Domingo, Fevereiro 25, 2024

“É preciso saltar do muro, assumir compromissos e gritá-los”

Fotos DR

Entrevista Sofia Duff Burnay, Chief Sustainability Officer da CV&A

Ana Valado

Dada a importância do ESG (Environmental, Social and Corporate Governance) nas organizações e atenta às mudanças no perfil dos consumidores e clientes, a CV&A está a adoptar boas práticas como parte do dia-a-dia. Sofia Duff Burnay, Chief Sustainability Officer da CV&A, fala-nos da importância da sustentabilidade no mundo corporativo e da recente adesão da consultora ao United Nations Global Compact Network Portugal e ao Business Council for Sustainable Development (BCSD-Portugal).

As práticas de ESG estão na agenda de praticamente todas as organizações, influenciando a tomada de decisões e comprometendo-as com questões ambientais, sociais e de governança. Na sua opinião qual a importância do ESG e como poderá contribuir para a longevidade das organizações e da sociedade?

As prioridades das empresas mudaram. Combater a crise climática tornou-se uma urgência e a forma como se relacionam com a comunidade e os mais variados ‘stakeholders’, sejam eles, colaboradores, clientes ou fornecedores, diz muito sobre essas mesmas empresas, sendo crucial para a sua reputação, captação de talento e de investimento. Se antes, as empresas se concentravam em medir indicadores de desempenho financeiro, hoje devem estar focadas em adoptar medidas que evidenciem o seu impacto no ambiente, nas comunidades, e em tópicos como a diversidade, igualdade e bem-estar dos colaboradores, pois são esses factores que pesam agora nas decisões dos investidores e consumidores. Uma estratégia sólida de ESG passou a ser a senha de acesso das empresas ao universo dos financiamentos. Apesar de o ESG não ser propriamente uma novidade, a verdade é que houve um despertar colectivo para este tema nos últimos 4/5 anos, que o tornam crítico para o sucesso das empresas no médio/longo prazo. Num mundo ideal as empresas devem conseguir fazer o ‘shift’ de ‘profit driven’, para ‘purpose driven’, e ainda assim terem ganhos.

Qual a importância dos pilares de ESG para a CV&A e como estão a ser aplicados?

A CV&A tem apoiado muitos dos seus clientes na adaptação a este contexto de mudança, aconselhando-os e orientando-os no seu próprio processo de transformação organizacional. Neste compromisso para com os nossos clientes, temos trabalhado para compreender as mudanças, analisar as expectativas dos ‘stakeholders’, antecipar desafios, criar oportunidades, e isso tem-nos permitido adquirir conhecimentos técnicos e práticos na área, que nos valorizam enquanto consultores. Mas, como os bons exemplos devem começar em casa, sentimos a necessidade de ‘walk the talk’, e também nós iniciarmos a nossa jornada ESG, trabalhando para promover um mundo melhor para os nossos colaboradores, clientes, parceiros e comunidade.

Como tem sido a jornada ESG da CV&A?

Antes demais é importante referir que esta é uma jornada contínua, sem um fim específico. Em vez de tentarmos fazer ‘all-in’ em todos os items relacionados com ESG, começámos por olhar para dentro, analisar o que já fazíamos, estruturar as nossas práticas e começar a nossa jornada a partir daí. Foi curioso que ao fazer este exercício, apercebemo-nos que já tínhamos começado a escrever a nossa história de ESG. Por exemplo, já encorajávamos os nossos colaboradores a utilizarem os transportes públicos, oferecendo-lhes o passe social; através da nossa política de teletrabalho tínhamos vindo a reduzir o desperdício e consumo de energia no nosso escritório; já promovíamos a separação de resíduos e a sua reciclagem. Temos também um histórico considerável de medidas de apoio à comunidade, desenvolvemos vários projectos ‘pro-bono’, apostamos na formação dos nossos colaboradores, entre outras práticas. Criámos, então, uma nova estrutura interna, para organizar de forma coerente tudo isto, assegurando que a nossa visão, propósito, valores e estratégia de negócio estão alinhados com a Agenda 2030 das Nações Unidas e com os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável. O que antes eram percepcionadas como iniciativas de boa vontade, passaram agora a ser de responsabilidade, de compromisso sério. De forma a “certificar” o nosso empenho nas pessoas, na comunidade e no planeta, assumimos um conjunto de compromissos nacionais e internacionais, normas e regulamentações que marcam este novo paradigma.

Quer referir-nos alguns desses compromissos?

Somos parte integrante do United Nations Global Compact Network Portugal e do Business Council for Sustainable Development. (BCSD-Portugal). Com sede em Lisboa, somos também uma empresa subscritora do “Compromisso Lisboa Acção Climática 2030”, e as nossas preocupações estendem-se aos nossos escritórios no Porto, onde somos igualmente signatários do “Pacto do Porto para o Clima”, assumindo o compromisso de reportar publicamente os nossos avanços ESG em altura própria. Orgulhamo-nos também de integrar a ‘task-force’ de ESG da H/Advisors, a maior rede internacional de agências de comunicação, à qual pertencemos.

NA ERA DA SUSTENTABILIDADE, MAS TAMBÉM DA VELOCIDADE DA INFORMAÇÃO, É EXTREMAMENTE IMPORTANTE QUE AS EMPRESAS COMUNIQUEM AS SUAS ESTRATÉGIAS E PRÁTICAS DE ESG, PARA SEREM VALORIZADAS E MAIS COMPETITIVAS.

Dão mais importância ao E, S ou G?

Do ponto de vista ambiental, tendo em conta a nossa área de actividade, não somos um grande emissor de emissões de gases com efeito de estufa (GHG) em comparação com outras indústrias. No entanto, não nos distanciamos da crescente necessidade de uma acção colectiva e, no que está ao nosso alcance, temos vindo a implementar medidas que possibilitem minimizar os impactos ambientais em toda a nossa empresa e cadeia de valor, e a promover a sensibilização, inspirando comportamentos responsáveis em resposta à crise climática. Os tópicos inseridos nos pilares Social e Governace, são sem dúvida aqueles que têm maior peso na nossa estratégia de ESG, com a forma como gerimos o relacionamento com os nossos colaboradores a ser determinante para o nosso sucesso. Na CV&A estamos comprometidos na promoção efectiva de valores como a diversidade, equidade e inclusão, pois acreditamos que só assim seremos capazes de reflectir o mundo em que vivemos. Apostamos também na realização do potencial dos nossos colaboradores e em condições de trabalho de excelência. Temos um forte compromisso com a comunidade, partilhando valor através de iniciativas de cidadania corporativa e regemo-nos por elevados padrões éticos, de integridade e de transparência.

Comunicar ou não ESG?

Na era da sustentabilidade, mas também da velocidade da informação, é extremamente importante que as empresas comuniquem as suas estratégias e práticas de ESG, para serem valorizadas e mais competitivas. Já não chega “ficar no muro”, é preciso saltar, isto é, assumir compromissos, e gritá-los enquanto se salta. Mas fazê-lo exige atrevimento, transparência, planeamento, responsabilidade, para evitar a associação ao ‘greenwashing’. E é aí que o papel da CV&A se assume como fundamental para os seus clientes – identificando pontos sensíveis, gerindo a reputação e transmitindo a mensagem a todos os ‘stakeholders’, sem ruídos. Na CV&A acreditamos que a comunicação deve ser a protagonista da transformação, assumindo uma posição estratégica, e é isso que nos propomos fazer no trabalho que desenvolvemos junto dos nossos clientes procurando, através da comunicação, incutir e influenciar a mudança com vista à criação de valor. 

“DE FORMA A “CERTIFICAR” O NOSSO EMPENHO NAS PESSOAS, NA COMUNIDADE E NO PLANETA, ASSUMIMOS UM CONJUNTO DE COMPROMISSOS NACIONAIS E INTERNACIONAIS, NORMAS E REGULAMENTAÇÕES QUE MARCAM ESTE NOVO PARADIGMA.”

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

Um país na flor da idade

Nos últimos 20 anos Angola sofreu inúmeras transformações, desde a mais simples até à mais complexa. Realizou quatro eleições legislativas, participou pela primeira vez numa fase final de um campeonato do mundo, realizou o CAN e colocou um satélite em órbita.

David Cameron

David Cameron foi Primeiro-Ministro do Reino Unido entre 2010 e 2016, liderando o primeiro Governo de coligação britânico em quase 70 anos e, nas eleições gerais de 2015, formando o primeiro Governo de maioria conservadora no Reino Unido em mais de duas décadas.

Cameron chegou ao poder em 2010, num momento de crise económica e com um desafio fiscal sem precedentes. Sob a sua liderança, a economia do Reino Unido transformou-se. O défice foi reduzido em mais de dois terços, foram criadas um milhão de empresas e um número recorde de postos de trabalho, tornando-se a Grã-Bretanha a economia avançada com o crescimento mais rápido do mundo.

Conferências com chancela CV&A

Ao longo de duas décadas, a CV&A tem vindo a promover conferências de relevo e interesse nacional, com a presença de diversos ex-chefes de Estado e de Governo e dirigentes políticos de influência mundial.

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -