Sexta-feira, Maio 20, 2022

O que ainda pode fazer na Expo 2020 Dubai

Larissa Göldner

A pouco mais de um mês do final, a Expo 2020 Dubai ainda tem muito para oferecer. Com o tema global “Connecting Minds, Creating the Future”, esta Exposição é uma incubadora de novas ideias em todo o mundo. “Um Mundo no País” é o tema da participação portuguesa, que tem deixado a sua marca no certame, quer pelas suas atracções, quer pela gastronomia portuguesa representada no restaurante Al-Lusitano, considerado um dos melhores da Expo 2020 Dubai.

O maior e mais antigo evento do mundo teve a sua origem em Londres em 1851 e desde então atrai mais visitantes do que a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos. As exposições são realizadas a cada cinco anos e cada edição é realizada numa diferente cidade do mundo, impressionando sempre os seus visitantes.

A Expo 2020 Dubai, que teve início no dia 1 de Outubro e vai terminar no próximo dia 31 de Março, é o primeiro grande evento desde o início da pandemia e é a primeira exposição universal realizada no Médio Oriente, onde são esperados 25 milhões de visitantes. Reúne mais de 200 participantes, incluindo 192 países, assim como organizações multilaterais, empresas e estabelecimentos de ensino durante 182 dias. Localizado no sul do Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, o local conta com 4,38 quilómetros quadrados, o equivalente a 600 campos de futebol, dos quais cerca de dois quilómetros quadrados são de área fechada.

O coração da Expo é a praça Al Wasl, com uma cúpula de 130 metros de largura e 67,5 metros de altura, que engloba um espaço de 724.000 metros cúbicos, segundo dados da organização. Tal corresponde ao volume de quase 300 piscinas olímpicas e é mais alto do que a Torre de Pisa.

O projecto conta com 13,6 quilómetros de aço, o equivalente a altura de 16 Burj Khalifa (a torre mais alta do mundo, com 828 metros, que fica no Dubai), pesa 2.544 toneladas, o mesmo que 25 baleias azuis e é quase tão largo como dois aviões Airbus A380 alinhados asa a asa.

O festival de seis meses celebra a criatividade humana e as conquistas nos campos de arquitectura, tecnologia, inovação, música, artes e muito mais. Algumas Exposições Mundiais anteriores apresentaram inovações como o telemóvel, a máquina de raio X ou o cone de gelado, reveladas ao mundo pela primeira vez.

Fazer parte da construção de um futuro mais sustentável para o planeta, explorar os mistérios do universo, saber como vamos viver nas cidades do futuro, de forma mais feliz e saudável ou participar num mundo mais inclusivo, são algumas propostas de reflexão que a Expo 2020 Dubai nos traz com três áreas temáticas: Oportunidade, Mobilidade e Sustentabilidade, apresentadas em forma de pétalas, as quais convergem na praça Al Wasl.

Para cada uma destas áreas foi projectado um pavilhão temático: Terra – o da Sustentabilidade; Alif – o da Mobilidade e Missão Possível – o da Oportunidade.

O Pavilhão da Oportunidade define as oportunidades como motor de progresso e destaca a importância do papel que cada um de nós tem que desempenhar na criação de mudanças positivas. Os visitantes são desafiados com questões relacionadas com as necessidades básicas de água, alimentos e energia.

O Pavilhão da Mobilidade apresenta os veículos do futuro, os novos desenvolvimentos na exploração espacial e a missão a Marte dos Emirados. Este espaço procura demonstrar de que forma a mobilidade tem sido um dos principais pilares para o desenvolvimento da humanidade ao longo dos anos.

Criando a sua própria electricidade e água, o Pavilhão da Sustentabilidade apresenta novos caminhos para a sustentabilidade e para as necessidades das gerações futuras. Dividido em duas áreas distintas para visitar, a floresta e o oceano, é uma interessante experiência interactiva onde os visitantes são convidados a tomar opções que podem ou não tornar o planeta mais sustentável.

Pavilhão de Portugal dá cartas na gastronomia

Situado no distrito da Sustentabilidade, o Pavilhão de Portugal tem como inspiração uma caravela, um projecto resultante da parceria entre o Grupo Casais e o ateliê Saraiva + Associados. “Portugal – Um Mundo num País” é o tema global da participação de Portugal na Exposição, transmitindo a multiculturalidade que nos caracteriza, que arrancou com a globalização no século XV, levando os portugueses a contactar com diferentes povos.

O pavilhão, com uma área de 1800 metros quadrados distribuída por dois pisos, inclui uma sala de espectáculo multimédia imersivo e está repleto de elementos tradicionais, como a calçada portuguesa, cadeiras e candeeiros em cortiça, azulejos, um terraço com oliveiras e uma Portugal Concept Store, que pretende ser uma “embaixada” transacional de promoção de marcas e produtos portugueses, com mais de 170 produtos distintivos.

Conhecer a cultura de outro país é também entrar pela sua gastronomia e, neste aspecto, o Pavilhão de Portugal não poderia estar mais bem representado, com o Al-Lusitano. O restaurante do Pavilhão de Portugal é fruto de uma parceria entre o ‘chef’ Chakall e o empresário Pedro Rodrigues, oferecendo o melhor da gastronomia portuguesa. E se o objectivo era colocar o restaurante do Pavilhão de Portugal no top 10 de restaurantes da Expo 2020, todas as críticas o colocam entre os dois melhores, juntamente com o do Luxemburgo.

Nas entradas destacam-se as gambas ao alho, os peixinhos da horta, os pastéis de bacalhau e as amêijoas à Bulhão Pato. Os pratos principais não dispensam o lombo de bacalhau, o cabrito, a perna de borrego, uma espetada madeirense com milho frito, o arroz de marisco ou um polvo à lagareiro. Sempre que possível há também peixe do dia ou sardinhas assadas. Na lista de sobremesas, o carpaccio de ananás com xarope de coentros é sempre uma boa forma de rematar a refeição.

O rigor dos costumes locais é respeitado e nesta cozinha não entra nem porco, nem álcool na confecção dos pratos, mas pode ser pedido para acompanhar a refeição.

Todas estas iguarias gastronómicas podem ser degustadas num ambiente descontraído, decorado com azulejos e temas da calçada portuguesa, e com loiças de marcas lusas.

Situado no andar superior do Pavilhão de Portugal, com uma localização privilegiada para quem procura os espetáculos no Jubilee Park, o maior palco do recinto, o Al-Lusitano funciona praticamente como uma bancada VIP. O seu amplo terraço é o espaço ideal para descansar, ao final do dia, usufruir de um ‘cocktail’ ou repor energias com um tradicional pastel de nata ou uma bola de Berlim.

Em meados de Dezembro, a equipa do Pavilhão de Portugal celebrava a entrada do 200.000 visitante.

Partilhe este artigo:

- Advertisement -
- Advertisement -

Artigos recentes | Recent articles

“Sem o esforço dos privados, o Estado Português não teria conseguido fazer frente à pandemia”

Em entrevista à PRÉMIO, José Germano de Sousa, patologista clínico e presidente do Centro de Medicina Laboratorial Germano de Sousa, falou-nos do seu percurso enquanto médico, passando pelo cargo de Bastonário e do crescimento da sua rede de laboratórios, que se posicionam em termos de análises na área da patologia clínica como o principal ‘player’ nacional do sector, sendo actualmente responsáveis por cerca de 15 a 16% dos testes Covid que se realizam em Portugal.

Tal&Qual: ponto final, parágrafo…

José Paulo Fernandes Fafe, Antigo jornalista, accionista maioritário da empresa proprietária do "Tal&Qual"

“Honne to Tatemae”

Sónia Ito, Arqueóloga e Professora

Mais na Prémio

More at Prémio

- Advertisement -