Sábado, Dezembro 4, 2021

O turismo na Europa durante a pandemia

Larissa Göldner

O Verão de 2021 trouxe algum ânimo ao sector do turismo. A vacinação em massa foi essencial para impulsionar o “sentimento” viagem, com muitos turistas europeus a quererem voltar a viajar depois de terem sido vacinados contra a Covid-19. No entanto, as taxas de vacinação desiguais levaram a uma recuperação desequilibrada em toda Europa.

Verão é sinónimo de férias em família, festivais, praias de areia branca, noites quentes, banhos de mar, surf e sol.

No segundo ano da pandemia, chega a esperança do início de uma retoma e do levantamento de algumas das restrições impostas pelo surto pandémico Covid-19, ainda que com cautela.

A procura de viagens na Europa permaneceu fraca no início de 2021, uma vez que as chegadas dos turistas internacionais caíram 83% no primeiro trimestre do ano, em comparação com o mesmo período de 2020 [1]. A redução gradual das restrições, o aumento da vacinação na Europa e a reabertura da União Europeia (UE) para viajantes totalmente vacinados de países terceiros proporcionaram algum impulso antes dos meses de pico do Verão.

A vacinação em massa foi essencial para impulsionar o “sentimento” viagem, com 54% dos europeus inquiridos e quererem reservar uma viagem depois de terem sido vacinados contra a Covid-19 [2]. Este “sentimento” está de acordo com uma pesquisa recente da UE, que mostra que 75% dos entrevistados acreditam que as vacinas Covid-19 são a única maneira de acabar com a pandemia e 49% concordam que a administração da vacina é muito importante para permitir o regresso às viagens [3]. No entanto, as taxas de vacinação desiguais levaram a uma recuperação desequilibrada em toda Europa. Uma situação diferente do Verão de 2020, quando poucos ousavam viajar para fora das suas fronteiras. Hoje com o mandatário certificado de vacinação digital – 14 dias após a dose final da vacina, uma recuperação de Covid ou um teste negativo feito em 72 horas – os turistas voltam a viajar para os seus destinos europeus preferidos, fazendo com que o turismo volte a crescer.

Turistas da Austrália, Canadá, Nova Zelândia e Singapura, entre outros, puderam viajar para vários países europeus. Por vários meses, os cidadãos norte-americanos puderam viajar para a Europa, mas muitos países impuseram regras de entrada rígidas em Setembro. Enquanto isso, as autoridades dos EUA anunciaram que visitantes totalmente vacinados da UE e do Reino Unido terão permissão para voltar ao país a partir de Novembro.

Em toda a Europa, muitos países suspenderam o confinamento e diminuíram os requisitos de viagem e entrada. Contudo, enquanto em uns países as medidas estão a ser aliviadas, noutros as regras de entrada estão a ficar mais rígidas novamente devido ao aumento da variante Delta e ao consequente aumento do número de casos.

Definida por mudanças rápidas e profundas (e talvez permanentes) nos hábitos de consumo, acompanhadas de novas regulamentações e medidas locais, a situação em cada país mudou no decorrer do Verão, o que significou que turistas, operadores de turismo, hotéis e restaurantes tivessem que permanecer altamente flexíveis.

Desde as belas costas como a Caldera na Grécia, Amalfi em Itália, Ibiza e Maiorca em Espanha, ou destinos culturais e clássicos como o Museu do Louvre em França ou o Portão de Brandemburgo na Alemanha, a Europa é um destino muito diversificado que não pode deixar de ser visitado.

Na Grécia, o país abriu as fronteiras em meados de Abril para as pessoas vacinadas, com o objectivo de iniciar a temporada turística antes de concorrentes como Espanha ou França. O Verão de 2020 viu uma queda de 78% no turismo de um recorde de 34 milhões de chegadas de turistas em 2019 – um desastre para a economia já em dificuldades no país, na qual o turismo é responsável por 20%.

Milhões de trabalhadores dependem dos rendimentos do Verão para sobreviver ao Inverno.

Mykonos é a ilha cosmopolita mais famosa da Grécia, localizada no coração das Cíclades, e é intitulada como a “ilha dos ventos”, devido aos ventos fortes que costumam soprar na ilha durante todo o ano. Um paraíso para os amantes da natureza ou da vida noturna. Turistas de todo o mundo vêm a Mykonos pela sua incrível atmosfera, pelas suas lendárias casas noturnas, mas também pelo clima, praias, atividades aquáticas e ainda pela famosa culinária mediterrânea, mariscos e cultura gastronómica mezze.

O país foi aplaudido pela sua recuperação turística, depois de receber mais de seis milhões de turistas durante o Verão. De acordo com o Ministro do Turismo grego, Haris Theocaris, a Grécia tem sido um destino de eleição até mesmo para os franceses, com 450.000 chegadas, que geralmente passam férias no próprio país.

Espanha foi um dos países europeus gravemente afectados e, desde o início da pandemia, o país registrou um grande número de casos e mortes.

Depois de ter um dos confinamento mais rigorosos na Primavera de 2020, Espanha reabriu para o Verão no mesmo ano. Ainda assim, em Novembro passado entrou em estado de emergência mais uma vez, ficando o país em confinamento até 9 de Maio de 2021.

Espanha recebeu cerca de cinco milhões de passageiros internacionais em Agosto de 2021, registrando um aumento de 172% em relação ao mesmo mês do ano passado. Um dos destinos favoritos dos turistas é Ibiza, uma ilha do arquipélago e comunidade autónoma das Ilhas Baleares, localizada a leste de Espanha e com a sua maior cidade com o mesmo nome da Ilha. De acordo com o Instituto Espanhol de Estatística (INE), o número de viajantes franceses representou 19,9% de todas as chegadas, seguido pelos alemães (64,5%), com 707.331 visitas até Julho e viajantes britânicos, que registraram 46,5% de aumento em relação ao ano passado. 

[1] WORLD TOURISM ORGANISATION, THE UNITED NATIONS (UNWTO)
[2] “MONITORING FEELINGS FOR DOMESTIC AND INTRA-EUROPEAN TRAVEL – WAVE 7”
[3] EUROBAROMETER FLASH 494 – ATTITUDES TOWARDS VACCINATION AGAINST COVID-19

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

“Sem o esforço dos privados, o Estado Português não teria conseguido fazer frente à pandemia”

Em entrevista à PRÉMIO, José Germano de Sousa, patologista clínico e presidente do Centro de Medicina Laboratorial Germano de Sousa, falou-nos do seu percurso enquanto médico, passando pelo cargo de Bastonário e do crescimento da sua rede de laboratórios, que se posicionam em termos de análises na área da patologia clínica como o principal ‘player’ nacional do sector, sendo actualmente responsáveis por cerca de 15 a 16% dos testes Covid que se realizam em Portugal.

Tal&Qual: ponto final, parágrafo…

José Paulo Fernandes Fafe, Antigo jornalista, accionista maioritário da empresa proprietária do "Tal&Qual"

“Honne to Tatemae”

Sónia Ito, Arqueóloga e Professora

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -