Quarta-feira, Outubro 5, 2022

Para maiores de 18

David Seromenho, CEO CV&A Brasil

Moro num país tropical, abençoado por Deus e bonito por natureza, mas que beleza. Em fevereiro tem Carnaval…”. Sim, é no Brasil que estou a viver desde o dia seis de outubro de 2010, quando começou a minha aventura verde e amarela. Mas a história não pode ser ignorada. Há que preservá-la, com os olhos postos no futuro. E o início do meu percurso na Cunha Vaz foi há 18 anos, na bela “Lisboa menina e moça, menina. Da luz que meus olhos vêem tão pura ….”.

Com a Cunha Vaz atingi a maioridade e cheguei aos 18 anos de aprendizagem, conquistas, sucessos, desilusões, parcerias, humildade, celebrações, crescimento, mas acima de tudo gratidão pela caminhada. O “filho” saiu de casa para ir projetar o nosso nome em português do Brasil.

Sabia que quando deixei a minha zona de conforto, com vista para o Marquês de Pombal, a jornada não ia ser fácil. O Brasil não é para amadores. Para vingar neste país, há que ser persistente, estar disponível para enfrentar um mercado com características muito próprias e muito evoluído. O segredo é conseguir um equilíbrio e uma partilha das vivências que, em diversas áreas, são muito diferentes nos dois países. Acrescento ainda a paciência, a vontade de trabalhar e uma boa dose de otimismo, característica tão forte deste povo de sorriso no rosto.

Cheguei quando o país estava no auge e, ao longo destes anos, surfei por um mar muito agitado. Anos de grandes oscilações que provocaram uma forte ondulação, com picos que parecia estar a surfar a maior onda da Nazaré. Assisti a crises económicas, sociais e políticas, e mais recentemente a uma crise de saúde mundial. Mas vivenciei momentos únicos, onde o país mostrou ao mundo a sua capacidade e resistência.

A sucessão de crises contínuas, pode ter abalado a confiança interna e dos investidores estrangeiros e levado o nome do Brasil a fazer manchetes pelo mundo fora, não pelos melhores motivos. Mas o “gigante por natureza” vai-se erguer e, para mim, participar no dinamismo do mercado brasileiro é realmente uma oportunidade. Mas é também um grande desafio, cheio de obstáculos. Não tem sido fácil, mas tem valido muito a pena.

De olhos postos no futuro, as empresas brasileiras não desperdiçaram a oportunidade para voltar a conquistar o que é seu no mercado interno e externo. A persistência é um dom do brasileiro e a excelência de serviços e qualidade dos profissionais brasileiros não deixam nada a desejar, alinhando-se mesmo com as melhores práticas mundiais. Que as próximas pautas sobre o Brasil na imprensa internacional sejam mais risonhas. Acredito em um Brasil do futuro.

Mas o “filho” é português e o orgulho no meu país e das nossas marcas está sempre presente no meu comportamento diário. Desde que cheguei ao Brasil, tento mostrar o lado de Portugal, às vezes tão desconhecido, deste povo que fala a mesma língua.

Como dizia Vinicius de Moraes “Saudade tão fatal, saudades do Brasil em Portugal”. Para mim, usar uma palavra tão nossa é relembrar tanta coisa boa que tenho vivido nos dois países. Deste meu São Paulo uma mensagem de otimismo para todos aqueles que persistem e se reinventam.

À, também minha, Cunha Vaz & Associados, incluindo todos os colegas com que me cruzei, muitos parabéns por ter atingido a maioridade de uma forma tão brilhante, arriscando e levando o português de Portugal além das fronteiras.

(Texto escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico)

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

Momo. O museu na Lousã onde o circo deixou de ser itinerante para afirmar a sua história

Circo
Nos arredores da vila da Lousã, na antiga escola primária da Foz do Arouce, nasceu, em 2019, o Momo. Este museu do circo é o concretizar do sonho de um palhaço alemão, que se apaixonou por aquela região, e que, ao lado de uma atriz portuguesa, criou um espaço de vida e memória que procura dignificar as artes circenses – um património, para Detlef Schaff e Eva Cabral, muitas vezes, marginalizado. Palhaços, ilusionistas, malabaristas… aqui só não se recordam “os homens cinzentos.”

“O contacto com os artistas enriquece-me”

Fernando Figueiredo Ribeiro
Na passada década, aquilo que começou com um encanto inesperado saiu da esfera privada para dar origem à Colecção Figueiredo Ribeiro. São cerca de 2800 obras, representativas dos últimos 50 anos, que encontraram olhar público no Quartel da Arte Contemporânea de Abrantes.

O meu Fado

Joana Mortágua, Deputada do BE

Frente Mar

A não perder
A segunda Conferência dos Oceanos da Organização das Nações Unidas vai reunir em Lisboa a comunidade internacional para um conjunto de debates sobre poluição marinha, conservação de ecossistemas ou pesca sustentável.

Luanda, cidade de cultura

Angola
A capital angolana é rica em espaços culturais, para além das maravilhosas praias, da deliciosa gastronomia, e da mítica alegria e hospitalidade do seu povo. Há inúmeras opções para preencher a agenda em Luanda. Tome nota de um roteiro que promete tornar os seus dias na cidade ainda mais cheios. E, se tiver tempo, dê um salto às províncias.

“Macau é um palco de emoções”

Macau
O cruzamento entre as culturas oriental e ocidental é o que distingue a cidade. A fusão traduz-se na arquitectura, oferta cultural, mas também na gastronomia e na língua. Além dos monumentos e outros pontos históricos, são vários os eventos que fazem da região um destino turístico.

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -