Sexta-feira, Julho 1, 2022

Resiliência, inovação e ambição: o Mercado de capitais e as empresas

Pedro Wilton, Senior Account Manager, Euronext Lisbon

Nada como novas circunstâncias para mostrar como o ser humano e as empresas superam as adversidades. E nada como o mercado de capitais para demonstrar como é possível transformar desafios em oportunidades.

Em primeiro lugar, com RESILIÊNCIA.

Em Março de 2020 as Bolsas mergulharam num curto período de forte volatilidade e de fortíssima liquidez. A reação de todos os agentes, nomeadamente os governos, veio rapidamente conter receios e procurar um paulatino regresso à normalidade.

Muito se falou, há um ano, sobre o fecho dos mercados para colmatar o pânico. No entanto, os factos demonstraram que a evolução da situação tornou desnecessária essa opção extrema: as Bolsas têm mecanismos de segurança para lidar com períodos de turbulência, capazes de circundar os proverbiais cabos das tormentas.

E embora algumas empresas cotadas ainda defrontem desafios sobre o seu futuro, e o desempenho dos vários setores seja desigual neste contexto, de um modo geral as empresas cotadas mostraram capacidade de adaptação e de sobrevivência. Aliás, muitas financiaram-se assim que as bolsas estabilizaram, ainda durante 2020, seja por via de aumentos de capital, seja por refinanciamento de dívida, com destaque para o forte crescimento de dívida sustentável.

Em segundo lugar, com INOVAÇÃO.

O fecho de fronteiras e o distanciamento social, em geral, não inibiu as empresas que buscavam o mercado de capitais como opção estratégica. E se antes as Ofertas Públicas Iniciais – IPOs (Initial Public Offer) em inglês, no original – incluíam ‘roadshows’ onde as equipas de gestão e ‘advisors’ viajavam pelo mundo fora para visitar investidores, em 2020 esses ‘roadshows’ passaram a ser feitos por videochamada. O que se prescindiu em convivialidade ganhou-se em diversidade: em vez de meia dúzia de cidades e de investidores, passou a ser usual falar com dezenas de investidores em todos os fusos horários. A capacidade de organização e adaptação, mais uma vez, foram fulcrais. Exemplo emblemático desta tendência foi a admissão da Pexip em abril de 2020 – curiosamente ela própria uma prestadora de videoconferências, especialmente preparada para esta evolução – que organizou um IPO exclusivamente virtual e com grande sucesso.

Ainda na inovação, destaca-se também a capacidade das empresas se adaptarem à realidade no tempo de execução: onde antes uma operação demoraria semanas, passou a ser possível e crucial executá-la em poucos dias para minimizar riscos e aproveitar oportunidades. Como exemplo, veja-se o IPO da JDE Peet, empresa holandesa de distribuição de cafés e chás, que concluiu o seu IPO em apenas 3 dias – ao invés das usuais 2 a 3 semanas.

Em terceiro lugar, a AMBIÇÃO.

Não esmoreceu e continua viva na cabeça e no coração da classe empresarial. O mundo está hoje simultaneamente mais longínquo (com o afastamento social e geográfico) mas também mais próximo (à distância de um clique e de um écran), potenciando acesso rápido e simples a novos mercados e oportunidades, e alimentando anseios de crescimento e de liderança.

Nos mercados de capitais, esta ambição foi visível no número e diversidade de empresas que trilharam o caminho da admissão em Bolsa. Os exemplos são muitos, e os testemunhos dos CEOs são muitas vezes coincidentes na mensagem: queremos crescer, queremos singrar de forma independente, queremos sobressair dos demais. E, dizem vários, a Bolsa está cá para apoiar a nossa ambição, dos nossos acionistas e dos nossos colaboradores.

Em janeiro de 2021 a Euronext lançou a 6ª edição do TechShare, programa dedicado a empresas tecnológicas que ponderam o mercado de capitais como opção estratégica de crescimento. As 10 empresas desta edição – o número mais elevado em Portugal desde o início do programa – são um excelente e variado exemplo do que referi: histórias de resiliência, de inovação e de ambição à procura de apoio e de oportunidade. Estou certo de que a Cunha Vaz e Associados, parceira da Euronext neste programa, será um parceiro valioso na reflexão destas empresas sobre o seu futuro. E espero encontrá-las em breve a tocar o simbólico sino da Bolsa de Lisboa! 

(Texto escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico)

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

Momo. O museu na Lousã onde o circo deixou de ser itinerante para afirmar a sua história

Circo
Nos arredores da vila da Lousã, na antiga escola primária da Foz do Arouce, nasceu, em 2019, o Momo. Este museu do circo é o concretizar do sonho de um palhaço alemão, que se apaixonou por aquela região, e que, ao lado de uma atriz portuguesa, criou um espaço de vida e memória que procura dignificar as artes circenses – um património, para Detlef Schaff e Eva Cabral, muitas vezes, marginalizado. Palhaços, ilusionistas, malabaristas… aqui só não se recordam “os homens cinzentos.”

“O contacto com os artistas enriquece-me”

Fernando Figueiredo Ribeiro
Na passada década, aquilo que começou com um encanto inesperado saiu da esfera privada para dar origem à Colecção Figueiredo Ribeiro. São cerca de 2800 obras, representativas dos últimos 50 anos, que encontraram olhar público no Quartel da Arte Contemporânea de Abrantes.

O meu Fado

Joana Mortágua, Deputada do BE

Frente Mar

A não perder
A segunda Conferência dos Oceanos da Organização das Nações Unidas vai reunir em Lisboa a comunidade internacional para um conjunto de debates sobre poluição marinha, conservação de ecossistemas ou pesca sustentável.

Luanda, cidade de cultura

Angola
A capital angolana é rica em espaços culturais, para além das maravilhosas praias, da deliciosa gastronomia, e da mítica alegria e hospitalidade do seu povo. Há inúmeras opções para preencher a agenda em Luanda. Tome nota de um roteiro que promete tornar os seus dias na cidade ainda mais cheios. E, se tiver tempo, dê um salto às províncias.

“Macau é um palco de emoções”

Macau
O cruzamento entre as culturas oriental e ocidental é o que distingue a cidade. A fusão traduz-se na arquitectura, oferta cultural, mas também na gastronomia e na língua. Além dos monumentos e outros pontos históricos, são vários os eventos que fazem da região um destino turístico.

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -