Quarta-feira, Março 3, 2021

Block title

Mota-Engil realiza acordo de parceria estratégica e de investimentos com a China Communications Construction Company

ano de 2020 foi um ano de grandes mudanças para a maior construtora portuguesa. A Mota-Engil informou o mercado que concluiu com a China Communications Construction Company (CCCC), um dos maiores grupos de infraestruturas do mundo, um acordo de parceria estratégica e de investimento. Este foi também um ano de crescimento para a empresa, nomeadamente nas operações internacionais, que iniciou 2021 com o seu segundo maior contrato de sempre através de um contrato de 570 milhões de dólares no Gana.

A construtora presidida por António Mota, considerado pela Caixa Geral de Depósitos e Semanário Expresso como o empresário do ano, está representada no Top 25 europeu e 100 Mundial, com 37 mil colaboradores dispersos por mais de 25 países.

O anúncio da parceria com a CCCC, cujos aspetos essenciais já tinham sido divulgados ao mercado em Agosto de 2020, implica um reforço importante na solidez da construtora nacional no ano em que vai cumprir 75 anos de atividade.

No âmbito do Acordo, a Mota Gestão e Participações SGPS, acionista da Mota-Engil, aceitou vender à CCCC 55 milhões de ações ao preço de €3,08 por ação. O acordo permite ainda ao novo parceiro subscrever uma participação relevante num aumento de capital social de até 100 milhões de novas ações que foi submetido a 7 de Janeiro a deliberação em Assembleia Geral.

No seguimento do aumento do capital social, a MGP passará a deter uma participação de cerca de 40% do capital social da Mota-Engil, reforçando o total empenho e alinhamento com a sua posição histórica no grupo construtor, enquanto que o novo acionista atingirá uma participação ligeiramente superior a 30%.

A nova estrutura acionista e o quadro desta parceria, que se baseia na avaliação do grupo nacional de cerca de 750 milhões de euros, vai reforçar as capacidades financeiras, técnicas e comerciais da construtora nacional, a fim de aumentar as suas atividades em todos os mercados e abrir novas oportunidades para novos desenvolvimentos.

Para já, a efetividade do Acordo está ainda dependente da verificação de várias condições precedentes, de índole legal e contratual, entre as quais se incluem a aprovação ou o consentimento por parte de diversas Entidade Públicas e a confirmação por parte da Comissão do Mercados de Valores Mobiliários (CMVM) de que o Acordo e as operações nele previstas não impõem para a CCCC a obrigação de lançamento de uma oferta pública de aquisição.

2020 foi um ano de sucesso comercial e diversificação geográfica dos negócios

O ano de 2020 foi também um ano de forte crescimento da construtora portuguesa nas várias geografias onde está presente e que significam uma importante diversificação do risco.

São vários os grandes negócios concluídos pela Mota-Engil.

No mercado africano, o contrato de Oil&Gas ganho em Moçambique (o primeiro contrato relevante num projeto que será o maior Investimento em Africa nos próximos anos e que tornará Moçambique num dos maiores produtores mundiais de gás até final da década). De referir que o Governo moçambicano estima um investimento global de 50 mil milhões de dólares para este grande projecto. A construtora ganhou uma parcela que representa 350 milhões de dólares. De salientar ainda o contrato de mineração na África do Sul no valor de 240 milhões de euros.

Foi também emblemático o contrato referente a um novo estádio de futebol na Costa do Marfim e a construção do maior mercado coberto da costa ocidental de África na Costa do Marfim. Estes projetos envolvem montantes de 84,4 milhões de euros e 43,8 milhões de euros.

Novo estádio de futebol na Costa do Marfim

Na América Latina, a Mota-Engil manteve o seu forte crescimento com algumas obras emblemáticas. Foi o caso do e do Tren Maya (o maior contrato de sempre do Grupo na América Latina no valor de 636 milhões de euros, celebrado em Abril). Também no México a construtora garantiu um contrato de concessão por 30 anos para a construção, operação, conservação e manutenção da autoestrada Tultepec-AIFA-Piramides. Esta autoestrada, além de ser uma importante via de ligação para a Cidade do México, ligando três autoestradas principais que acedem à cidade pelo Norte, será também um dos acessos ao novo Aeroporto Internacional Felipe Angeles. Esta concessão rodoviária de 27 km em que a Mota-Engil detém 100% de participação inclui 240 milhões de euros para o contrato de conceção e construção a cargo da MEM.

Na Colômbia, a construtora garantiu um contrato com um valor global de 270 milhões de euros para a construção de uma central de produção de energia para a Talasa ProjectCo SAS, sociedade veículo de capitais maioritariamente chineses, entre os quais da CCCC (China Communications Construction Company) e da CTG (China Three Gorges Corporation).

Polónia

Moçambique

Destaca-se ainda a assinatura de um contrato para a construção de um novo troço de 24km de uma estrada (Barranca Larga-Ventanilla) no México, no valor de cerca de 45 milhões de euros.

Também na Europa foram anunciados alguns novos projetos emblemáticos, nomeadamente através da participada Mota-Engil Central Europe (MECE), que celebrou um novo contrato na Polónia no valor de 72 milhões de euros para a execução do projeto e construção da via rápida S19 no nó Białystok Południe – Ploski, num projeto a que se apresentaram algumas das maiores empresas europeias, num total de nove empresas de diversas nacionalidades que estiveram a concurso. No troço de 13 quilómetros serão construídas em 36 meses duas faixas em cada direção, incluindo uma reserva para a terceira faixa, prevendo-se em contrato o desenvolvimento do projeto e consequente construção, a finalizar em 2024.

2021 arranca com o segundo maior contrato da história da empresa

O crescimento da empresa inicia em bom ritmo em 2021, com o anúncio da ajudicação do segundo maior contrato da história da Mota-Engil, que foi ganho pela subsidiária Mota-Engil Engenharia & Construção África, no Gana, no montante total de 570 milhões de dólares.

Os trabalhos adjudicados correspondem à conceção e construção (reabilitação e expansão) da Autoestrada Accra-Tema e extensões, num total de 27,7 Km, e decorrerão durante um período de 48 meses.

A adjudicação reforça uma vez mais a carteira de encomendas do grupo em África, em particular da região oeste do continente, através de um projeto de dimensão relevante e de prazo alargado, assegurando a estabilidade do contributo desta região para o volume de negócios da construtora.

Novo recorde na carteira de encomendas

No final de 2020, a Mota-Engil deverá fechar com uma carteira de encomendas de 6 mil milhões de euros, o máximo histórico do grupo. O mercado nacional, bem como os mercados internacionais onde a construtora está presente tiveram um forte crescimento ao longo do ano. Este será o melhor barómetro para assegurar o crescimento do grupo num ano de comemoração dos 75 anos.

Partilhe este artigo:

- Advertisement -

ÚLTIMA EDIÇÃO

Last edition

Artigos recentes

Recent articles

“Honne to Tatemae”

Sónia Ito, Arqueóloga e Professora

Game changer?

Cristina Ramos, Consultora em Comunicação

Paraguai: um País de oportunidades, um projeto de futuro

Ricardo Fortes da Costa, Diretor da RH Magazine
- Advertisement -

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -