Segunda-feira, Maio 10, 2021

Portugal, um hino à diversidade

Revista de Vinhos

Quem diria que um país com a dimensão geográfica de Portugal poderia ter tantos ‘terroirs’ para elaboração de grandes vinhos. Uma multiplicidade de solos e de exposições solares, de perfis marítimos e continentais, de desafios como a viticultura de montanha ou o combinar de centenas de castas autóctones. O mundo está a descobri-los e o leitor, já iniciou verdadeiramente essa descoberta?

A Revista de Vinhos é a publicação especializada de referência em Portugal, que recentemente elegeu “Os Melhores do Ano 2020” no vinho e na gastronomia. Aqui, partilha um artigo que sublinha alguns dos maiores atributos que Portugal tem no setor do vinho, sem esquecer uma seleção de dez propostas verdadeiramente irresistíveis.

Durante anos fomos ouvindo que estaríamos no “top mind” da crítica mundial, que não tardaria até sermos descobertos. Que diabo, logo nós, a mais antiga nação europeia, onde a cultura da vinha e do vinho é ainda mais ancestral, em fila de espera…

A verdade é que o tempo de Portugal no mundo do vinho parece ter finalmente chegado. Os maiores especialistas internacionais tecem rasgados elogios aos nossos vinhos e quem acompanha de perto os projetos de referência e vê surgir novos protagonistas percebe que esta espécie de revolução positiva é diária, permanente, sem retrocesso possível.

A aventurança de uma nova geração de viticultores e de enólogos, que surgiu em força em meados dos anos 90 e primeiros anos de 2000, foi decisiva para este impulso. Para lá do conhecimento, essa geração viajou e experimentou outras realidades, participou frequentemente em vindimas, ora nalgumas das mais longínquas ora nalgumas das mais famosas regiões do mundo. A cada regresso, aportou algo de novo.

Seguiu-se uma nova geração, com igual brilhantismo mas uma necessidade suplementar de experimentar, muitas vezes resgatando as formas de fazer do passado para mostrar o que poderá ser o presente ou até mesmo o futuro. Desse diálogo permanente, processo contínuo de tentativo/erro, tem nascido uma energia acrescida para o vinho português, que hoje vai incrivelmente mais longe e mais robusto dar-se a conhecer ao mundo.

Temos grandes fortificados (Vinho do Porto, Vinho Madeira, Moscatel e Carcavelos), mas também grandes vinhos espumantes brancos e tintos. Temos uma coleção de mais de 250 castas autóctones que representam um verdadeiro hino à diversidade, tal como temos também regiões atlânticas e outras, de perfil continental e mediterrânico. Temos viticultura de montanha e de precisão, vinhos de talha e adegas de autor, vinhos de apelo imediato e muitos outros, com uma notável capacidade de guarda – aliás, poucos países produtores podem orgulhar-se de ter vinhos que tão bem conseguem evoluir ao longo do tempo. E temos, acima de tudo, um setor incrivelmente dinâmico e apostado em propalar a qualidade do que fazemos pelos diferentes mercados externos.

Os diretores da Essência do Vinho, Nuno Botelho e Nuno Pires, com os vencedores do “Prémio Homenagem” da Revista de Vinhos – António e Roberto Guedes, da Aveleda.

Num ano muito difícil como 2020, as exportações portuguesas de vinhos cresceram 5,3% em volume (3,2 MhL) e 3,2% em valor (846 milhões de euros). Os mercados terceiros (onde agora se inclui o Reino Unido) registaram subidas de 23,6% em volume, 25,5% em valor e 1,5% no preço médio por litro. As exportações para os mercados extracomunitários tiveram desempenhos positivos, muito em particular no Brasil, com aumentos em volume (26,5%) e valor (23,5%). A meta dos mil milhões de euros em exportações em 2023/2024 mantém-se.

A curto prazo, com o previsível regresso a uma certa normalidade, estes números certamente acentuarão a curva positiva de crescimento, até porque a projeção internacional de Portugal também beneficia o vinho e vice-versa.

Em Portugal, a Revista de Vinhos continua a detalhar mensalmente a evolução de setor, partilhando com os leitores novidades, provas verticais, reportagens, entrevistas, harmonizações enogastronómicas. No Brasil, a revista GULA regressou às bancas, devolvendo um palco ao vinho e à gastronomia. Diariamente, nas nossas redes sociais e portais de informação, toda a atualidade é partilhada com os nossos seguidores. Títulos detidos pela Essência do Vinho que, com a Revista de Vinhos e a GULA, se afirma o principal grupo especializado em comunicação e divulgação de vinho e enogastronomia de língua portuguesa.

10 Vinhos de Excelência

Recentememe, no âmbito da atribuição de prémios aos “Melhores do Ano 2020” no vinho e na gastronomia, a Revista de Vinhos elegeu o “TOP 30 Excelência”, uma seleção restrita de alguns dos grandes vinhos portugueses da atualidade, que culminou mais um intenso ano de provas de milhares de referências. A seguir, uma eclética triagem de 10 desses vinhos, representantes de primeira grandeza de diferentes regiões e de uma ainda maior multiplicidade de estilos e de abordagens.

BARBEITO VERDELHO
50 ANOS – ANIVERSÁRIO

Vinho Madeira | Fortificado | 560,00 €
Produtor: Barbeito Vinhos
Enologia: Nuno Duarte e Ricardo Diogo Freitas

O nariz desvenda aromas pungentes de caramelo, iodo e muitos tostados, acompanhado por gengibre, marmelada e leves insinuações citrinas que refrescam o conjunto. Firme e intenso, jovem e irreverente, fresquíssimo e espirituoso, é ainda um jovem que ganhará com o tempo. O final é impróprio para cardíacos… Interminável!

CASA DA PASSARELLA
VINDIMA 2009

Dão | Tinto | 195,00€
Produtor: O Abrigo da Passarella
Enólogo: Paulo Nunes

Mostra notas de tinta da china, resina de pinheiro, caruma, fruto de bosque, piso florestal. Complementos balsâmicos e carnudos. Tanino delicado e muito fresco, estrutura acentuadamente mineral, volume fino e que se revela por camadas, final longevo. Não por acaso foi eleito “Vinho do Ano 2020” pela Revista de Vinhos.

CHÃO DOS EREMITAS TINTA
CARVALHA VINHAS VELHAS 2018

Regional Alentejano | Tinto | 35,00€
Produtor: Fita Preta Vinhos
Enologia: António Maçanita e Sandra Sárria

De cor ligeira e suave, aromas a fruta vermelha fresca, morangos, mirtilo, nota especiada e toque floral. Seco na boca, de acidez presente, álcool suave, tanino sumarento, denso, volumoso, especiado, tudo bem equilibrado. Final persistente e eletrizante. Pela ousadia e afirmação alcançadas, a Fita Preta Vinhos foi eleita “Produtor do Ano 2020” pela Revista de Vinhos.

FERNANDO SOARES FRANCO 2015

Regional Península de Setúbal | Tinto | 34,99€
Produtor: José Maria da Fonseca
Enologia: Domingos Soares Franco

Apresenta nariz de café, folha seca, alguma folha de tomate, groselha e balsâmicos de boa barrica. Tanino preciso, fresco e firme, enorme acidez, estrutura vigorosa. O final é profundo e demorado, com apontamento de mato. Tem largos anos para continuar a evoluir. Domingos Soares Franco, “Personalidade do Ano 2020 no Vinho” pela Revista de Vinhos, faz com este vinho uma justíssima homenagem ao pai, Fernando Soares Franco.

ILHA DO PICO TERROIR VULCÂNICO
TERRANTEZ DO PICO 2019

Pico – Açores | Branco | 30,00€
Produtor: Coop. Vitivinícola da Ilha do Pico
Enologia: Bernardo Cabral

Nariz de nectarina, líchia, algum melaço, pimenta branca e fumo. Poderoso na dimensão, revela acidez firme mas domada, finaliza com nota de querosene e fruta desidratada. Mostra as subtilezas à medida que vai permanecendo no copo, tem finura e traços que lembram um Riesling. É um grande vinho branco, de uma cooperativa que celebra 70 anos.

MISSÃO BAGA PRÉ-PHILLOXERA 2016

Bairrada | Tinto | 150,00€
Produtor: Filipa Pato & William Wouters
Enologia: Filipa Pato

Obtido a partir de uma vinha que Filipa Pato, “Enóloga do Ano 2020” pela Revista de Vinhos, considera “um museu vivo”. Nariz de algum vegetal e fruto silvestre, resina de pinheiro, mato e tinta da china. Tanino muito firme, estrutura imperial e elegante. Termina com frescura e de forma… interminável! Vai cavalgar o tempo por largos anos, é dos melhores Baga da atualidade.

PROTAGONISTA 2013

Tejo | Tinto | 45,00€
Produtor: Pinhal da Torre
Enologia: Mário Andrade

Blend de Alicante Bouschet, Touriga Franca e Syrah – é um vinho que mostra notas florais, folha de tomate, cereja escura, ligeiro torrado e nota de café. Tanino bem dimensionado e rugoso, acidez que ampara o volume, final demorado, tenso, mais fresco e mais balsâmico. Está a evoluir muito bem e revela todo o potencial de uma região como o Tejo.

QUINTA DA GAIVOSA 2017

Douro | Tinto | 39,00€
Produtor: Alves de Sousa
Enologia: Domingos e Tiago Alves de Sousa

Algum floral, tinta da china, mirtilo, amora, vegetal seco, especiaria fina e integrada. Tanino sedoso e detalhado, equilíbrio estrutural muito assente na boa acidez e elegância, num final profundo e delicado. Caminha sobre um manto de seda, com uma graciosidade que o eleva para o patamar dos melhores do Baixo Corgo, como há muito a família Alves de Sousa nos habituou.

QUINTA SAN MICHEL
ARINTO 2017

Regional Lisboa | Branco | 24,00 €
Produtor: Quinta San Michel
Enologia: Alexandre Guedes

Vinho de aromas envolventes, onde sobressai a frescura e salinidade da região, as notas herbais e o toque equilibrado da madeira. Sabor seco, acidez bem presente, salino, notas de fruta de árvore. Encorpado, sedoso, madeira integrada e a enriquecer com final intenso e apetecível. Um bom prenúncio para o que Joaquim Camilo possa ainda fazer em plena Serra de Sintra.

SOU QUINTA DE SANTIAGO &
MIRA DO Ó 2018

Vinho Verde (Monção e Melgaço) | Branco | 32,00 €
Produtor: Nenúfar Real
Enologia: Nuno Mira do Ó

Joana Santiago e Nuno Mira do Ó alcançaram um Alvarinho sui generis, que fermentou espontanemante. O registo aromático é contido e fino: erva, maçã verde, limão, raspa de lima, toranja, pedra lascada, fumo. A acidez tem exatidão irrepreensível, a dimensão é generosa, o volume é ligeiramente granulado. Termina austero, persistente e em profundidade.

(Texto escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico)

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

“Sem o esforço dos privados, o Estado Português não teria conseguido fazer frente à pandemia”

Em entrevista à PRÉMIO, José Germano de Sousa, patologista clínico e presidente do Centro de Medicina Laboratorial Germano de Sousa, falou-nos do seu percurso enquanto médico, passando pelo cargo de Bastonário e do crescimento da sua rede de laboratórios, que se posicionam em termos de análises na área da patologia clínica como o principal ‘player’ nacional do sector, sendo actualmente responsáveis por cerca de 15 a 16% dos testes Covid que se realizam em Portugal.

“Honne to Tatemae”

Sónia Ito, Arqueóloga e Professora

A Corporate Governance no novo mundo multi-stakeholder: realidades e desafios

António Gomes Mota, Professor Catedrático da ISCTE Business School

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -