Sábado, Dezembro 4, 2021

Girl MOVE Academy distinguida pela UNESCO

Ana Valado

Um prémio pelo trabalho e metodologia desenvolvidos na educação de raparigas e mulheres moçambicanas. Um movimento transformador que junta jovens mulheres de diferentes idades e em distintas fases de desenvolvimento para se inspirarem, apoiarem e transformarem mutuamente.

Amplificar o talento feminino, promovendo uma nova geração de jovens mulheres líderes e agentes de mudança a gerar transformação sustentável. Esta é a missão da Girl MOVE, a primeira organização portuguesa a ser distinguida com o Prémio da UNESCO – para a Educação de Raparigas e Mulheres 2021, reconhecendo o valor e o trabalho desenvolvido em Moçambique.

O objectivo desta Academia de Liderança é alterar o contexto social existente com a criação de novos modelos de referência e desta forma contribuir para uma sociedade mais equitativa e com mais oportunidades para as mulheres, amplificando o seu talento, promovendo a igualdade de género e gerando transformação sustentável.

Em termos globais, em diversos sectores, são cada vez mais os exemplos de mulheres de referência a assumir cargos de liderança. Mas é preciso ir mais além, falar mais sobre o tema, passar da teoria à prática e implementar medidas que mudem o panorama da representatividade e equidade. É aqui a o Girl MOVE tem um papel preponderante, através dos seus vários programas e promovendo o empreendedorismo, a liderança e a mentoria entre as mulheres, empoderando jovens mulheres para que se tornem a nova geração de ‘changemakers’, através de um modelo de mentoria que vê cada jovem mulher como uma “mana” para mudar o mundo.

O prémio UNESCO reconhece internacionalmente a metodologia da Girl MOVE como inovadora e eficaz, que através de círculos de mentoria intergeracionais potenciam o talento e liderança feminina. Um movimento transformador que junta jovens mulheres de diferentes idades e em distintas fases de desenvolvimento para se inspirarem, apoiarem e transformarem mutuamente.

“A atribuição do Prémio da UNESCO é o reconhecimento que estamos a trabalhar no caminho certo, criando impacto e transformação real na sociedade. Activar o talento e a liderança desta nova geração, torna-nos parte de uma missão maior de transformar Moçambique, África e a humanidade num lugar melhor e mais sustentável”, refere Alexandra Machado, CEO e co-fundadora da Girl MOVE.

Em Moçambique cerca de 45% das raparigas casam ou engravidam antes dos 18 anos, 31% transitam para o ensino secundário e apenas 2% completam a universidade. Com a sua intervenção, desde 2014, a Girl MOVE tem vindo a inverter esta realidade e já contribuiu para transformar a vida de milhares raparigas e jovens mulheres em Moçambique. Depois da frequência na Academia, cerca de 100% das jovens licenciadas, que passaram pelo programa em menos de 3 meses, conseguiram ingressar numa carreira de impacto, e 90% das raparigas adolescentes transitaram para a escola secundária (vs 30% de acordo com dados nacionais).

A trabalhar em estreita colaboração com várias empresas portuguesas, esta academia já formou milhares de raparigas e mulheres moçambicanas, que hoje estão prontas para mudar a sua realidade e qualidade de vida e assumir uma posição de destaque no mundo onde estão inseridas. 

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

“Sem o esforço dos privados, o Estado Português não teria conseguido fazer frente à pandemia”

Em entrevista à PRÉMIO, José Germano de Sousa, patologista clínico e presidente do Centro de Medicina Laboratorial Germano de Sousa, falou-nos do seu percurso enquanto médico, passando pelo cargo de Bastonário e do crescimento da sua rede de laboratórios, que se posicionam em termos de análises na área da patologia clínica como o principal ‘player’ nacional do sector, sendo actualmente responsáveis por cerca de 15 a 16% dos testes Covid que se realizam em Portugal.

Tal&Qual: ponto final, parágrafo…

José Paulo Fernandes Fafe, Antigo jornalista, accionista maioritário da empresa proprietária do "Tal&Qual"

“Honne to Tatemae”

Sónia Ito, Arqueóloga e Professora

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -