Domingo, Agosto 1, 2021

Um brinde ao Vinho da Madeira

Ana Valado

O Vinho da Madeira é um dos ‘ex-libris’ da ilha portuguesa que lhe dá o nome desde 1450. Apreciado por personalidades históricas como Napoleão, Shakespeare e Churchill, este vinho tornou-se um símbolo de distinção e nobreza em todo o mundo.
A PRÉMIO foi conhecer uma das mais antigas e prestigiadas casas de produção e comercialização de Vinho da Madeira, a H&H.

Localizada em Câmara de Lobos, a poucos quilómetros do Funchal, encontramos a Henriques & Henriques (H&H), uma das mais antigas e prestigiadas casas de produção e comercialização de Vinho da Madeira.

Durante muitos anos a família Henriques foi a maior proprietária vinícola da ilha da Madeira, com as primeiras vinhas plantadas por ordem do Infante D. Henrique, no ano de 1425. A tradição familiar passou a empresa em 1850, fundada por João Gonçalo Henriques. Após a sua morte em 1912 foi criada uma sociedade entre os seus dois filhos, Francisco Eduardo e João Joaquim Henriques, com o nome pelo qual é conhecida até hoje, Henriques & Henriques.

Em 1938 o então accionista principal, João Joaquim Henriques, conhecido como “João de Belém”, abriu o capital à entrada de Alberto Jardim, Carlos Nunes Pereira e Peter Cossart.

Para além de produtora e exportadora, a H&H é caracterizada por ser a única detentora de vinhas próprias na região, o que permite a produção de uvas de extrema qualidade, nomeadamente a uva Verdelho, e também a Terrantez, que se destaca por ser uma uva sensibilíssima e pouco produtiva, porém um verdadeiro néctar dos deuses, quando transformada em Vinho Madeira.

Apesar de ter produção própria, a H&H necessita adquirir uvas a diversos viticultores com os quais mantém uma estreita relação desde há muitos anos.

Em Junho de 1992 foi feito um grande investimento na construção de novas instalações em Câmara de Lobos e um novo Centro de vinificação na Quinta Grande, permitindo à empresa os meios adequados para utilizar as mais recentes inovações tecnológicas, mantendo ao mesmo tempo a tradição familiar, e onde em 1995 foi plantado um novo vinhedo. Este vinhedo, com cerca de 10 hectares de área, constitui o maior vinhedo contínuo da ilha, sendo ainda o primeiro na Madeira a ser mecanizado.

Em 2010 a multinacional francesa de espirituosos La Martiniquaise, que igualmente detém a Gran Cruz (o gigante do Vinho do Porto) e a Justino’s (o maior produtor de Vinho Madeira), tornou-se sócia maioritária da H&H, passando a controlar cerca de 70% da produção total do Vinho da Madeira, mantendo Humberto Jardim como CEO, formado em gestão de empresas e na H&H há quase 27 anos.

Foi precisamente Humberto Jardim, desde 2008 o principal guardião da casa, que nos deu a conhecer a Henriques & Henriques, sublinhando que apesar da entrada no capital da multinacional francesa, “a H&H mantém bastante autonomia e preserva um posicionamento próprio, procurando no grupo a alavanca para a expansão e crescimento a nível interno, através de investimentos no aumento de capacidade, no reajustamento e modernização de técnicas, no aproveitamento de sinergias com significativa racionalização de custos e também na intervenção profissionalizada nas propriedades vitícolas da empresa, tendo conferido uma outra dimensão e reconhecimento externo à H&H.”

Os vinhos da H&H são reconhecidos mundialmente como Madeiras clássicos e de grande qualidade. Além da extensa gama de vinhos de produção, a empresa dispõe de alguns vinhos velhíssimos de qualidade ímpar, muito requisitados por coleccionadores do mundo inteiro.

Conforme explica Humberto Jardim, “em anos ditos normais, 80% da nossa produção é para exportação. Acrescentando que: “Embora o Vinho Madeira esteja em quase todo o mundo, os países europeus que tradicionalmente importam Madeira são a Inglaterra, a França, a Alemanha, a Dinamarca, a Suécia, Bélgica e Holanda, fora da Europa, os Estados Unidos, o Canadá, o Japão e, mais recentemente, a China”.

A H&H produz e comercializa Vinho Madeira sob diversas categorias, desde os de entrada de gama, com apenas 3 anos de envelhecimento, passando por diversas outras designadamente os de 5, 10, 15, 20 e 50 anos. “Produzimos vinhos de diferentes castas autorizadas para o Vinho da Madeira como a Malvasia, o Boal, o Verdelho, o Sercial e o Terrantez, vinhos com data de colheita, outros como Reservas velhas ou velhíssimas”, refere o anfitrião. Acrescentando que: “a casta mais disseminada é a Tinta Negra da qual se produz cerca de 85% do Vinho da Madeira. As castas acima referidas, brancas, representam os cerca de 15% da produção”.

A H&H possui duas adegas. Uma localizada em Câmara de Lobos, que oferece provas de vinhos na loja e visitas guiadas ao centro de envelhecimento. A outra, de produção e vinificação, na Quinta Grande, possibilita igualmente visitas guiadas às instalações e vinhedo, permitindo ainda a organização de almoços a grupos de incentivos e “wine lovers”.

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

“Sem o esforço dos privados, o Estado Português não teria conseguido fazer frente à pandemia”

Em entrevista à PRÉMIO, José Germano de Sousa, patologista clínico e presidente do Centro de Medicina Laboratorial Germano de Sousa, falou-nos do seu percurso enquanto médico, passando pelo cargo de Bastonário e do crescimento da sua rede de laboratórios, que se posicionam em termos de análises na área da patologia clínica como o principal ‘player’ nacional do sector, sendo actualmente responsáveis por cerca de 15 a 16% dos testes Covid que se realizam em Portugal.

“Honne to Tatemae”

Sónia Ito, Arqueóloga e Professora

A Corporate Governance no novo mundo multi-stakeholder: realidades e desafios

António Gomes Mota, Professor Catedrático da ISCTE Business School

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -