Segunda-feira, Maio 10, 2021

Porto: uma cidade sustentável

Ana Valado

A Região Norte do país está a fazer grandes investimentos na área da mobilidade sustentável, em prol da descarbonização dos transportes e da criação de cidades inteligentes. Um esforço que lhe garantiu um galardão internacional. O investimento é para continuar.

A promoção da mobilidade eléctrica e a criação de condição para as cidades da região da área metropolitana do Porto se tornarem cidades sustentáveis e inteligentes ou “cidades do futuro” tem sido uma das bandeiras das autarquias da região norte nos últimos tempos.

Neste sentido têm sido tomadas várias medidas, que vão desde a aquisição de viaturas que causam menor impacto ambiental para as suas frotas e autocarros, passando pelos parques de estacionamento municipais que providenciam um desconto para carros eléctricos ou a atribuição de licenças para implementação de sistemas de mobilidade eléctrica partilhada nas cidades, nomeadamente para trotinetes e bicicletas.

A Câmara Municipal do Porto foi pioneira na promoção da mobilidade eléctrica no país. Numa primeira fase, em 2015, foi uma das entidades a adoptar o uso de viaturas eléctricas para gestão e manutenção dos seus espaços verdes. Depois disso seguiu-se a renovação de 70% da sua frota com veículos eléctricos.

A autarquia portuense e as empresas municipais têm investido, e pretendem continuar a investir, em frotas ecológicas, incluindo automóveis, motorizadas, quadriciclos, que dão apoio na gestão operacional, máquinas de pequeno porte e respectivas infraestruturas para suportar os carregamentos dos veículos e as necessidades que este tipo de carregamento precisa para substituir os combustíveis fósseis.

Mas o objectivo municipal vai mais longe: permitir que os veículos eléctricos sejam carregados com recurso a energia 100% renovável. Esta é uma matéria que já está a ser implementada pelo município.

Em termos de carregadores de veículos eléctricos para uso público já existem em várias localizações, sendo uma medida decidida pelo município no âmbito da estratégia de construção de uma cidade sustentável.

A aposta numa mobilidade mais verde nas cidades estendeu-se também aos transportes públicos, com a aquisição por parte do Estado, comparticipado pela União Europeia, de autocarros com menor impacto ambiental – 100% eléctricos e gás natural, como foi o caso da STCP. Esta iniciativa insere-se no âmbito das metas estabelecidas pelo Governo no sentido de uma redução de 40% das emissões de carbono para a atmosfera até 2030.

A nova frota da STCP Zero Emissões

Veículo nº20 do início da época da electrificação

Carregadores ultra-rápidos da Efacec

Todas estas alterações de paradigma na mobilidade urbana estiveram na origem da classificação do Porto como cidade “classe A” em 2020, uma distinção internacional atribuída pela organização “Carbon Disclosure Project” (CDP), que reconhece os esforços desenvolvidos pelo município para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa e criar resiliência aos impactos das alterações climáticas. A entrega dos prémios CDP Europe Awards 2021 decorreu em Março, integrando o Município do Porto na lista das 88 cidades em todo o mundo consideradas líderes ambientais e que estão a trabalhar para se tornarem locais resilientes, saudáveis e prósperos para se viver e trabalhar, ao mesmo tempo que reduzem as emissões e constroem rapidamente resiliência contra as alterações climáticas.

A PRÉMIO questionou algumas empresas do norte do país envolvidas na temática da Mobilidade Eléctrica e que estão a contribuir em grande medida para o desenvolvimento de cidades eficientes:

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

“Sem o esforço dos privados, o Estado Português não teria conseguido fazer frente à pandemia”

Em entrevista à PRÉMIO, José Germano de Sousa, patologista clínico e presidente do Centro de Medicina Laboratorial Germano de Sousa, falou-nos do seu percurso enquanto médico, passando pelo cargo de Bastonário e do crescimento da sua rede de laboratórios, que se posicionam em termos de análises na área da patologia clínica como o principal ‘player’ nacional do sector, sendo actualmente responsáveis por cerca de 15 a 16% dos testes Covid que se realizam em Portugal.

“Honne to Tatemae”

Sónia Ito, Arqueóloga e Professora

A Corporate Governance no novo mundo multi-stakeholder: realidades e desafios

António Gomes Mota, Professor Catedrático da ISCTE Business School

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -