Sexta-feira, Setembro 24, 2021

O Perfil do Novo Líder

Mariana Branquinho, Senior Client Partner for Korn Ferry in Portugal

Vivemos em tempos de grande incerteza, de enorme volatilidade e onde tudo acontece a um ritmo alucinante. Quando se falava no VUCA (Volatile, Uncertain, Complex e Ambiguous), há uns anos, longe estávamos de imaginar um contexto como o que vivemos em 2020. Sim, é um facto que a mudança é cada vez mais rápida, mas a verdade é que cada um de nós, nas diferentes dimensões da nossa vida, foi confrontado com a necessidade de se adaptar a uma realidade desconhecida, criando de um dia para outro novos hábitos, rotinas e formas de estar. As organizações e respetivas lideranças passaram exatamente pelo mesmo processo, onde a adaptação a todos os níveis foi, e ainda é, uma questão de sobrevivência.

A Korn Ferry sendo uma empresa que se dedica aos temas da liderança tem desenvolvido vários estudos sobre estas matérias para perceber o impacto efetivo deste novo mundo nas organizações, procurando dar resposta a questões como: Qual o estilo de liderança mais eficaz? Qual o perfil do líder de sucesso? Que características e competências são mais importantes? As respostas a estas questões não são fáceis de dar, mas é evidente e 2020 acentuou a conclusão, de que hoje é necessário um estilo de liderança diferente.

A forma como a maior parte das organizações, independentemente da sua dimensão e setor de atividade, público ou privado, lidaram com a situação gerada pelo Covid evidenciou alguns dos traços desse novo estilo de liderança: mais colaborativo, mais ágil, transparente, onde a segurança de cada colaborador passou a ser um tema prioritário. A Korn Ferry chama a este novo estilo de liderança, a liderança inclusiva e / ou líder inclusivo.

Um líder inclusivo é aquele que consegue estabelecer uma relação estreita com as suas equipas e com os seus colaboradores, criando um espaço de trabalho “seguro” onde o medo e a incerteza possam ser transformados em esperança e otimismo. É aquele que olha à individualidade de cada elemento da sua equipa, potenciando a contribuição de cada um, tirando partido dessa diversidade de pensamento ao mesmo tempo que promove uma abordagem muito mais colaborativa, como garante para tomar melhores decisões e assegurar a resolução dos problemas complexos.

Já se tem falado muito da diversidade, infelizmente muito centrada na diversidade do género, e das vantagens que a mesma pode trazer para uma organização, mas o que está claro é que a diversidade, seja ela qual for (género, geração, experiência, cultura, etc..) só por si não basta. De que adianta ter pessoas com diferentes pontos de vista e opiniões se depois não conseguem trabalhar em equipa e chegar a consensos que permitam avançar? Um líder (uma liderança) tem de ser capaz de potenciar essas diferenças de opinião / ideias / pontos de vista e traduzi-las em resultados / desempenho. Aí sim, teremos um líder inclusivo. Existem inúmeros estudos no mercado que comprovam o valor e as vantagens que este tipo de liderança pode trazer a diversos níveis, desde o processo de tomada de decisão, ao compromisso / ‘engagement’ dos colaboradores, inovação, produtividade, etc…

Na minha atividade profissional fazem-me com frequência a pergunta sobre quais a competências fundamentais, ou o que distingue um líder nos dias de hoje, ou ainda o que é que o mercado procura. Pois bem, o modelo desenvolvido pela Korn Ferry dá uma resposta a estas questões ao identificar as características individuais, as competências e as experiências que definem os líderes que hoje se querem inclusivos.

As características individuais estão relacionadas com a personalidade e valores de cada um, e são relevantes na medida que moldam os comportamentos, definindo a predisposição para aceitar e lidar com a diferença. Aquelas que, de acordo com o estudo da Korn Ferry, são mais comuns nos líderes inclusivos são: a autenticidade associada a uma certa humildade, sendo capaz de colocar o seu ego de lado para criar confiança; resiliência emocional, ou seja a capacidade de manter a postura quando confrontado com as dificuldades e adversidades causadas pela diferença; auto-confiança e otimismo; flexibilidade na medida em que se adapta à diferença e é capaz de tolerar a ambiguidade; e curiosidade demonstrando empatia e abertura à diferença.

Estas características só por si não são suficientes para assegurar uma liderança inclusiva, é também necessário ter as competências para o fazer. Neste ponto o estudo identifica as seguintes como sendo as mais importantes: ´builds interpersonal trust´ (honesto, procurando identificar pontos comuns ao mesmo tempo que valoriza perspetivas diferentes), integrates diverse perspectives (considera vários pontos de vista e necessidades, gerindo o conflito de forma eficaz), optimizes talent (capacidade de motivação e desenvolvimento de talento, promovendo a colaboração através das diferenças), applies an adaptive mindset (visão global, capaz de se adaptar as situações, inovando a partir das diferenças), achieves transformation (coragem para enfrentar situações difíceis, persuasão e obtém resultados).

A má notícia é que os líderes inclusivos são difíceis de encontrar, pelo que criar as condições para o respetivo desenvolvimento é importante. Apesar destas características e competências estarem muito relacionadas com a identidade e forma de ser de cada um, e por isso mais difíceis de desenvolver, a verdade é que o mesmo estudo da Korn Ferry concluiu que algumas experiências podem ajudar neste processo. Essas experiências são variadas e podem realizar-se em diferentes momentos da vida, e acima de tudo estão relacionadas com a exposição a diferentes culturas, geografias, contextos e ambientes. Falamos de situações como crescer e estudar num país diferente de onde se trabalha, fazer missões de voluntariado, estar num ambiente em que representa uma minoria, ter um ‘assignment’ como expatriado, etc..

No mundo em que hoje vivemos, que é cada vez mais global, onde a disrupção é contínua e materializa-se a uma velocidade estonteante, saber lidar de forma eficaz com a diferença torna-se crítico!

Bibliografia
(https://www.kornferry.com/insights/latest-news )
The 5 Disciplines of Inclusive Leaders, Korn Ferry
The Head and Heart Inclusive Leader, Korn Ferry

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

Tal&Qual: ponto final, parágrafo…

José Paulo Fernandes Fafe, Antigo jornalista, accionista maioritário da empresa proprietária do "Tal&Qual"

“Sem o esforço dos privados, o Estado Português não teria conseguido fazer frente à pandemia”

Em entrevista à PRÉMIO, José Germano de Sousa, patologista clínico e presidente do Centro de Medicina Laboratorial Germano de Sousa, falou-nos do seu percurso enquanto médico, passando pelo cargo de Bastonário e do crescimento da sua rede de laboratórios, que se posicionam em termos de análises na área da patologia clínica como o principal ‘player’ nacional do sector, sendo actualmente responsáveis por cerca de 15 a 16% dos testes Covid que se realizam em Portugal.

“Honne to Tatemae”

Sónia Ito, Arqueóloga e Professora

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -