Domingo, Fevereiro 25, 2024

Conseguimos colocar Portugal no mapa das empresas tecnológicas

Manuel Caldeira Cabral, Administrador na Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF)

O forte crescimento das empresas tecnológicas em Portugal, que aconteceu nos últimos seis anos, foi uma mudança estrutural determinante, que alterou o quadro das maiores empresas portuguesas, criou mais de 40 mil novos empregos e vai contribuir para acelerar o crescimento do país no pós-pandemia.

No meu livro, “Construir a Alternativa”, mostro que esta reforma estrutural resultou do mérito dos empreendedores portugueses e do talento que existia no país, mas também da implementação de um conjunto de políticas públicas coerentes, que incluíram: apoios ao empreendedorismo, como o Startup Voucher; incentivos fiscais (Semente, KEEP); medidas de dinamização do ecossistema, como a criação da rede nacional de incubadoras; um forte aumento do financiamento público do capital de risco, colocando mais de mil milhões de euros em fundos de coinvestimento; apoios à internacionalização a mais de 400 ‘startups’; vistos para atrair empreendedores (Startup Visa); um programa para valorizar a participação de ‘startups’ portuguesas na Websummit (Road to Websummit) e uma mobilização da AICEP e do Compete para a atração de centros de desenvolvimento tecnológico para Portugal.

Quando, em março 2016, eu e o João Vasconcelos, lançámos o programa Startup Portugal, apresentámos estas medidas e afirmámos que queríamos colocar Portugal como um dos países europeus com melhores condições para as ‘startups’ crescerem e se afirmarem globalmente.

Na altura, o programa foi recebido com algum ceticismo. Estas empresas eram demasiado pequenas para poderem ter um impacto no crescimento e no emprego. Portugal não ia passar, de um dia para o outro, a ser visto com um destino para áreas de alta tecnologia. De facto, em 2015, não havia nenhum unicórnio português e o valor das empresas tecnológicas portuguesas não chegava a 1% do PIB. Portugal não estava no mapa dos investidores internacionais.

Em seis anos, o quadro mudou completamente. Multiplicaram-se exemplos de investidores internacionais a fazer entradas de capital de 5, 10 ou mesmo 50 milhões de euros em ‘startups’ portuguesas. Dezenas de centros de desenvolvimento tecnológico vieram para Portugal, criando dezenas de milhar de empregos qualificados por todo o país. Lisboa surge hoje como a 6ª melhor cidade para fundar uma ‘startup’ na Europa e o Porto como a 18ª (Startup Heatmap Europe). O valor das empresas tecnológicas portuguesas já ultrapassou os 15% do PIB.

Portugal tem hoje cinco unicórnios. Se estivessem na bolsa nacional, três destas empresas, estariam entre as cinco com maior valor. Estas empresas são muito diferentes das tradicionais grandes empresas portuguesas: Estão em crescimento rápido, enquanto a maioria das grandes empresas tradicionais apresenta um crescimento lento, e atuam no mercado global, ao contrário das tradicionais que estão centradas no mercado nacional. Estes dois aspetos, significam que estas empresas deverão continuar a dar um contributo importante para reforçar e alterar o padrão de crescimento.

Esta foi uma reforma estrutural importante, que resultou de um conjunto integrado e coerente de medidas de política e do esforço de mobilização do ecossistema português e de atração de investidores internacionais, que responderam de uma forma fantástica.

Descrevo estas medidas e os resultados conseguidos no meu livro, em que abordo muitas outras áreas de política económica em que atuei, que incluíram políticas de reforço da digitalização e da inovação, com os programas Indústria 4.0 e Interface, de apoio à capitalização e incentivo ao investimento (Programa Capitalizar), de suporte à internacionalização (Programa Internacionalizar), e a atuação que desenvolvi nas áreas do Turismo e da Energia. O livro apresenta as reformas feitas por estas políticas e os seus resultados e discute a ações que são necessárias para reforçar o seu efeito no crescimento de Portugal no período pós-pandemia.

(Texto escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico)

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

Um país na flor da idade

Nos últimos 20 anos Angola sofreu inúmeras transformações, desde a mais simples até à mais complexa. Realizou quatro eleições legislativas, participou pela primeira vez numa fase final de um campeonato do mundo, realizou o CAN e colocou um satélite em órbita.

David Cameron

David Cameron foi Primeiro-Ministro do Reino Unido entre 2010 e 2016, liderando o primeiro Governo de coligação britânico em quase 70 anos e, nas eleições gerais de 2015, formando o primeiro Governo de maioria conservadora no Reino Unido em mais de duas décadas.

Cameron chegou ao poder em 2010, num momento de crise económica e com um desafio fiscal sem precedentes. Sob a sua liderança, a economia do Reino Unido transformou-se. O défice foi reduzido em mais de dois terços, foram criadas um milhão de empresas e um número recorde de postos de trabalho, tornando-se a Grã-Bretanha a economia avançada com o crescimento mais rápido do mundo.

Conferências com chancela CV&A

Ao longo de duas décadas, a CV&A tem vindo a promover conferências de relevo e interesse nacional, com a presença de diversos ex-chefes de Estado e de Governo e dirigentes políticos de influência mundial.

As idas e vindas da economia brasileira nos últimos 20 anos

Há 20 anos, o Brasil tinha pela primeira vez um presidente alinhado aos ideais da esquerda. Luiz Inácio Lula da Silva chegava ao poder como representante máximo do Partido dos Trabalhadores (PT).

Uma evolução notável e potencial ainda por concretizar

Moçambique há 20 anos, em 2003, era um país bem diferente do de hoje. A população pouco passava dos 19 milhões, hoje situa-se em 34 milhões, o que corresponde a um aumento relativo de praticamente 79%, uma explosão que, a manter-se esta tendência será, sem dúvida, um factor muito relevante a ter em consideração neste país.

O mundo por maus caminhos

Uma nova ordem geopolítica e económica está a ser escrita com a emergência da China como superpotência económica, militar e diplomática, ameaçando o estatuto dos EUA. Caminhamos para um mundo multipolar em que a busca pela autonomia estratégica está a alterar, para pior, as dinâmicas do comércio internacional. Nada será mais determinante para o destino do mundo nos próximos anos do que relação entre Pequim e Washington. A Europa arrisca-se a ser um mero espetador.

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -