jogada normal, partindo deste princípio”, diz.

António Ramirez considera que, relativamente a Macau, com a recém-anunciada operação do grupo no Estado do Nevada, “a Sands China tem agora uma acionista, a Las Vegas Sands Corporation, com muito mais poder económico e com dinheiro disponível para investir”.

“Quando chegar o concurso público para os contratos de concessão de jogo em Macau, adiado devido à pandemia, isso quer dizer que a Sands vai ter menos dívida e mais dinheiro disponível, ou seja, vai surgir numa posição aparentemente mais favorável para poder cumprir os requisitos que o Governo local venha a impor. Tudo indica que ficará assim em melhores condições para ir a jogo com boas perspectivas de sucesso”, conclui.

Recorde-se que em plena pandemia, a Sands Macau investiu forte na capital mundial do jogo. O grupo arrancou com um projecto “The Londoner Macao” [cuja primeira fase foi inaugurada no passado mês de Fevereiro], um investimento de 1,9 mil milhões de dólares. Ainda durante este ano, o “The Londoner” vai assistir à inauguração de novos serviços no respectivo ‘resort’ integrado, com destaque para as aguardadas ‘suites’ criadas por David Beckham, o “Londoner Court”, um hotel de luxo com ‘suites’ residenciais, o centro comercial “Shoppes at Londoner” e a “Londoner Arena”.

Aquando do anúncio da venda das propriedades no Estado do Nevada, o responsável pelas operações da Las Vegas Sands Corp., Patrick Dumont, assinalou que a venda do património pelos tais pouco mais de seis mil milhões dólares norte-americanos vai permitir continuar com a “estratégia de longa data do grupo de reinvestir” na Ásia e, simultaneamente, trazer mais liquidez à empresa para remunerar o “capital investido pelos acionistas”.

Também nessa ocasião, Robert Goldstein, presidente e director-executivo (CEO) da Las Vegas Sands, prestou homenagem a Sheldon Adelson e lembrou que a Ásia “continua a ser a espinha dorsal desta empresa e os nossos desenvolvimentos em Macau e Singapura são o centro das nossas atenções”.

“O jogo segue o dinheiro”!

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

Um país na flor da idade

Nos últimos 20 anos Angola sofreu inúmeras transformações, desde a mais simples até à mais complexa. Realizou quatro eleições legislativas, participou pela primeira vez numa fase final de um campeonato do mundo, realizou o CAN e colocou um satélite em órbita.

David Cameron

David Cameron foi Primeiro-Ministro do Reino Unido entre 2010 e 2016, liderando o primeiro Governo de coligação britânico em quase 70 anos e, nas eleições gerais de 2015, formando o primeiro Governo de maioria conservadora no Reino Unido em mais de duas décadas.

Cameron chegou ao poder em 2010, num momento de crise económica e com um desafio fiscal sem precedentes. Sob a sua liderança, a economia do Reino Unido transformou-se. O défice foi reduzido em mais de dois terços, foram criadas um milhão de empresas e um número recorde de postos de trabalho, tornando-se a Grã-Bretanha a economia avançada com o crescimento mais rápido do mundo.

Conferências com chancela CV&A

Ao longo de duas décadas, a CV&A tem vindo a promover conferências de relevo e interesse nacional, com a presença de diversos ex-chefes de Estado e de Governo e dirigentes políticos de influência mundial.

As idas e vindas da economia brasileira nos últimos 20 anos

Há 20 anos, o Brasil tinha pela primeira vez um presidente alinhado aos ideais da esquerda. Luiz Inácio Lula da Silva chegava ao poder como representante máximo do Partido dos Trabalhadores (PT).

Uma evolução notável e potencial ainda por concretizar

Moçambique há 20 anos, em 2003, era um país bem diferente do de hoje. A população pouco passava dos 19 milhões, hoje situa-se em 34 milhões, o que corresponde a um aumento relativo de praticamente 79%, uma explosão que, a manter-se esta tendência será, sem dúvida, um factor muito relevante a ter em consideração neste país.

O mundo por maus caminhos

Uma nova ordem geopolítica e económica está a ser escrita com a emergência da China como superpotência económica, militar e diplomática, ameaçando o estatuto dos EUA. Caminhamos para um mundo multipolar em que a busca pela autonomia estratégica está a alterar, para pior, as dinâmicas do comércio internacional. Nada será mais determinante para o destino do mundo nos próximos anos do que relação entre Pequim e Washington. A Europa arrisca-se a ser um mero espetador.

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -