Sexta-feira, Setembro 24, 2021

STCP – Sociedade de Transportes Colectivos do Porto

Ana Valado

A PRÉMIO questionou algumas empresas do norte do país envolvidas na temática da Mobilidade Eléctrica e que estão a contribuir em grande medida para o desenvolvimento de cidades eficientes.

Manuel Queiró
Presidente do Conselho de Administração

A Invicta foi a primeira cidade da Península Ibérica a ter o primeiro carro eléctrico em 1895, causando à época uma revolução no conceito de transportes públicos. Como justifica que após um ciclo de 125 anos o transporte eléctrico volta a estar na ordem do dia?

Um dos principais compromissos da STCP é a adopção de soluções tecnologicamente eficientes que promovam impactos positivos, sociais e ambientais, nas comunidades que servimos. Foi assim quando fomos os primeiros em Portugal a introduzir a energia eléctrica para mover os carros sobre carris há 125 anos ou quando apostámos no Gás Natural há 21 anos. Nesse sentido, e com o conhecimento que hoje todos temos sobre o impacto dos transportes nas alterações climáticas, julgo não surpreender a aposta da STCP numa frota cada vez mais sustentável, onde se enquadram os autocarros eléctricos, agora parte do dia-a-dia dos nossos passageiros.

É curioso verificar que, passados 125 anos, a STCP ainda mantém três linhas de carros eléctricos históricos em operação diária, agora a par com uma frota de autocarros eléctricos.

Qual o investimento da STCP na área da mobilidade eléctrica para 2021?

Em 2021, e com cofinanciamento do POSEUR II, a STCP vai continuar a sua renovação de frota recebendo mais 86 autocarros, entre os quais 5 elétricos, que se vão juntar às 188 viaturas adquiridas entre 2018 e 2020 e finalizando um investimento global de 70,1 M€. Estamos realmente a diminuir a nossa pegada ecológica.

Como a STCP está a contribuir para esta mudança de paradigma na mobilidade urbana?

Esta mudança de paradigma deve partir da iniciativa de cada ‘player’, mas terá forçosamente que passar por um conjunto de medidas que todos os intervenientes da cidade assumam.

Com isto, a STCP, sempre apoiada pelos seus accionistas, tem vindo a implementar medidas que visam tornar o futuro mais sustentável, tendo sido constantemente pioneira na modernização da sua operação.

A proposta de valor da STCP é, e será, procurar melhores formas de unir destinos, através de uma mobilidade mais verde, sempre com foco nas pessoas, na cidade e no ambiente.

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

Tal&Qual: ponto final, parágrafo…

José Paulo Fernandes Fafe, Antigo jornalista, accionista maioritário da empresa proprietária do "Tal&Qual"

“Sem o esforço dos privados, o Estado Português não teria conseguido fazer frente à pandemia”

Em entrevista à PRÉMIO, José Germano de Sousa, patologista clínico e presidente do Centro de Medicina Laboratorial Germano de Sousa, falou-nos do seu percurso enquanto médico, passando pelo cargo de Bastonário e do crescimento da sua rede de laboratórios, que se posicionam em termos de análises na área da patologia clínica como o principal ‘player’ nacional do sector, sendo actualmente responsáveis por cerca de 15 a 16% dos testes Covid que se realizam em Portugal.

“Honne to Tatemae”

Sónia Ito, Arqueóloga e Professora

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -