Domingo, Fevereiro 25, 2024

Hit the ground running!

Cristina Ramos, Consultora em Comunicação  

“You can´t always get what you want, but if you try sometimes, you just might find, you get what you need” – Rolling Stones

We are on! Passado um ano da entrada na viagem mais disruptiva e perturbadora das últimas décadas, os EAU (Emirados Árabes Unidos) abriram não só ao turismo, mas também ao mundo empresarial!

O mês de Fevereiro de 2021 foi um regresso aos bons tempos de 2019, onde voltou a agitação, a Sheik Zayed Road parecia frenética, e a economia começou a dar sinais de retoma. O medo de parar fez com que o relógio não tivesse suspenso. A necessidade de andar em frente é sempre um ponto comum na população e nos líderes dos EAU.

Sheik Zayed Road, Dubai

O que é que persiste? As medidas preventivas, as máscaras, distância social, e, acima de tudo, o sentido cívico.

Ao olharmos atentamente pela janela da nossa viagem sentimos nos EAU uma energia e experiência imensamente diferente do que se está a viver no resto do globo. O investimento na população, na economia, nos seus cidadãos que vieram para este país com o objetivo único e claro de trabalhar e garantir o futuro, parece estar a ter um resultado positivo e à vista de todos.

Os factos são claros e transparentes: 65% da população (9,613 milhões) já se encontra vacinada (estando em segundo lugar depois de Israel), o sucesso da operação do satélite HOPE que entrou na órbita de Marte, há umas semanas atrás, as maiores feiras alimentares (Gulfood) e de defesa (IDEX) aconteceram e não foram virtuais, a Expo 2020 já abriu em modo ‘soft opening’ com o Pavilhão da sustentabilidade e outros sinais de retoma são reveladores de que a viagem se está a tornar mais confortável e, quem sabe, mais sustentável a longo prazo.

A IDEX é uma das maiores feiras de defesa no mundo e reuniu, pela primeira vez pós COVID, dezenas de milhares de especialistas, líderes e executivos, de mais de 80 países, e com uma afluência muito parecida com edições passadas. O resultado foi o anúncio de vários investimentos na ordem dos 5.7 mil milhões, que demonstra que o sector da defesa é parte da visão de diversificação estratégica dos EAU.

Na mesma semana, acontecia a Gulfood, a maior feira alimentar da região, que reuniu 2500 expositores de culinária e gastronomia. A feira contou, não só com 27 empresas portuguesas no Pavilhão de Portugal, mas também algumas marcas voando solo, como é o caso da Sugal, que tem sido presença assídua há já uns anos e que mantém o seu compromisso de aposta internacional.

Estes eventos sempre foram relevantes para a região, mas o facto de terem acontecido presencialmente, e de os organizadores terem conseguido fazer acontecer no início de 2021, com todas as medidas de segurança obrigatórias, é de facto um feito e um sinal de esperança para o mundo inteiro, que há muito quer voltar à normalidade do mundo físico.

Durante o último mês houve outros eventos e acontecimentos presenciais e virtuais relevantes no país, e muitos irão acontecer nos próximos meses e anos, porque a verdade é que a viagem não pode parar, independentemente dos ‘loopings’, e tem que ser cada vez mais preponderante e focada numa visão de continuidade e aposta numa estratégia diversificada. 

(Texto escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico)

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

Um país na flor da idade

Nos últimos 20 anos Angola sofreu inúmeras transformações, desde a mais simples até à mais complexa. Realizou quatro eleições legislativas, participou pela primeira vez numa fase final de um campeonato do mundo, realizou o CAN e colocou um satélite em órbita.

David Cameron

David Cameron foi Primeiro-Ministro do Reino Unido entre 2010 e 2016, liderando o primeiro Governo de coligação britânico em quase 70 anos e, nas eleições gerais de 2015, formando o primeiro Governo de maioria conservadora no Reino Unido em mais de duas décadas.

Cameron chegou ao poder em 2010, num momento de crise económica e com um desafio fiscal sem precedentes. Sob a sua liderança, a economia do Reino Unido transformou-se. O défice foi reduzido em mais de dois terços, foram criadas um milhão de empresas e um número recorde de postos de trabalho, tornando-se a Grã-Bretanha a economia avançada com o crescimento mais rápido do mundo.

Conferências com chancela CV&A

Ao longo de duas décadas, a CV&A tem vindo a promover conferências de relevo e interesse nacional, com a presença de diversos ex-chefes de Estado e de Governo e dirigentes políticos de influência mundial.

As idas e vindas da economia brasileira nos últimos 20 anos

Há 20 anos, o Brasil tinha pela primeira vez um presidente alinhado aos ideais da esquerda. Luiz Inácio Lula da Silva chegava ao poder como representante máximo do Partido dos Trabalhadores (PT).

Uma evolução notável e potencial ainda por concretizar

Moçambique há 20 anos, em 2003, era um país bem diferente do de hoje. A população pouco passava dos 19 milhões, hoje situa-se em 34 milhões, o que corresponde a um aumento relativo de praticamente 79%, uma explosão que, a manter-se esta tendência será, sem dúvida, um factor muito relevante a ter em consideração neste país.

O mundo por maus caminhos

Uma nova ordem geopolítica e económica está a ser escrita com a emergência da China como superpotência económica, militar e diplomática, ameaçando o estatuto dos EUA. Caminhamos para um mundo multipolar em que a busca pela autonomia estratégica está a alterar, para pior, as dinâmicas do comércio internacional. Nada será mais determinante para o destino do mundo nos próximos anos do que relação entre Pequim e Washington. A Europa arrisca-se a ser um mero espetador.

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -